Neil Young: catálogo está de volta ao Spotify (e números sobre o streaming de música)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ricardo Seelig, Fonte: Collectors Room
Enviar correções  |  Ver Acessos

publicidade

Uma das ausências mais sentidas no Spotify junto com King Crimson e Prince, o músico canadense Neil Young acertou as pontas com o serviço de streaming e recolocou o seu catálogo no app nesta sexta, para alegria de seus fãs e de quem gosta dos bons sons.

Neil Young: radialista Howard Stern comenta sobre o uso de maconhaBruce Dickinson: "O Iron Maiden é melhor que o Metallica"

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O consumo de música através do Spotify e opções semelhantes como Apple Music, Deezer, Pandora e outros aumentou 58% no mercado norte-americano no primeiro semestre de 2016, ultrapassando a audiência do YouTube, líder em popularidade até então.

No total, foram mais de 114 bilhões de músicas acessadas nesses serviços entre janeiro e junho de 2016. Já os vídeos somaram 95 bilhões de reproduções, considerando YouTube, Vevo e similares. Os streamings de vídeo aumentaram 23% em comparação com o resultado de 12 meses atrás.

O aumento no consumo de música nos EUA aumentou em 6,5%, apesar das vendas de CDs terem caído 11%, enquanto as digitais diminuíram 17%. Ou seja, os serviços de música online não só compensaram essas perdas como ajudaram a indústria a aumentar seu alcance, auxiliada também pelas vendas de vinis, que aumentaram em 17%.

Com mais de 30 milhões de assinantes, o Spotify é o serviço de streaming de música mais popular, com o dobro do que possui a Apple Music em número de pagantes. As duas empresas estão em batalha por conta da imposição da Apple em limitar os pagamentos in-app do iOS apenas ao sistema dela própria, o que causou a recusa de uma atualização do app do Spotify na App Store.

Apesar da diferença de popularidade, é bom salientar que o aplicativo de origem sueca já opera há quase oito anos na Europa e chegou aos EUA em 2011, enquanto a Apple Music completou um ano do lançamento recentemente. E, apesar da maior popularidade, o Spotify ainda opera no vermelho, principalmente por causa dos caros royalties que precisa pagar pelas músicas do catálogo reproduzidas pelos usuários. As perdas do serviço atingiram US$ 195,7 milhões no ano passado.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção NotíciasTodas as matérias sobre "Neil Young"


Neil Young: radialista Howard Stern comenta sobre o uso de maconhaNeil Young
Radialista Howard Stern comenta sobre o uso de maconha

Guns N' Roses: Slash parabeniza Neil Young (com certo atraso) pelo InstagramGuns N' Roses
Slash parabeniza Neil Young (com certo atraso) pelo Instagram

Neil Young: por causa da maconha, ele está com dificuldade de obter cidadania nos EUANeil Young
Por causa da maconha, ele está com dificuldade de obter cidadania nos EUA

Neil Young: um álbum para boas tretas políticasPop Reverso: crítica do novo álbum do Neil Young (vídeo)Alta Fidelidade: Neil Young na série grandes álbuns lançados em 1969

Roqueiros conservadores: a direita do rock na revista VejaRoqueiros conservadores
A direita do rock na revista Veja

Rixa?: Lynyrd Skynyrd x Neil Young - Amigos ou inimigos?Rixa?
Lynyrd Skynyrd x Neil Young - Amigos ou inimigos?


Bruce Dickinson: O Iron Maiden é melhor que o MetallicaBruce Dickinson
"O Iron Maiden é melhor que o Metallica"

Dave Mustaine: há bandas cujo nome me ofendeDave Mustaine
"há bandas cujo nome me ofende"


Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig no Whiplash.Net.

adGoo336