Timo Tolkki: novos esclarecimentos sobre "aposentadoria"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Adriano Ribeiro, Fonte: Timo Tolkki, Tradução
Enviar correções  |  Comentários  | 

Matéria de 13/01/12. Quer matérias recentes sobre Rock e Heavy Metal?

Após anunciar em dezembro que se afastaria do mundo da música, o ex-guitarrista do STRATOVARIUS e atual SYMFONIA, Timo Tolkki, soltou uma nova declaração através de seu blog:

5000 acessosDream Theater: semelhanças na capa de álbum?5000 acessosMetallica: a banda mais influente dos últimos 30 anos

Como estou escrevendo isto na sexta-feira pela manhã enquanto bebo meu café, muitos pensamentos e sentimentos entram em minha mente. Desde que eu publiquei no blog sobre aposentar-me do negócio da música, muitas pessoas entraram em contato comigo e me pediram para não fazê-lo. É por isso que decidi esclarecer algumas coisas e escrever um pouco mais sobre isso.

Primeiramente, se alguém imaginou que eu estou culpando os fãs pela situação atual no mundo da música, eu realmente me desculpo. Isso não reflete em nada os meus pensamentos. Eu estimo e agradeço a cada um e todos o surpreendente apoio em tempos bons e ruins que deram a mim e à minha música.

Em segundo lugar, houve algumas críticas sobre a minha decisão, e algumas pessoas têm me chamado de covarde. Eu sei que é difícil entender o que realmente está acontecendo nos negócios no momento. Quero dizer globalmente. Em todo o mundo, não apenas em sua cidade. Os sinais já têm se mostrado há cerca de 10 anos e é claro que isso era esperado. As pessoas não compram mais CDs. Antes de se apressar a dizer: "mas eu compro", deixe-me dizer-lhe que tenho um ponto de observação melhor para o negócio da música global, que me permite dizer isto. Há razões para eu agir da maneira. Isto não é sobre a qualidade da música ou se eu faço CDs ruins e as pessoas não querem comprá-los. É realmente verdade que as vendas estão baixas e caindo, que as mudanças acontecerão cada vez mais e que elas não serão para melhor. As gravadoras que sobreviveram estão extremamente cuidadosas com que tipo de bandas vão contratar. Quem for contratado sofrerá uma interferêcnia muito agressiva na música e o estilo, o que resultará em um sistema controlado e musicalmente chato e, finalmente, isso poderá até matar a música como um formato físico ou digital. Na época de Bach e Beethoven não haviam registros. A música só foi ouvida ao vivo. Mas também os shows sofrem com queda nas vendas porque as pessoas não têm dinheiro para ver todas as 30 bandas que vêm para a sua cidade em um mês.

Tudo isso me fez pensar bastante sobre o meu futuro e os próximos 10 ou 15 anos. Tendo trabalhado extensivamente nos últimos 20 anos, eu simplesmente acho que é hora de avaliar o que é que eu tenho a dizer. Eu sempre disse que vou tocar enquanto as pessoas quiserem ouvir. Mas uma coisa me raiou no últimos meses: não importa mais para mim se as pessoas querem ouvir minha música. Isto significa, musicalmente, a liberdade suprema.

Outra coisa é que apesar de eu ter escrito sobre aposentadoria do mundo da música, eu não escrevi sobre me aposentar da música. Creio que a música é um dom, e este dom deve ser usado. Mas às vezes não é fácil. Eu acredito que meus 22 anos no Stratovarius, os 5 CDs que eu gravei depois disso, os seminários de música que realizei no mundo todo, as produções e tudo mais são muita coisa. Quanto você pode dar depois de já ter dado tudo?

Enfim, eu não desisti da música. Eu olho para a cena e entendo que não tenho nada a ver com o que costumava ser tão importante para mim por exemplo, quando eu tinha 30 anos de idade. Eu acredito na evolução da música e da carreira musical. A evolução como um todo. Não estou falando de escolher um registro aleatório e dizer "que merda", mas sim analisar o trabalho por inteiro. Eu acho que cada disco que eu já fiz tem o seu lugar na discografia da minha vida. À medida que envelheço, logo tendo 46, posso imaginar minha música evoluindo em direção às metas e temas que estão mais perto de minha alma do que a música que eu escrevi quando eu tinha 32 anos. Eu não acredito em cantar sobre Legiões do Crepúsculo quando eu tiver 50, mas isso uma coisa minha. Acho que tenho um monte de música em desenvolvimento em mim, mas que tipo de música é, nem mesmo eu sei. O futuro dirá, mas eu acho que você ouvirá de mim assim que isso acontecer. A minha intuição está me dizendo isso.

Tudo de bom, Timo.

Agradecimento: Samuel Coutinho

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Stratovarius"

Collectors RoomCollectors Room
O acervo dedicado ao Stratovarius de Ademir Vieira

Power MetalPower Metal
Os dez álbuns essenciais do gênero

StratovariusStratovarius
Por onde anda o ex-baterista Jorg Michael?

0 acessosTodas as matérias da seção Notícias0 acessosTodas as matérias sobre "Stratovarius"0 acessosTodas as matérias sobre "Symfonia"

Dream TheaterDream Theater
Estranhas semelhanças na capa de álbum

MetallicaMetallica
"Iron Maiden foi a base de tudo que quisemos fazer"

Fotos de InfânciaFotos de Infância
Yngwie Malmsteen muito antes da fama

5000 acessosPreços: quanto custa para contratar a sua banda favorita5000 acessosBruce Dickinson: vocalistas que ele respeita e admira5000 acessosShow de Rock: as diferenças entre os anos 80 e 20105000 acessosIron Maiden: Bruce e banda se emocionam em show na Suécia5000 acessosBlur: após cinco horas no palco, Damon Albarn é retirado por seguranças5000 acessosVamos admitir sem hipocrisia: não há banda nova que preste

Sobre Adriano Ribeiro

Adriano Ribeiro é fã xiita do Iron Maiden, daqueles que não perdoa até hoje Bruce e Adrian por terem saído da banda - e não importa se voltaram. Nas horas vagas, tem como hobby conhecer seus ídolos na música, conseguindo com eles fotos e autógrafos.

Mais matérias de Adriano Ribeiro no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online