Champignon: viúva não imaginava que ele seria capaz de se matar

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Igor Miranda, Fonte: Conversa com Bial / UOL
Enviar correções  |  Ver Acessos

Cláudia Bossle, viúva do falecido baixista do Charlie Brown Jr, Champignon, falou sobre o suicídio do músico, ocorrido em setembro de 2013, em entrevista ao programa "Conversa com Bial", da TV Globo, na última semana. Ela revelou que não imaginava que Champignon poderia se matar e que, nos últimos meses de vida, o comportamento dele ficou muito semelhante ao do vocalista Chorão, que morreu meses antes após uma overdose de cocaína.

Charlie Brown Jr: álbum Bocas Ordinárias, de 2002, é lançado em vinilCrianças: veja como cresceram as de "Nevermind", "War" e outras

"Após a morte do Chorão, eu senti várias coisas diferentes comportamentos muito parecidos com os do Chorão da época. Irritabilidade, tristeza, coisas que eu acompanhei com o Chorão", afirmou Cláudia, durante a entrevista.

Apesar disso, a viúva do músico disse não ter percebido um "pedido de socorro". "Não imaginava que ele seria capaz desse ato. Nós falávamos sobre isso. Ele falava que era o pior tipo de morte", contou Cláudia. "Ele demonstrou irritabilidade, tristeza, mas não notei um pedido de socorro. O que encontrei depois, mexendo nos cadernos de música dele, vi que ele escrevia que vivia num pesadelo sem fim", complementou.

Cláudia Bossle estava grávida quando Champignon cometeu suicídio. Hoje, a filha do casal, chamada Maria Amélia, tem quatro anos. A viúva do músico disse que ainda não contou à filha como foi a morte do pai dela.

"Na escolinha, ela vê os amiguinhos, e a criança é muito ingênua. Ela conta que o papai morreu. Eu conto que uma forma lúdica, que o papai é uma estrelinha. É lindo porque ela vê uma estrelinha e ela fala o 'papai chegou, vem ver o papai'", disse. "Tento dar muito amor e tento ser tudo para ela. É até pesado para mim, porque sou mãe e pai. Mas pesado não, ela é minha bênção, Maria Amélia é minha luz. Acho que tive o bônus de tê-la no meu ventre. Acho que consegui superar de verdade com essa motivação", completou.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção NotíciasTodas as matérias sobre "Charlie Brown Jr"


Charlie Brown Jr: álbum Bocas Ordinárias, de 2002, é lançado em vinil

Charlie Brown Jr.: em vídeo, o último dia de Alexandre Magno Abrão, o ChorãoCharlie Brown Jr.
Em vídeo, o último dia de Alexandre Magno Abrão, o Chorão

Charlie Brown Jr: documentário sobre Chorão será lançado em 2020; veja teaserCharlie Brown Jr
Documentário sobre Chorão será lançado em 2020; veja teaser

Rock in Rio 2001: boicote de bandas nacionais foi uma bobagem, diz Roberta MedinaRock in Rio 2001
Boicote de bandas nacionais foi uma "bobagem", diz Roberta Medina

Los Hermanos e Chorão: A opinião de André Forastieri sobre o atritoLos Hermanos e Chorão
A opinião de André Forastieri sobre o atrito

Champignon: viúva não imaginava que ele seria capaz de se matarChampignon
Viúva não imaginava que ele seria capaz de se matar


Crianças: veja como cresceram as de Nevermind, War e outrasCrianças
Veja como cresceram as de "Nevermind", "War" e outras

Planet Rock: As músicas com os melhores solos de guitarraPlanet Rock
As músicas com os melhores solos de guitarra


Sobre Igor Miranda

Jornalista formado pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU) e apaixonado por rock há mais de uma década. Começou a escrever sobre música em 2007, com o surgimento do saudoso blog Combe do Iommi. Atualmente, é redator-chefe da área editorial do site Cifras e mantém um site próprio (www.IgorMiranda.com.br). Também co-fundou o site Van do Halen, para o qual trabalhou até 2013.

Mais matérias de Igor Miranda no Whiplash.Net.

adGoo336