Matérias Mais Lidas

imagem"A ingenuidade do fã do Iron Maiden é um negócio que beira o patético", diz Regis Tadeu

imagemMorre Alan White, baterista do Yes e que gravou a clássica "Imagine", de John Lennon

imagemFãs protestam contra Claustrofobia após banda fazer versão de música do Pantera

imagemJohn Bonham, Keith Moon ou Charlie Watts, quem era o melhor segundo Ginger Baker?

imagemStjepan Juras retruca comentário de Regis Tadeu sobre reencontro de Di'Anno e Harris

imagemA dura crítica de Angus Young a Led Zeppelin, Jeff Beck e Rolling Stones em 1977

imagemZakk Wylde relembra ídolo: "tão relevante quanto Bach, Beethoven e Mozart"

imagemProdutor de "Temple of Shadows" conta problemas que teve com voz de Edu Falaschi

imagemÁlbum histórico do Iron Maiden estampa capa da revista Metal Hammer

imagemSteven Tyler dá entrada em clínica de reabilitação após sofrer recaída

imagemMichael Anthony diz que "Van Halen III" foi "a coisa mais louca que a banda já fez"

imagemComo era a problemática relação do Angra no "Aurora Consurgens", segundo produtor

imagemComo foi 1º encontro de Nando Reis e Cássia Eller, ocorrido na casa de Marisa Monte

imagemRegis Tadeu explica porque Ximbinha é um dos melhores guitarristas do Brasil

imagemRitchie Blackmore comenta o instrumental que lançou como homenagem a Jon Lord


Stamp

Steve Zetro Souza: por que o vocalista saiu do Testament para entrar no Exodus

Por Igor Miranda
Em 28/06/20

O vocalista Steve "Zetro" Souza protagonizou uma das trocas de banda mais emblemáticas do thrash metal. Em 1986, ele saiu do Testament, então chamado Legacy, para se juntar ao Exodus.

Logo em seguida, o Testament adotou o nome que os fãs conhecem e chamou o vocalista Chuck Billy. Zetro, por sua vez, entrou para o Exodus na vaga de Paul Baloff e se consolidou, gravando alguns dos discos mais conhecidos da banda.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Em uma recente sessão de perguntas e respostas promovida no YouTube, com transcrição do Ultimate Guitar, Steve "Zetro" Souza contou por que decidiu sair do Testament – ou Legacy, como era chamado na época –, após 3 anos na formação, para apostar no Exodus.

"Foi uma decisão difícil. Eu não teria saído se fosse outra banda que não o Exodus me chamando. Na época, todas as bandas como o próprio Legacy, Forbidden, Vio-Lence e várias outras da Bay Area amavam e respeitavam o Metallica, queriam ser como o Exodus. Era pura brutalidade", afirmou.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Zetro comenta que o Exodus era muito popular na região da Bay Area, nos Estados Unidos, e que o público formava longas filas para assistir aos shows deles. "Eu ia a shows deles com Baloff ainda nos vocais e eles tinham que deixar uns 8 amigos deles separando os fãs do palco. As pessoas pulavam e curtiam tanto que precisava de gente para empurrar esses fãs de volta à plateia, pois não havia grade naquela época", disse.

O cantor destacou que um ano antes do convite para se juntar ao Exodus, já existia o rumor de que ele ocuparia a vaga de Paul Baloff. "Fui chamado em junho de 1986 e antes disso, existia a especulação de que eu entraria. Era um rumor que sempre circulava e pessoas até me perguntavam o que eu faria se fosse convidado", declarou.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

A admiração pelo Legacy, que virou Testament, nunca acabou, já que ele segue colaborando com a banda ao compor letras junto de Chuck Billy. Apesar disso, o convite para entrar no Exodus era irrecusável na visão dele.

Com relação à entrada de Chuck Billy para o Testament, Steve "Zetro" Souza acredita que teve papel fundamental na criação dessa nova parceria. "Lembro que estava fazendo exercícios e vi Chuck. Ele comentou que não acreditava que eu estava me juntando ao Exodus, daí eu disse: ‘sim, cara, quer fazer um teste para o Legacy?’. Ele perguntou se era thrash metal e eu falei que sim, já que na época ele cantava em uma banda de hair metal chamada Guilt", relatou.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Zetro definiu o rompimento com o Legacy como "amigável". "Nas primeiras semanas de ensaio com Chuck, eu os visitei e mostrei como eu projetava músicas como ‘Raging Waters’, ‘Burnt Offerings’, ‘Over the Wall’ e ‘The Haunting’. Acho que funcionou bem porque Chuck é um frontman incrível. Você nunca pensaria no Testament sem Chuck, certo?", concluiu.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp


Testament: como terapias nativas ajudaram Chuck Billy a vencer o câncer



Sobre Igor Miranda

Jornalista formado pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU), com pós-graduação em Jornalismo Digital pela Universidade Estácio de Sá. Começou a escrever sobre música em 2007 e, algum tempo depois, foi cofundador do site Van do Halen. Colabora com o Whiplash.Net desde 2010. Atualmente, é editor-chefe da Petaxxon Comunicação, que gerencia o portal Cifras, Ei Nerd e outros. Mantém um site próprio 100% dedicado à música. Nas redes: @igormirandasite no Twitter, Instagram e Facebook.

Mais matérias de Igor Miranda.