Richie Faulkner: novos solos ainda são mais complicados ao vivo

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Fernando Portelada, Fonte: Blabbermouth, Tradução
Enviar correções  |  Comentários  | 

Matéria de 06/10/14. Quer matérias recentes sobre Rock e Heavy Metal?

Em uma nova entrevista com a Glide Magazine, o guitarrista do JUDAS PRIEST, Richie Faulkner, que juntou-se à banda em 2011, substituindo K.K. Downing, foi perguntando como ele injetou sua personalidade nas partes de K.K. sem muda-las completamente:

2266 acessosPriest: campo de golfe que teria tirado Downing da banda faliu5000 acessosCornos do Rock: a dor e o peso do chifre em três belas canções

“Sempre foi parte de meu estilo”, disse. “Eu costumava tocar vários shows cover em Londres, e ainda faço isso quando tenho a chance. E parte de tocar covers, é que você meio que tem que ser respeitoso com as partes que todos conhecem e associam com essas músicas. Então você tem que ser ao mesmo tempo respeitoso, mas você tem que improvisar um pouco. Você tem que colocar sua marca nelas. Você tenta fazer coisas diferentes e deixar tudo mais excitante. E eu acho que por causa dessa filosofia que eu sempre tive, acho que é uma transição natural, de uma de minhas influências, como ele, para algo que eu faço. É assim que eu abordo o trabalho, na verdade. Há certas coisas que eu acho que devem permanecer, certas melodias e coisas que todos conhecemos. E há um pouco de licença artística para chegar lá e fazer o seu trabalho. E também temos as músicas novas, coisas que eu criei, eu vou fazer o mesmo. Tem coisas lá que eu vou fazer diferente ao vivo e eu acho que mantém o trabalho ainda animador para o músico e para a plateia também. Isso é parte do meu estilo e eu acho que peguei isso dele.”

Faulkner também falou sobre a música mais complicada do PRIEST para aprender assim que chegou o grupo: “Eu não se ‘complicada’ seria a palavra certa, mas definitivamente ‘Victim Of Changes.’” Disse. “Foi uma grande música para meu predecessor, K.K. Downing. Foi um de seus solos mais conhecidos. Era um dos momentos do set onde ele brilhava, entende? Então, você tem que ter respeito e manter isso, e também fazer de sua própria maneira Você tem que manter respeito e fazer o seu dever para aquilo que veio antes. Ele era um grande herói para mim e eu tenho que manter essa responsabilidade. Então, com este ponto de vista, e eu estou com a responsabilidade agora. Partindo deste ponto de vista, era um momento bem focado, manter isso e colocar minha própria marca, mas é um prazer tocar esses solos e essas grandes partes de minha herança musical, e também para criar novos agora, para sair e tocar ao vivo. Alguns dos novos são bem mais complicados de tocar, porque são novos e ainda tenho que descobrir o que funciona melhor em um cenário ao vivo, há essa dinâmica também. Mas é tudo criativo, é tudo inspiração.”

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 06 de outubro de 2014


Judas PriestJudas Priest
"Monumental", novo álbum está quase pronto

2266 acessosPriest: campo de golfe que teria tirado Downing da banda faliu56 acessosEm 28/10/1997: Judas Priest lança o álbum Jugulator1225 acessosHall Of Fame: Judas Priest, RATM e Bon Jovi entre nominados de 20180 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Judas Priest"

Astros do rockAstros do rock
O patrimônio líquido de cada um

CinemaCinema
As melhores músicas de Rock/Metal em filmes de terror

Rob HalfordRob Halford
"Deve haver músicos gays que não se revelam!"

0 acessosTodas as matérias da seção Notícias0 acessosTodas as matérias sobre "Judas Priest"


Cornos do RockCornos do Rock
A dor e o peso do chifre em três belas canções

Tarja TurunenTarja Turunen
A agressão de um fã durante show no México em 2000

King DiamondKing Diamond
"Satanismo é mais uma filosofia que uma religião!"

5000 acessosStoner Rock: Um guia básico para o estilo5000 acessosLars Ulrich: O motivo pelo qual o Big Four tocou "Am I Evil"5000 acessosVoz: 10 músicos que cantam tão bem quanto os vocalistas de suas bandas (Parte I)5000 acessosZakk Wylde: batizando filho mais novo de "Sabbath Page"5000 acessosPor trás das asas dos besouros5000 acessosSammy Hagar: "Eu posso me gabar um pouco; eu vim do nada!"

Sobre Fernando Portelada

25 anos, Blogger, Podcaster, Gamer, Leitor de Quadrinhos, Ouvinte de Rock, Jornalista, e chato acima de tudo. Ouviu Imaginations From The Other Side do Blind Guardian aos 13 anos, emprestado por um amigo de escola. Ainda é um de seus álbuns preferidos.

Mais matérias de Fernando Portelada no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online