Scott Ian: "Por mim, faríamos mais cem shows com o Big 4"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Stella Ferreira, Fonte: Blabbermouth, Tradução
Enviar correções  |  Comentários  | 

Matéria de 20/10/11. Quer matérias recentes sobre Rock e Heavy Metal?

Dave Pehling do SF Weekly recentemente conduziu uma entrevista com o guitarrista do ANTHRAX Scott Ian. Alguns trechos da conversa seguem abaixo.

1279 acessosMetallica: a música preferida dos fãs nos shows ao vivo5000 acessosSlayer: Gary Holt é realmente um cara mal-agradecido

SF Weekly: Joey Belladonna canta tão bem quanto eu já ouvi em "Worship Music". Quanto das melodias vocais já estavam estabelecidos antes de sua volta na banda?

Scott: Bem, todas elas. As músicas já estavam escritas. Quando Joey voltou, tivemos algo como 14 músicas em algum estado de ser concluído. Nós nem sequer sabíamos o que daquela versão anterior do álbum ia ser 100 por cento, porque nem tudo tinha sido mixado ainda. Ainda era uma espécie de trabalho em progresso. Não foi até um ano depois, quase quando Joey estava de volta na banda, e nós estávamos em turnê com o Slayer e Megadeth no ano passado nos Estados Unidos - foi quando nós percebemos que tudo estava indo para a frente e nós estávamos concluindo o álbum. Nessa turnê, apenas ficamos todos os dias no vestiário com um monte de engrenagens funcionando e ouviamos música por música - tipo uma canção por dia - e realmente ficamos mais concentrados, ainda mais do que normalmente ficaríamos, porque agora tínhamos tido um ano para realmente viver com as coisas. De alguma forma louca, tivemos o luxo de uma visão retrospectiva que nunca tinha tido antes. Assim, teríamos apenas que passar as músicas, ouví-las e dizer: "Ok, alguém tem algum problema com esta? Sim? Não?" Nós decidimos manter algumas músicas 100 por cento, não havia nada para mudar, e nós amamos tudo nelas. Não havia nada que pudéssemos fazer para torná-las melhor. E também havia canções que nós pensamos, "Ok, talvez este refrão poderia ser melhor. Não estávamos felizes com elas nem mesmo há um ano atrás, então vamos consertar isso." E também houve algumas canções que foram completamente reescritas. Então, no momento em que nós terminamos aquela correria tivemos que reduzi-lo de 14 canções a dez. E dessas dez, três foram regravadas. O baixo foi regravado em todas, mas três canções foram regravadas do zero, reescrevemos as letras e as melodias. E eu diria que houve cinco ou seis que permaneceram exatamente as mesmas.

SF Weekly: Em outras entrevistas que li, você falou sobre como as músicas nasceram da luta dos últimos quatro anos como uma banda. Apesar das letras não entrarem na política tão explicitamente, "Earth on Hell", "The Devil You Know" e "Revolution Screams" parecem falar na atual crise no mundo. Você se inspirou nisso também, ou será que só aconteceu espelhando o que você estava passando pessoalmente?

Scott: Certamente "Screams Revolution" e "Earth On Hell" são, definitivamente, sobre o que está acontecendo no mundo, mas mais especificamente o que está acontecendo aqui na América e minha insatisfação geral com a forma como as coisas são executadas neste país e como as coisas provavelmente serão executadas neste país em um futuro previsível. Eu acho que os títulos são bastante auto-explicativo. Em "Earth On Hell" a primeira linha da canção é "Os garotos têm se enfurecido nas ruas." Eu escrevi as letras para aquela música anos antes tudo ter começado no Egito. Foi estranho quando tudo começou e eu assisti na CNN. Eu escrevi duas músicas basicamente sobre isso: E se as pessoas decidirem que querem retomar o poder? Eu tenho pensado sobre isso ao longo da minha vida. "Revolution Screams" e "Earth On Hell" são muito sobre as pessoas tomando o poder de volta.

SF Weekly: Como alguém que cresceu na Bay Area durante a ascensão do thrash metal no começo dos anos 80, eu ainda estou esperando que o "Big Four" toque aqui alguma hora. Digo, os Gigantes não vão fazer alguma coisa no AT&T Park em breve? Isso ainda está sob consideração?

Scott: Bem, você deveria bater na porta do Lars «Ulrich, baterista do Metallica». Você está em San Francisco. «risos» Vá procurar a pessoa que pode ter a resposta para isso. É engraçado que eu fiz 400 entrevistas, eu acho, no mês passado para esse álbum e essa é a pergunta que eu tenho sido perguntado em cada entrevista. E eu digo a todo mundo "O que os faz pensar que temos que falar sobre tudo o que acontece com o Big Four?" Quer dizer, eu entendo, somos parte disso, mas é o Metallica quem comanda o navio. Eles instalaram este telefone vermelho com um grande "4" vermelho no escritório de nosso empresário e quando ele toca, você apenas sabe quando e onde. Estou obviamente brincando sobre isso, mas poderia muito bem ser a verdade. É uma coisa incrível chegar a ser uma parte disso e nós amamos o fato de que o Metallica decidiu que isso era algo que eles queriam fazer, ter nós, o Slayer e o Megadeth para ir e fazer esses shows. Tem sido incrível para todos nós. Os caras do Slayer e Megadeth vão dizer a mesma coisa que eu estou dizendo disso. Tem sido incrível. Os shows são impressionantes. Por mim, faríamos mais cem shows com o Big Four. Eu só posso esperar que tenha mais.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

MetallicaMetallica
A música preferida dos fãs nos shows ao vivo

242 acessosMeshuggah: e se "Bleed" tivesse a bateria de "St. Anger"?306 acessosMetallica: vídeo profissional de "Creeping Death" em Miami0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Metallica"

MetallicaMetallica
As músicas do "Black Album", da pior para a melhor

John PetrucciJohn Petrucci
Explicando porque o Metallica é prog

MetallicaMetallica
Exemplo a ser seguido

0 acessosTodas as matérias da seção Notícias0 acessosTodas as matérias sobre "Anthrax"0 acessosTodas as matérias sobre "Metallica"0 acessosTodas as matérias sobre "Slayer"0 acessosTodas as matérias sobre "Megadeth"

SlayerSlayer
Gary Holt é realmente um cara mal-agradecido

Cristina ScabbiaCristina Scabbia
Cantora fala sobre seus seios e Playboy

Fascínio pelo terrorFascínio pelo terror
Cinco bandas que dão medo

5000 acessosRatos de Porão x Iron Maiden: resposta de Jão à entrevista de Bruce Dickinson5000 acessosPaixão nacional: o futebol e os roqueiros britânicos5000 acessosHeavy Metal: os maiores álbuns da história para os gregos5000 acessosMemes: versões para Slipknot, Linkin Park e SOAD5000 acessosGothic Metal: os dez trabalhos essenciais do estilo5000 acessosSepultura e irmãos Cavalera: da vanguarda ao apequenamento

Sobre Stella Ferreira

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online