Dirty Glory: elogiado por Marina Lima em regravação de clássico

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ricardo Batalha, Fonte: ASE Music, Press-Release
Enviar correções  |  Ver Acessos

Press-release - Clique para divulgar gratuitamente sua banda ou projeto.

Desde a sua criação, a banda de hard rock Dirty Glory só compôs letras em inglês e teve seu álbum de estreia, "Mind The Gap", lançado no exterior pela gravadora americana Perris Records. Porém, a ideia de regravar "Uma Noite e 1/2", clássico da música brasileira composto pelo baixista Renato Rocketh e gravado pela cantora carioca Marina Lima no álbum "Virgem" (1987), partiu de uma simples brincadeira em um ensaio.

Olavo de Carvalho: Segundo ele, o Heavy Metal emburreceAC/DC: Perguntas e respostas e curiosidades diversas

"Eu e o baterista Sas iríamos tocá-la, na versão original, em um casamento. Daí, levamos a ideia para o Dirty Glory e a tocamos uma vez, mas num clima totalmente descontraído", recorda o guitarrista Reichhardt. "Gostamos tanto que começamos a tocá-la nos shows. Então, vendo a reação do público, resolvemos gravá-la e lançar. Outro ponto de levar essa música pra frente era ter uma aproximação com a galera do Brasil, por ser em português, além de celebrar os trinta anos do lançamento deste clássico da Marina Lima", acrescenta.

A versão hard rock de "Uma Noite e 1/2" foi gravada, mixada e masterizada pelo produtor Henrique Baboom. Já o videoclipe foi filmado pela própria banda e editado pelo vocalista Jimmi DG. "Lembra bastante a primeira versão, com outro cantor bem bom e uma pegada mais atual. Gostei bastante. Muito bom de ouvir", elogiou a própria Marina Lima.

Mais informações:
www.facebook.com/dirtyglory

Foto: Michel Souza




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção NotíciasTodas as matérias sobre "Dirty Glory"


Olavo de Carvalho: Segundo ele, o Heavy Metal emburreceOlavo de Carvalho
Segundo ele, o Heavy Metal emburrece

AC/DC: Perguntas e respostas e curiosidades diversasAC/DC
Perguntas e respostas e curiosidades diversas

Nightwish: Participação de Dawkins em álbum irritou alguns fãsNightwish
Participação de Dawkins em álbum irritou alguns fãs

Metallica: Ulrich comenta sobre seu maior erroMetallica
Ulrich comenta sobre seu maior erro

Megadeth: as pérolas mais polêmicas ditas por MustaineMegadeth
As pérolas mais polêmicas ditas por Mustaine

Metal brasileiro: Os verdadeiros heróis do Heavy MetalMetal brasileiro
Os verdadeiros heróis do Heavy Metal

Slash: guitarrista fala sobre a origem da sua cartolaSlash
Guitarrista fala sobre a origem da sua cartola


Sobre Ricardo Batalha

Ricardo Batalha, formado em Direito pela FMU, é um dos diretores da empresa ASE Press, integra o conselho editorial do Jornal Momento Notícias e vem trabalhando de forma fixa na Revista Roadie Crew desde 1996. Começou editando os fanzines Deathcore e Silent Rage e se tornou uma biblioteca do Metal brasileiro, colaborando para diversos veículos de mídia ligados ao Heavy/Rock desde os anos 1980. Suas bandas preferidas são Black Sabbath, Judas Priest e Accept, mas nunca escondeu a predileção pelo Hard Rock dos anos 80, especialmente o Ratt.

Mais matérias de Ricardo Batalha no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336