Matérias Mais Lidas

imagemEngenheiros do Hawaii e as tretas com Titãs, Lulu Santos, Lobão e outros

imagemA bizarra exigência de Ace Frehley para participar da última turnê do Kiss

imagemEdu Falaschi descobriu que seu primo famoso tem mais seguidores que ele no Instagram

imagemIggor Cavalera diz que reunião da formação clássica do Sepultura seria incrível, mas...

imagemDave Mustaine, eufórico, compara James LoMenzo com Cliff Burton

imagemGregório Duvivier: "Perto de Chico Buarque, Bob Dylan é uma espécie de Renato Russo!"

imagemNovo clipe do Megadeth foi filmado no litoral de São Paulo, veja fotos

imagemQuando Jimi Hendrix chamou Eric Clapton para subir no palco e afinar sua guitarra

imagemQuando Fiuk achou que iria apanhar do Chorão, do Charlie Brown Jr.

imagemJoão Gordo diz que não torce pela seleção brasileira de futebol

imagemTravis Barker, do Blink-182, é hospitalizado às pressas e filha pede orações

imagemCuecão de couro: Rob Halford posa com suas "great balls of fire" em camarim

imagemCinco nomes do heavy metal que já gravaram músicas do ABBA

imagemVeja diz que David Coverdale só passa vergonha nas redes sociais

imagemKerry King explica por que não assumiu o posto de guitarrista do Megadeth


Stamp

Steve Vai sobre conselho de Frank Zappa: "me poupou literalmente milhões de dólares"

Por André Garcia
Em 31/05/22

Se Steve Vai é um dos maiores guitarristas do mundo, é, pelo menos em parte, graças a Frank Zappa. Afinal de contas, quando tinha apenas 20 anos, Zappa o convidou para sua banda, onde ele tocou de 1980 a 83. Período esse onde ele disse ao jovem guitarrista que o timbre de sua guitarra soava como um "pão com mortadela elétrico".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Conforme publicado pela Guitar World, em entrevista para Rick Beato, Steve Vai relembrou aquele período de sua carreira. Entre outras coisas, ele revelou um conselho de Frank Zappa que o "poupou literalmente milhões de dólares": "Mantenha seus direitos autorais".

"Eu [pedi um conselho a ele] esperando alguma resposta esotérica tipo para você simplesmente tocar da maneira que quiser. Mas ele disse só: 'Mantenha seus direitos autorais'." Músico extremamente prolífico e com a experiência de anos de estrada, ele sabia que deter o controle sobre sua própria obra era a coisa mais importante.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Eu nem sabia o que era direito autoral", confessou Vai, "então ele me deu o número de um advogado. Eu paguei por uma hora do tempo do advogado, e ele me explicou sobre o assunto. E, eu vou te falar: aquilo me poupou literalmente milhões de dólares ao longo dos 37 anos que sou músico."

"O pessoal da arte, músicos pensam de forma diferente do pessoal dos negócios", prosseguiu. "Músicos são fascinados por notas, arranjos, encontrar o acorde certo, a melodia... são obcecados por essas coisas. Já o pessoal dos negócios tem essa mesma paixão, mas por números. E não há nada de errado nisso — ambos são necessários. Mas muitas vezes (se não em todas as vezes) os negócios são desfavoráveis aos artistas. Eles meio que se aproveitam porque os artistas ficam intimidados."

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"O primeiro e mais importante é ter sua própria editora. Só o termo 'empresa de publicação' já intimida, mas a coisa chega a ser idiota de tão simples. É só entrar na internet e digitar 'Como abrir minha empresa de publicação musical'. Você preenche uns formulários, quando eu o fiz 37 anos atrás me custou $12. Eu fui ao cartório assinar uma papelada, e [então] eu tinha minha editora. Minha música estava assegurada, porque tudo que eu escrevia pertencia a mim."

"E o que eu notei ao longo dos anos foi que uma das coisas que mais resiste à passagem do tempo é o direito autoral. A tecnologia da produção musical, a forma como se vende, a forma como se compra... essas coisas estão sempre mudando — e seguirão mudando. Mas sua propriedade intelectual vai seguir a evolução tecnológica se você a mantiver", concluiu.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net



publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Garimpeiro das Galáxias: Beldades globais e sua paixão pelo rock


Sobre André Garcia

Sou redator e tradutor freelancer e escritor, autor do livro de contos Liber IMP. Ouço rock desde pequeno, leio coisas sobre bandas desde sempre e escrevo sobre ela já tem anos. Cresci como fã de Iron Maiden e paladino do rock, mas já me tratei. Hoje sou fã de nomes como Beatles, David Bowie, The Cure, Kraftwerk e Velvet Underground, e de cenas como a Londres psicodélica, a Nova Iorque proto-punk e a Manchester pós-punk. Escrevo notas e notícias rápidas para o Whiplash.Net visando compartilhar conteúdo relevante sobre música e cultura pop.

Mais matérias de André Garcia.