Rock Progressivo Italiano: segundo passeio pelo gênero

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Roberto Rillo Bíscaro
Enviar Correções  

Dia 13 de dezembro, convidei os leitores para um passeio pelo rock progressivo italiano.

Rock Progressivo Italiano: primeiro passeio pelo gênero


Proponho mais uma perambulada por essa vertente do rock que deixou pérolas pouco conhecidas.

ALPHATAURUS (1973), da banda homônima, traz uma pérola de quase 13 minutos, Peccato d´orgoglio. Começa meio jazz fusion, entra prum caminho meio lento, mas depois vem a onda de órgãos Moog e Hammond e o paraíso prog sinfônico começa. Duas canções curtas, sendo que a instrumental Croma traz trecho melódico inesquecível. Dopo L´uragano é a mais fraca sem ser ruim, mas a influência é mais hard rock e blues. As duas últimas faixas com seus quase 10 minutos cada retomam o clima sinfônico ao estilo EMERSON, LAKE & PALMER. Ombra Muta finaliza o álbum apoteoticamente, com semi-duelo de guitarra e órgão.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O BIGLIETTO PER L'INFERNO lançou álbum homônimo em 1974, com letras em italiano e vocais às vezes derrapantes, que não comprometem a boa qualidade do trabalho. Prog sinfônico ao estilo de GENESIS (fase Nursery Crymes) e JETHRO TULL, com pitadas de hard rock, como em Il nevare e Confessione que vem em versões com letra e instrumental. Ansia abre o álbum com estilo GENESIS fase Tresspass e grande trabalho dos órgãos, que se repete na alternadamente melódica e agressiva Uma Strana Regina, com sua descarga rápida de flautas a La JETHRO. Fã de prog sinfônico geralmente valoriza longas canções, porque gostamos de filigranas (pseudo-)eruditas, então os mais de 13 minutos de L’Amico Suicida tornam-se o chamariz da obra. Exceto pelo vocal ruim do começo, a faixa sacia gostos sinfônicos e o grupo evitou experimentalismos que arruinaram muitas canções do gênero. Ora, se curto sinfônico é porque sou mais conservador, quero longas suítes de música "clássica" plugadas na tomada. Há bandas que cortam o T com ruídos e esquisitices no meio das canções. Felizmente, isso não ocorre aqui.

O LE ORME tem longa trajetória, tendo passado por diversas fases. Collage (1971) marcou a entrada da banda na seara progressiva e foi muito influenciado por grupos como o THE NICE. A faixa-título instrumental é um sonho pomposo de symphonic prog, repleta de órgãos e momentos que remetem à música erudita. As lentas Era Inverno, Immagini e as energéticas Cemento Armado e Sguardo Verso il Cielo trazem complexos momentos de piano, órgãos analógicos, alguma guitarra e bateria que agradarão a fãs de ELP e GENESIS. Evasione Totale tem um clima meio psicodélico a la THE DOORS, especialmente no teclado e certos trechos soam como experimentação Krautrock; não é prato muito apetitoso pra fãs de prog sinfônico, mas não chega a ser entediante, porque o clima de experimentação dá lugar a um órgão eclesiástico pra voltar a ser THE DOORS. Collage ainda não é o ápice prog de LE ORME, mas é lindo.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

IL ROVESCIO DELLA MEDAGLIA inscreveu seu nome na história do rock progressivo com o fundamental Contaminazione (1973). A contaminação aludida é a do rock no mundo da música erudita, uma vez que o álbum é baseado em fragmentos do Cravo Bem Temperado, coleção de música pra teclado solo, de Bach. Tocando com uma orquestra, o RDM alterna momentos barrocos com roqueiros em esfuziante/virtuosa instrumentação e harmonias vocais. Instrumentos "eruditos" soando experimentalmente e instrumentos "roqueiros" adquirindo funções "clássicas". O álbum dá a impressão dum contínuo - com faixas curtas (pra prog 4 minutos não são nada) – sendo difícil destacar uma, mas tente La Mia Música e sinta a emoção do vocal e a beleza do arranjo. Indispensável pra conhecer Ítalo Prog.




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Metallica: por que 9 entre 10 fãs odeiam Load e Reload?Metallica
Por que 9 entre 10 fãs odeiam "Load" e "Reload"?

Os dez maiores picaretas da música internacionalOs dez maiores picaretas da música internacional


Sobre Roberto Rillo Bíscaro

Roberto Rillo Bíscaro é professor universitário e edita o Blog do Albino Incoerente desde 2009.

Mais matérias de Roberto Rillo Bíscaro no Whiplash.Net.

Goo336x280 GooAdapHor Goo336x280