Vinil: compradores de prensagens novas são hipsters modistas?

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Nacho Belgrande, Fonte: Playa Del Nacho
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto abaixo é um desabafo bastante bem elaborado do músico canadense DANKO JONES a respeito da relação atual que os hipsters e modistas têm como os discos de vinil [manja aqueles Aparecidos da Silva que, mesmo beirando 50 anos na cara, compram vinis coloridos para tirarem 'selfies' e a postarem nas redes sociais ao lado do toca-discos Made In China que ele jura efetuar uma reprodução fidelíssima e se vangloria da desgraça - que ele acha ser glória - de possuir um cabo USB? Esse mesmo].

Aerosmith: Tyler acha que Kiss é banda de história em quadrinhosGuns N Roses: Bon Jovi fez com Steven Tyler o que ele fez com Axl

Original confeccionado para o site do jornal estadunidense HUFFINGTON POST

"A medida que nosso acesso à música tornou-se mais fácil, eu tenho observado silenciosamente às pessoas atendo-se bravamente ao vinil como mídia apesar de fechamentos de lojas e o implacável avanço da era digital. Enquanto é digno de nota salvar um formato idoso mediante a tentadora conveniência, eu não consigo deixar de notar a diferença em como eu consumi o vinil e como ele é visto hoje.

O advento do compact disc digital líquido proveu às gravadoras condições para crescerem muito da metade dos anos 80 até o fim dos anos 90. Quase que da noite para o dia, o consumidor de discos foi assediado com uma infinidade de mercadorias falsamente inflacionadas. Os discos de vinil que custavam de US$7.99 a US$10.99 eram estocados ao lado de seus equivalentes sonicamente superiores, os CDs, por de US$17.99 a US$24.99.

Os títulos de catálogo subiram ainda mais, por vezes até a US$44.99 cada. Os cofres das gravadoras estouravam enquanto as pessoas se matavam para atualizar suas coleções de discos ao recomprarem o que eles já possuíam. Quando a indústria apresentou a palavra 'remastered', esta pôde esfolar aos incautos uma terceira vez. Em seis anos desde sua chegada, os CDs fizeram dos discos de vinil algo tão obsoleto como fitas Betamax e os varreram das prateleiras de lojas de discos.

Foi também um período de expansão em outro sentido para pessoas como eu - afetados por uma sede insaciável de ouvir tanta música quanto fosse possível, contudo impedidas por restrições financeiras. Já que eu não tinha como pagar os pesados US$19.99 da etiqueta que a indústria fonográfica pedia por lançamento em CD, foi fortuitamente que todos que podiam pagar aquele preço decidiram descarregar suas coleões de vinil nas lojas de discos usados a um décimo do preço. Era aí que eu entrava, e por US$20, saía dela com três ou quatro discos debaixo do braço. Gradualmente, como o passar do tempo, eu pude acumular uma coleção substancial de música a um quarto do preço.

Eu sempre notei que havia basicamente dois tipos de consumidores de música: 1] pessoas que compravam discos porque precisavam ouvir música e 2] pessoas que compravam discos porque parecia legal, especialmente ao lado de seus canapés, aparadores ou armários. O primeiro grupo escutava sua música em aparelhos com rádio AM em alto-falantes da primeira geração de walkmans, qualquer coisa que os possibilitasse ouvir música, enquanto o segundo grupo não seria flagrado nem morto com qualquer coisa inferior a uma aparelhagem de ponta.

Eu também notei a correlação incrivelmente inversa entre a coleão de discos de alguém e seu equipamento para ouvi-la. Na maioria das vezes, quanto melhor a aparelhagem, menor a coleção de discos/CDs para se tocar nela. O objetivo para mim nunca foi ouvir música no melhor 'equipamento estereofônico' com 'agulha de pedras lunares', mas simplesmente ouvir tanta música como fosse humanamente possível antes de eu ficar surdo.

Comprar discos era parte de uma rotina da qual, para a maioria dos colecionadores de discos, tornou-se a parte mais importante de suas vidas depois de respirar e comer. Havia geralmente um dia específico da semana ou do mês no qual você ia a certas lojas. Isso vinha acompanhado da sensação de ansiedade durante o percurso até lá, o batimento cardíaco elevado ao entrar, o pico explosivo quando aquele item longamente procurado era comprado, e depois uma parada para comer pós-compras.

Eu tenho ouvido o argumento que o revival do vinil trata-se da urgência coletiva de se retornar ao 'orgânico' e voltar 'ao que é real'. Os discos de vinil são feitos de cloreto de polivinil, que é o terceiro tipo de plástico mais usado no mundo. Isso não soa lá muito 'orgânico' para mim. Se isso não bastasse, a porra ainda vem lacrada à vácuo em, isso mesmo, mais plástico. É como manter uma banana sem casca em um saco de lacre zip.

OK, eu admito, eu ainda compro vinil em recaídas ocasionais [já comprei três discos essa semana] mas meu problema com essa recente fetichização do vinil tem mais a ver com o modo que o disco é tratado e visto do que como ele é comprado. Os discos de vinil não são peças de mobília para serem pendurados nas paredes como se fossem barômetros para hipsters. Afora as exceções colecionáveis, o vinil deveria ser arranhado, marcado, gasto, arranhado e [nossa!] TOCADO! Se você conseguir usar uma cópia usada arranhada de "Abbey Road" dos Beatles por 5 pilas, ela vai conter mais personalidade e charme do que sua cópia recém-prensada de US$32 vendida na Urban Outfitters.

E não se sinta mal se você ainda não comprou seu toca-discos ultramoderno de tecnologia de última geração. A menos que você seja um über-audiófilo, o que importa como a música é ouvida desde que ela seja ouvida? Eu tenho escutado música a minha vida toda, passei muitos dias nos melhores estúdios de gravação do mundo, e ainda não sei notar a diferença entre um MP3 e uma trilha de vinil. Talvez eu já tenha ficado surdo ou talvez eu ache a postura audiófila opressiva demais.

Pelo lado bom, com as coleções de vinil decolando novamente, as pessoas comecem a se desfazer de suas coleções de CD e eu estou babando nelas com brilho nos olhos do mesmo modo que alguns olham com cédulas de US$5 para strippers em uma boite.

Eu não me importo com o modo que você embala a música, desde que haja música para eu comprar."




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção NotíciasTodas as matérias sobre "Indústria Musical"


Postura: 12 coisas que você nunca deve dizer a um músicoPostura
12 coisas que você nunca deve dizer a um músico

Bandas: 12 motivos pelos quais vocês devem demitir um membroBandas
12 motivos pelos quais vocês devem demitir um membro

Vinil: comprar toca-discos com USB para converter LP é estupidezVinil
Comprar toca-discos com USB para converter LP é estupidez


Aerosmith: Tyler acha que Kiss é banda de história em quadrinhosAerosmith
Tyler acha que Kiss é banda de história em quadrinhos

Guns N Roses: Bon Jovi fez com Steven Tyler o que ele fez com AxlGuns N Roses
Bon Jovi fez com Steven Tyler o que ele fez com Axl

Música Brasileira: Quais os discos mais vendidos da história?Música Brasileira
Quais os discos mais vendidos da história?

Influências: Folk Metal e Música CeltaInfluências
Folk Metal e Música Celta

Slash: chapação, a louca e atraente Fergie e Axl RoseSlash
Chapação, a louca e atraente Fergie e Axl Rose

The Haunted: Dolving relata ida a uma Sauna GayThe Haunted
Dolving relata ida a uma Sauna Gay

Megadeth: Mustaine admite que banda errou feio em Super ColliderMegadeth
Mustaine admite que banda errou feio em Super Collider


Sobre Nacho Belgrande

Nacho Belgrande foi desde 2004 um dos colaboradores mais lidos do Whiplash.Net. Faleceu no dia 2 de novembro de 2016, vítima de um infarte fulminante. Era extremamente reservado e poucos o conheciam pessoalmente. Estes poucos invariavelmente comentam o quanto era uma pessoa encantadora, ao contrário da persona irascível que encarnou na Internet para irritar tantos mas divertir tantos mais. Por este motivo muitos nunca acreditarão em sua morte. Ele ficaria feliz em saber que até sua morte foi motivo de discórdia e teorias conspiratórias. Mandou bem até o final, Nacho! Valeu! :-)

Mais matérias de Nacho Belgrande no Whiplash.Net.

adGoo336|adClio336