Corey Taylor: Paul Gray era um dos que mais amava a banda

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Fernando Portelada, Fonte: Blabbermouth, Tradução
Enviar correções  |  Ver Acessos

Em uma nova entrevista com a BluntMag.com.au, o vocalista do SLIPKNOT, Corey Taylor, falou sobre a decisão de gravar um novo álbum após a morte de Paul Gray, baixista da banda, em 2010.

Trollagem: quando as bandas decidem zoar com o playbackGuns N' Roses: Axl desafina guitarra de Slash e pede desculpas

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Paul era uma grande parte dessa banda. Não somente como um grande contribuidor, mas também como um dos chefes, mas ele também era um dos que mais amava essa banda", disse. "Ele ficava amarrado na música de uma forma que eu nunca tinha visto, seja a música que ele tinha escrito ou um material de outra pessoa. Ele poderia ver o potencial em tudo - e sem isso por lá, obviamente tivemos muita dificuldade."

Ele continuou: "Havia realmente essa questão 'nós queremos continuar?' e começar com esses primeiros shows após a morte de Paul, isso realmente nos ajudou a ficar em pé - e os fãs podem estar lá conosco. Foi o primeiro estágio. Nós queríamos ver um pouco mais no futuro: 'OK, nós ainda vamos fazer isso. O que há agora?'"

"Em novembro de 2013 eu sentei na garagem após ter uma conversa com Clown [Shawn Crahan, percussionista] e decidi que era hora de começarmos. Era o grande elefante banco na sala e ninguém queria falar sobre isso, que teríamos que fazer outro disco. Nós estivemos em turnê por um bom tempo e havia um pouco de pressão. E ninguém tinha dado o primeiro passo para fazer isso acontecer, então a bola estava na minha quadra, para ser o primeiro daquilo que iríamos fazer.

'Em janeiro de 2014, vários de nós começamos a ver o que estava além do horizonte e pareceu certo. E acontece que nós tínhamos escrito várias músicas - eu tinha escrito algumas coisas - e Clown e Jim [Root] tinham escrito muito material - e começaram a comparar as notas. E de repente a ideia começou a tomar forma. E foi então que algo bateu. Clown, e Jim e a pessoa que está tocando bateria com a banda agora, começaram a fazer algumas demos e eu comecei a escrever em cima delas. Nós podíamos ouvir a vida voltando para isso. Foi a germinação do álbum."




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção NotíciasTodas as matérias sobre "Slipknot"Todas as matérias sobre "Corey Taylor"Todas as matérias sobre "Paul Gray"


Corey Taylor: pelo menos eles têm coragem, diz sobre Linkin ParkCorey Taylor
"pelo menos eles têm coragem", diz sobre Linkin Park

Slipknot: bosta de camelo para dar cheirinho especial ao KnotfestSlipknot
Bosta de camelo para dar cheirinho especial ao Knotfest


Trollagem: quando as bandas decidem zoar com o playbackTrollagem
Quando as bandas decidem zoar com o playback

Guns N' Roses: Axl desafina guitarra de Slash e pede desculpasGuns N' Roses
Axl desafina guitarra de Slash e pede desculpas


Sobre Fernando Portelada

25 anos, Blogger, Podcaster, Gamer, Leitor de Quadrinhos, Ouvinte de Rock, Jornalista, e chato acima de tudo. Ouviu Imaginations From The Other Side do Blind Guardian aos 13 anos, emprestado por um amigo de escola. Ainda é um de seus álbuns preferidos.

Mais matérias de Fernando Portelada no Whiplash.Net.

adGoo336