Raul Seixas e Paulo Coelho: polêmicas sobre prisão e tortura durante a ditadura

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Igor Miranda, Fonte: Folha de S. Paulo
Enviar correções  |  Ver Acessos

"Raul Seixas - Não Diga que a Canção está Perdida" (Todavia), livro escrito por Jotabê Medeiros sobre a vida do cantor Raul Seixas, será lançado no próximo dia 1° de novembro, mas já está causando polêmica. A obra cita a suspeita de que o artista teria entregue o escritor Paulo Coelho, parceiro de composições, à ditadura militar, conforme apontado pelo jornal "Folha de S. Paulo".

Paulo Coelho: ele duvida de documento que sugere que Raul Seixas o entregou à ditaduraMusas do Metal Nacional: combo de talento e sensualidade

Foto: Fundação Paulo Coelho - divulgação
Foto: Fundação Paulo Coelho - divulgação

O livro escrito por Jotabê Medeiros aponta que a situação aconteceu em 1974, um ano após Raul Seixas lançar o bem-sucedido álbum "Krig-ha, Bandolo!" (1973), que conta com colaborações de Paulo Coelho.

De acordo com a obra, Raul Seixas foi intimado a dar um depoimento no Departamento de Ordem Política e Social (Dops) e chamou Paulo Coelho para acompanhá-lo. A ideia era que os dois prestassem esclarecimentos sobre as músicas que fizeram juntos.

Porém, não era a primeira vez que Raul Seixas visitava o Dops. Segundo o biógrafo, a distância entre as datas das duas visitas era bem pequena.

Raul Seixas ficou no local por meia hora e voltou "tentando dar algum recado cifrado ao amigo, que o esperava". A reportagem da "Folha" aponta que, segundo o livro, Paulo Coelho acabou não entendendo a mensagem e foi ao interrogatório, que "incluiu perguntas sobre o livreto que acompanha o disco 'Krig-ha, Bandolo!' e a Sociedade Alternativa cantada por Raul".

Paulo Coelho acabou detido na ocasião. A polícia prendeu, ainda, a namorada do escritor, Adalgisa Rios. "No dia seguinte, quando liberado, Coelho pegou um táxi com Raul, mas foi capturado novamente e levado para um lugar desconhecido, onde sofreu torturas por duas semanas", afirma a reportagem.

A situação sempre foi tratada como suspeita, já que os documentos oficiais são inconclusivos. Os papéis dizem que seria possível chegar a Paulo e Adalgisa "por intermédio do referido cantor" (Raul Seixas). Alguém, de fato, "dedurou" o casal, mas não se sabe se foi o "Maluco Beleza".

Raul evitou contato com Paulo por um ano, mas eles se reaproximaram e trabalharam em outras músicas juntos entre 1975 e 1978. O afastamento definitivo aconteceu após a entrada de ambos para a seita do sacerdote Marcelo Motta, influenciada por Aleister Crowley.

Embora o mergulho aos ideais ocultistas tenha gerado clássicos como "Tente Outra Vez", Paulo Coelho entrou em conflito com Raul Seixas porque o cantor "mergulhou fundo demais naquele ideário", segundo Jotabê Medeiros à "Folha".

Leia a reportagem completa sobre o caso no site do jornal "Folha de S. Paulo".

Paulo Coelho se manifesta

Pelo Twitter, Paulo Coelho se manifestou brevemente sobre a reportagem. "Fiquei quieto por 45 anos. Achei que levava segredo para o túmulo", afirmou. Em outra mensagem, declarou: "Não confirmei e não confirmo nada. Eu apenas vi o documento e me senti abandonado na época. Por isso que não quis dar entrevista".

"O cara perigoso era o letrista"

Durante entrevista concedida à "BBC Brasil" em setembro, Paulo Coelho relembrou a prisão e a tortura que sofreu em 1974, sem mencionar que teria sido "dedurado" por Raul Seixas. "Os militares não entendiam as minhas músicas. Eles diziam 'Quem são esses caras aí? Raul Seixas e Paulo Coelho. Alguma coisa está errada porque a gente não entende o que eles estão falando'. Então, chamaram o Raul para depor. O Raul era o cantor. Como diz o Elton John, 'Don't Shoot Me, I'm Only the Piano Player' (Não atire em mim, eu sou apenas o pianista). Mas a eminência parda, o cara perigoso, o ideólogo era o letrista. Então eles me prenderam. Agora, tem que justificar uma prisão. Não acharam nada", afirmou.

Ele completou: "Quando eu estava preso oficialmente, fichado, com impressão digital, meus pais conseguiram mandar um advogado. Aí, me soltaram no mesmo dia e me sequestraram em frente ao aterro do Flamengo. Me arrancaram do táxi, me jogaram na grama, me botaram a arma. Eu estava entregue. Aí eu fui torturado, apanhei, essas coisas todas."




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção NotíciasTodas as matérias sobre "Raul Seixas"


Paulo Coelho: ele duvida de documento que sugere que Raul Seixas o entregou à ditaduraPaulo Coelho
Ele duvida de documento que sugere que Raul Seixas o entregou à ditadura

Raul Seixas: ele seria contra Bolsonaro se estivesse vivo, dizem biógrafosRaul Seixas
Ele seria contra Bolsonaro se estivesse vivo, dizem biógrafos

Raul Seixas: Irmã Dulce ajudou o artista no começo da carreiraRaul Seixas
Irmã Dulce ajudou o artista no começo da carreira

Raul Seixas: Em carta psicografada, o alerta sobre a Sociedade Alternativa e as drogas?Raul Seixas
Em carta psicografada, o alerta sobre a Sociedade Alternativa e as drogas?

Raul Seixas: de aluno relapso a Maluco BelezaRaul Seixas
De aluno relapso a Maluco Beleza


Musas do Metal Nacional: combo de talento e sensualidadeMusas do Metal Nacional
Combo de talento e sensualidade

Gorgoroth: As orientações sexuais e políticas de GaahlGorgoroth
As orientações sexuais e políticas de Gaahl


Sobre Igor Miranda

Jornalista formado pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU) e apaixonado por rock há mais de uma década. Começou a escrever sobre música em 2007, com o surgimento do saudoso blog Combe do Iommi. Atualmente, é redator-chefe da área editorial do site Cifras e mantém um site próprio (www.IgorMiranda.com.br). Também co-fundou o site Van do Halen, para o qual trabalhou até 2013.

Mais matérias de Igor Miranda no Whiplash.Net.

adGoo336