Pussy Riot: integrantes condenadas por vandalismo em igreja

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Breno Airan, Fonte: Rock na Velha
Enviar correções  |  Comentários  | 

Matéria de 17/08/12. Quer matérias recentes sobre Rock e Heavy Metal?

Da esquerda para a direita: Ekaterina Samutsevitch, Maria Alejina e Nadejda Tolokonnikova durante audiência nesta sexta (Crédito: Reuters)
Da esquerda para a direita: Ekaterina Samutsevitch, Maria Alejina e Nadejda Tolokonnikova durante audiência nesta sexta (Crédito: Reuters)

5000 acessosPantera: o surreal e constrangedor funeral de Dimebag Darrell5000 acessosHeavy Metal: "cristãos podem aprender muito com o gênero"

Não apenas artistas do mundo da música – como PAUL McCARTNEY, THE WHO, STING, PETER GABRIEL e RED HOT CHILI PEPPERS – apoiaram as integrantes da banda de Punk Rock, PUSSY RIOT, presas em fevereiro último.

Representantes do grupo feminista Femen chegaram a derrubar uma cruz ortodoxa em protesto à prisão das três garotas e até o ex-campeão mundial de xadrez, Garry Kasparov, foi preso pela polícia por estar do lado do grupo.

Ele e outras 23 pessoas da oposição ao governo foram detidas. Ouvia-se o eco de “vergonha!”, fora do tribunal.

Dentro, o julgamento acontecia, na manhã desta sexta-feira (17). As roqueiras criaram uma “oração punk”, como elas mesmas chamaram, fazendo referência ao presidente Vladimir Putin, eleito pela terceira vez para governar a Rússia.

As três foram presas por vandalismo e pegaram, cada uma, dois anos de reclusão – poderiam pegar até sete. A juíza Marina Syrova afirmou que elas “cuidadosamente planejaram a ação”.

NADEJDA TOLOKONNIKOVA, de 22 anos, EKATERINA SAMUTSEVITCH, 30, e MARIA ALEJINA, 24, invadiram uma igreja ortodoxa, a Catedral de Cristo Salvador, em Moscou, e cantaram o trecho de uma canção, onde reverberaram “Maria, mãe de Deus, tire Putin!”.

A juíza Marina Syrova disse que as três acusadas “não expressaram arrependimento por seus atos, violaram a ordem pública e ofenderam os sentimentos dos crentes”.

Ao que se sabe, a Pussy Riot só fez o protesto porque um patriarca ortodoxo russo, chamado Kirill, pediu o voto dos fiéis para Putin, que era ainda à época primeiro-ministro. Um mês depois, ele foi eleito presidente.

Uma das integrantes presas chegou a dizer durante o julgamento que tudo isso não passava de um processo político, afinal, se tivessem cantado em favor de Vladimir Putin, nada disso estaria ocorrendo.

Será que não falta, leitor, um pouco de liberdade de expressão na Rússia?

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 18 de agosto de 2012

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Pussy Riot"

0 acessosTodas as matérias da seção Notícias0 acessosTodas as matérias sobre "Pussy Riot"

PanteraPantera
O surreal e constrangedor funeral de Dimebag Darrell

Heavy MetalHeavy Metal
"Cristãos podem aprender muito com o gênero"

Top 5Top 5
Os roqueiros mais chatos da história

5000 acessosHetfield: egos, Mustaine, Load e homossexualidade no Metallica5000 acessosEddie: a foto que supostamente inspirou Derek Riggs5000 acessosMetallica: Hammett e Ulrich escolhem álbuns e músicas da década passada5000 acessosHeart: a suruba que não rolou com Alex e Eddie Van Halen5000 acessosTen Masked Men: versões Death Metal para hits pop5000 acessosRonnie James Dio: Analisando a sua poderosa voz

Sobre Breno Airan

Acima de tudo, um forte. Ser roqueiro no Nordeste é estar cercado de olhares de soslaio. Mas ele sabe ser simpático. Começou a escutar Heavy Metal ainda na barriga da mãe. A seu pai, uma verdadeira enciclopédia do estilo, deve tudo. Aos 14 anos, pediu para uma tia R$ 12 de presente de Natal, foi a uma loja de CDs usados e catou logo o "Rust in Peace", do Megadeth - em perfeito estado, inclusive. Daí por diante, a paixão só vem aumentando. É editor do blog Rock na Velha, integrante do blog Combe do Iommi e colaborador da revista alagoana Rock Meeting. Ainda tem tempo para ser jornalista e de tocar baixo em sua banda de Hard Rock, a Azul Manteiga.

Mais matérias de Breno Airan no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online