Instrução Musical: Número de alunos cai progressivamente

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Nacho Belgrande, Fonte: Playa Del Nacho
Enviar correções  |  Comentários  | 

Matéria de 29/06/12. Quer matérias recentes sobre Rock e Heavy Metal?


1648 acessosAnos 90: Antes da Internet as Fitas K7 eram a Salvação no Rock5000 acessosVoz: 10 músicos que cantam tão bem quanto os vocalistas de suas bandas (Parte I)

O site Digital Music News recebeu esse email de David Smolover, fundador do National Guitar Workshop. O proprietário do DGM, Paul Resnikoff, optou por reproduzi-lo na íntegra:

Original Message:
From: David Smolover <_________@_________.com>
To: news@digitalmusicnews.com
Cc:
Date: Wednesday, June 20 2012 12:03 PM
Subject: another digital casualty

“Paul,

Tenho sido um seguidor entusiasmado do seu site faz alguns anos e eu realmente aprecio seus comentários sobre nosso ramo. Você luta pelos direitos de um músico abrir um envelope com um cheque ao invés de contendo um comunicado de despejo, o que é admirável.

Desde 1984 minha esposa e eu administramos National Guitar Workshop, um programa musical de verão para hobbistas e músicos aspirantes. Começou com uma tentativa minha de viver como músico sem ter que morar em meu carro.

Tivemos sorte. A idéia veio logo quando a guitarra chegou ao auge de sua popularidade. Ao longo dos 25 anos seguintes, passamos de um campus com 160 alunos para um programa internacional com sedes pelos EUA, Canadá e Europa. No ápice de nosso programa, contratamos 500 músicos a cada verão para ensinar a quase 6 mil estudantes. O negócio foi a fundação de duas outras empresas – uma de publicação de metodologia musical, a Workshop Arts Publications, e um site de instrução musical online, o WorkshopLive. Já formamos 25 mil alunos, incluindo Trey Anastasio, Mike Gordon, Dr. Luke e o compositor ganhador do Grammy Robert Lee Castleman. Olhando assim, uma excelente maneira de se passar um quarto de século.

O progresso natural de um negócio ocorreu. Sucesso gera competição. Outros entraram no mercado, mas conseguimos todos sobreviver e até prosperar. Daí veio a recessão. Mesmo apesar de ela ter devastado muitos programas de verão, nós conseguimos sobreviver. Cortes, reduções, você faz o que tem que fazer para continuar a respirar.

Mas algo muito diferente está acontecendo agora e eu achei que deveria compartilhar nossa história.

Hoje você escreveu que ‘a música gravada tornou-se, para todos os efeitos, sem valor’. Transformar a música em um bem lucrativo tem complicações bem distantes que vão muito além da destruição da indústria fonográfica. Um dos resultados é a desvalorização generalizada da experiência musical.

Como educadores, nosso ‘produto’ sempre foi nosso amor e conhecimento musical. Se pudéssemos compartilhar essa paixão de modo honesto e justo, nós poderíamos fornecer um serviço de nível e manter uma subsistência. Infelizmente, essa premissa é baseada na idéia de que as pessoas valorizem o serviço que você oferece. Quando a música se torna gratuita, isso tem uma conseqüência não-intencional e insidiosa. Ao invés de se tornar mais valiosa através do acesso ilimitado, ela se torna menos valiosa. Ao risco de soar tão velho como eu seja, quando você tinha que trabalhar, ou mendigar, pelo dinheiro para comprar um disco, a música estava ligada ao esforço que você havia feito para adquiri-la. Através do seu esforço/ trabalho/ mendicância, você indexava um valor à música. Pode ter custado só $ 7.95, mas qu7ando você estava ganhando $2.50 por hora, tinha valor genuíno.

Nós temos testemunhado uma mudança de comportamento em nossos estudantes de música, nossa clientela. Uma expectativa existe agora, a de que todas as experiências estarão no YouTube e que ela será inevitavelmente gratuita – seja um show, uma aula avançada ou uma simples lição. Com tanto fornecimento, literalmente centenas de milhares de aulas no YouTube, você pode entender o que se passa na cabeça deles. Eu sempre defendi o apaixonado argumento que estar numa sala com um bom professor e outros estudantes apaixonados é uma experiência modificadora de vida. Mas quando a paixão é menor que a conveniência, você está basicamente falando com as paredes. Então o mesmo que dizimou a indústria musical está prestes a aleijar uma das oportunidades que sobraram para os músicos – a instrução. Mais músicos talentosos e professores dedicados procurando por outro emprego.

É melhor que eu pare ou eu vou começar a bombardear você com histórias sobre estudantes de guitarra matriculados em escolas conceituadas de jazz que não sabem quem são Charlie Christain ou George Benson [ah, e os dois estão no YouTube]. Quando tudo é de graça e o único filtro que você tem é a playlist do seu amigo, o joio nem sempre se separa do trigo.

Obrigado por estar do lado do bem nessa luta.

David Smolover,
Fundador
National GuitarWorkshop”

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 30 de junho de 2012

Anos 90Anos 90
Antes da Intenet as Fitas K7 eram a Salvação no Rock

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Indústria Musical"

Mais vendidosMais vendidos
A lista de um consultor do New York Times

BandasBandas
Por que ninguém está indo a seus shows?

IndústriaIndústria
"Atenção músicos: vocês estão f-u-d-i-d-o-s!"

0 acessosTodas as matérias da seção Notícias0 acessosTodas as matérias sobre "Indústria Musical"

VozVoz
10 músicos que cantam tão bem quanto os vocalistas (Parte I)

Whiplash.NetWhiplash.Net
O site protege algumas bandas e prejudica outras?

Steven TylerSteven Tyler
"Nunca esquecerei a audição para o Led Zeppelin!"

5000 acessosMonsters of Rock: a feijoada que quase derrubou King Diamond5000 acessosVelocidade: Top 10 de músicas de Metal para ser multado5000 acessosMegadeth: fã tem siricutico ao encontrar Mustaine; veja vídeo5000 acessosThe James Gang - A gangue encrenqueira do rock5000 acessosJanaína Paschoal: "Prefiro Pink Floyd e Dire Straits a Iron Maiden"4607 acessosPunk: três exemplos de como tocar na batera também é difícil

Sobre Nacho Belgrande

Nacho Belgrande foi desde 2004 um dos colaboradores mais lidos do Whiplash.Net. Faleceu no dia 2 de novembro de 2016, vítima de um infarte fulminante. Era extremamente reservado e poucos o conheciam pessoalmente. Estes poucos invariavelmente comentam o quanto era uma pessoa encantadora, ao contrário da persona irascível que encarnou na Internet para irritar tantos mas divertir tantos mais. Por este motivo muitos nunca acreditarão em sua morte. Ele ficaria feliz em saber que até sua morte foi motivo de discórdia e teorias conspiratórias. Mandou bem até o final, Nacho! Valeu! :-)

Mais matérias de Nacho Belgrande no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online