David Bowie: o camaleão fez sua metamorfose final

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Roberto Rillo Bíscaro
Enviar correções  |  Ver Acessos

10 de janeiro de 2016 marcará a partida física de David Bowie do planeta Terra, mas o legado desse artista multimídia é tão intenso que será sentido, desfrutado e compartilhado por décadas. O inglês influenciou do glam ao punk, do new romantic à electronica, passando pelo indie rock e grunge. De Queen a The Cure, de Joy Division a Culture Club; todos devem a esse artista sempre às voltas com o fantasma da esquizofrenia familiar. Seu irmão mais velho saltou para a morte de uma janela de hospício. No auge da fama, Axl Rose declarou que jamais conhecera alguém tão perturbado como Bowie.

Psicografia: uma suposta carta do espírito de Cássia EllerMetallica: Lars Ulrich quase saiu no tapa com Lou Reed

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

As mudanças de visual de Lady Gaga e Madonna empalidecem diante das metamorfoses do Camaleão. Bowie mudava de visual, apelido, sonoridade, personalidade. No início dos 70's, era drag, a cara de Lauren Bacal, quando declarou ser gay, depois bissexual. Depois, vieram a fase alienígena de Ziggy Stardust, a fase Aladdin Sane, sem sobrancelha (sacaram o trocadilho? A lad insane - doidérrimo de pó e medo de pirar de verdade), o Magro Duque Branco. O autoexílio em Berlim, para se desintoxicar e lançar as bases para o synth pop, junto com o Kraftwerk. E tanta coisa mais.

E sempre com alta qualidade. Decidiu fazer cinema: os críticos elogiaram seus desempenhos. Em 80, invocou de conquistar a Broadway: sua interpretação d'O Homem Elefante não tinha maquiagem deformante; ele representava a elefantíase contorcendo rosto e corpo. Elogios da severa crítica teatral nova-iorquina. Pintor, integrava o conselho editorial de uma das publicações mais in da área.

A importância desse homem está mais ou menos registrada no documentário David Bowie: Sound and Vision (2002), disponível em inglês, sem legendas no You Tube. Jonathan Pryce alugou seu sotaque podre de elegante para contar um pouco da história de Mr. David Jones aka Bowie.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Desde suas influências cinquentistas até os álbuns pós-comercialismo 80's, o documentário louva o músico, ao mesmo tempo em que traça introdução decente a seu trabalho e vida pessoal. Porque o sobrenome Bowie, o relacionamento conturbado com Angie (mas, sem insinuações de brincadeirinhas com Mick Jagger), a afirmação de sua heterossexualidade e comentários sobre vários de seus álbuns, especialmente os 70 e 80tistas. Bowie é vasto e complexo demais pro tempo duma partida de futebol; cada fase mereceria um programa, mas, como aperitivo tá de bom tamanho.

David Bowie is cool é a frase de encerramento de David Bowie: Sound and Vision. Muito. Sempre. Para sempre.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção NotíciasTodas as matérias sobre "David Bowie"


Pink Floyd: quando David Bowie cantou Confortably Numb com David GilmourPink Floyd
Quando David Bowie cantou "Confortably Numb" com David Gilmour

Watchmojo: os 10 clipes mais ridículos dos 80'sWatchmojo
Os 10 clipes mais ridículos dos 80's


Psicografia: uma suposta carta do espírito de Cássia EllerPsicografia
Uma suposta carta do espírito de Cássia Eller

Metallica: Lars Ulrich quase saiu no tapa com Lou ReedMetallica
Lars Ulrich quase saiu no tapa com Lou Reed


Sobre Roberto Rillo Bíscaro

Roberto Rillo Bíscaro é professor universitário e edita o Blog do Albino Incoerente desde 2009.

Mais matérias de Roberto Rillo Bíscaro no Whiplash.Net.

Goo336x280 GooAdapHor Goo336x280