Ratazana Fest (Bar do Pop, Amapá, 29/09/2018)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Bruno Blackened
Enviar Correções  

Noite de sábado com muita cerveja gelada e Thrash Metal. Assim foi o Ratazana Fest, realizado pela Rataria Produções em parceria com o Cerimonial Fest e Bar do Pop. O evento iniciou aproximademete às 20:15, no Bar do Pop, conhecido por sediar eventos de Rock e Heavy Metal e ser um ponto de encontro entre amigos e fãs de música pesada, promovendo e perpetuando a cena banguer local.

Separados no nascimento: Joe Satriani e Lord Voldemort

Rock: as dez lendas mais macabras do gênero

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

A DEPOIS DE TUDO foi a banda de abertura do evento. Composta por Railson Rodrigues (vocal), Felipe Rogrigues (guitarra), Betow Reis (baixo) e Lukas Matheus (bateria), apresentou meia hora de Thrashcore pancadaria e veloz, com músicas que duravam aproximadamente 1:30min. A performance foi agitada e energética, com destaque para o guitarrista Felipe, que pulava, deitava no chão e ia para o meio do ainda pequeno público, deixando sua guitarra estirada.

Depois de uma pausa, veio a ALIENOFILIA (substituindo a RESTOS DE FETOS). Esqueça o vocal (Wander Pimentel e Jeff Gama): o que importa aqui é o som, que é bem rápido (com músicas que duram aproximadamente 1min), mas tem momentos cadenciados. Apesar disso, a interação do grupo com a plateia é forte. Completado por Felipe dos Santos (bateria), Vitor Cid (guitarra) e Leônidas Monteiro (baixo).

Sobre a apresentação da CARNNYVALLE, posso destacar, logo de cara, a atitude preocupada do vocalista Breno Sardhom com a atual cenário político do Brasil. Conhecido dos metalheads, além de brincar com o público, alerta para que, na eleição que se aproxima, os banguers votem conscientes de que o candidato seja alguém que tenha boas propostas para o país. Tocando seu Thrash Metal rápido e empolgante, os banguers não deixaram de "moshar" nas composições autorais e nos covers Alisson Hell (ANNIHILATOR) e Into the Pit (TESTAMENT), mesmo com o espaço apertado.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Lá pelas 23:07h, o headliner MENTE SUICIDA, do Pará, entrou em ação, despejando sua torrente Thrash bangueante. O grupo já é veterano e realizou diversas apresentações em Macapá. O nível etílico de parte da galera, já alto, atrapalhou a performace do grupo, com moshes em cima do espaço destinado aos músicos e vocalistas de outras bandas pegando o microfone para cantar. Mesmo assim, o trio conseguiu terminar seu show. Formada por Jaydson Santos (guitarra e vocal), Rodolfo Barbosa (bate-
ria) e Marcos Silva (baixo).

No geral, as bandas fizeram ótimas apresentações: músicos performáticos e habilidosos, com sets numerosos (alguns totalmente autorais, outros alternando entre autorais e covers). Mesmo com o cansaço que vinha após muitas músicas, as bandas deram cada gota de energia em favor dos shows, tudo para manter os metalheads entretidos. Ao final, Tico Souza, dono da Rataria Produções, agradeceu aos bangers e parceiros pelo sucesso do Ratazana Fest.




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Separados no nascimento: Joe Satriani e Lord VoldemortSeparados no nascimento
Joe Satriani e Lord Voldemort

Rock: as dez lendas mais macabras do gêneroRock
As dez lendas mais macabras do gênero


Sobre Bruno Blackened

Metalhead desde os 16, jornalista desde os 23. Grande incentivador da cena Metal amapaense através de resenhas, reportagens, fotos, artigos, entrevistas e assiduidade nos shows. Minhas vertentes favoritas são o Thrash, Death e Power Metal. \m/

Mais matérias de Bruno Blackened no Whiplash.Net.

Cli336x280 CliIL Cli336x280