Dream Theater: Mike Mangini fala das dificuldades em substituir Portnoy

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Igor Miranda, Fonte: Music Radar
Enviar correções  |  Ver Acessos

O baterista Mike Mangini abriu o jogo, em entrevista ao Music Radar, sobre a dificuldade em substituir Mike Portnoy no Dream Theater. Mangini ocupa a vaga de Portnoy desde a saída do integrante, em 2010.

David Bowie: conheça 60 fatos da vida do camaleãoMetalcore: os dez trabalhos essenciais do estilo

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Inicialmente, o músico comentou que está em uma "situação sem vitória" no Dream Theater e que está tudo bem para ele. "Aparentemente, nunca vou me livrar do fato de muitos fãs não gostarem, por não ser a formação original. Talvez eu também não gostasse disso se eu fosse um fã", afirmou.

Após demonstrar compreensão, Mangini comentou que seu trabalho está sempre "sob um microscópio". "Estou me acostumando, mas não vou deixar que isso me dite algo para que eu mude tudo. Eu não escolho tocar todas as partes originais de Mike. Fiz algumas mudanças na última turnê e soube que muitos odiaram. Porém, se eu tocar exatamente como ele fez, as pessoas vão me odiar, falam que sou assustador", disse.

O músico contou que é chamado de "esquisitão" quando toca igual a Portnoy, mas sempre que resolve mudar alguma passagem, dizem que ele não é capaz de se apresentar como o antecessor. "Por isso, digo que não há vitória nessa situação. [...] O que me resta é fazer o que acho certo e contar a verdade. Acho que as linhas dele são muito corretas e musicais. Gosto muito. Não acho um pecado gostar das linhas de Mike. Posso não gostar de tudo, mudar algumas viradas, algumas batidas principais. Tenho esse direito e não vou deixar ninguém mandar no que faço só por eu estar sob um microscópio", afirmou.

Mangini destacou que logo quando ele diz algo certo, as pessoas mudam suas definições de "certo" ou "errado" e passam a julgá-lo. "Ainda assim, acho que é correto tocar as músicas da forma que as pessoas as conhecem. [...] Se alguém entrar no Dream Theater e mudar todas as linhas de bateria, quando as pessoas estiverem 'tocando bateria no ar', vai tirar a diversão delas. Então, eu toco daquela forma. Gosto de algumas dessas passagens; de outras, não", disse.

Por fim, o músico comentou que fica chateado por ser sempre criticado, mesmo se tocar igual a Portnoy ou alterar algumas de suas partes. "Estou apenas sendo do jeito que eu quero. Ame, odeie, não se importe, enfim. É isso, mas quando entro em uma banda, eu respeito a música em primeiro lugar", afirmou.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção NotíciasTodas as matérias sobre "Dream Theater"Todas as matérias sobre "Mike Mangini"


Contra-baixo: as melhores introduções do Heavy MetalContra-baixo
As melhores introduções do Heavy Metal

Portnoy: racha do Queensryche foi pior que do Dream TheaterPortnoy
Racha do Queensryche foi pior que do Dream Theater


David Bowie: conheça 60 fatos da vida do camaleãoDavid Bowie
Conheça 60 fatos da vida do camaleão

Metalcore: os dez trabalhos essenciais do estiloMetalcore
Os dez trabalhos essenciais do estilo


Sobre Igor Miranda

Jornalista formado pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU) e apaixonado por rock há mais de uma década. Começou a escrever sobre música em 2007, com o surgimento do saudoso blog Combe do Iommi. Atualmente, é redator-chefe da área editorial do site Cifras e mantém um site próprio (www.IgorMiranda.com.br). Também co-fundou o site Van do Halen, para o qual trabalhou até 2013.

Mais matérias de Igor Miranda no Whiplash.Net.

adGoo336