Roadrunner: capa do Machine Head entre as mais marcantes

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Nathália Plá, Fonte: Roadrunner
Enviar correções  |  Comentários  | 

Desde 1910, músicos associaram artes visuais com sua energia sonora na forma da toda-poderosa capa de disco. E desde 1987 a Roadrunner Records tem sido fonte de imagens visualmente extasiantes e perturbadoras na vasta arte mundial dos álbuns, ainda assim honrando a tradição. Seja usando uma imagem para dar o tom para o que vai seguir nos seus auto-falantes, ou como um meio de deixar uma marca na eternidade associando uma imagem com um título, não há dúvidas quanto ao poder de uma capa de disco – que é por esta razão que o selo correu os olhos por todos álbuns lançados na Roadrunner Records U.S. para encontrar as maiores capas em sua celebrada história.

525 acessosMachine Head: trabalhando em novas músicas5000 acessosDanilo Gentili: O sertanejo tem mais atitude roqueira que o próprio roqueiro

Votada pela equipe mundial da Roadrunner, com um mostruário que vai do icônico contra o blasfemo, o pintado contra o fotografado, bem como da arte descoberta contra a arte encomendada, nós lhes damos as “Dez maiores Capas da História da Roadrunner”, uma por vez.

Eleitas por nossa equipe de todo o mundo, mostrando o icônico contra o blafemo, o pintado contra o fotografado, bem como a arte descoberta contra a arte encomendada, nós lhes damos as Dez Maiores Capas de Disco na história da Roadrunner – uma de cada vez. Presenteie seus olhos com o #9 abaixo, vá daqui para o #10, e volte todo dia enquanto fazemos a contagem regressiva até o número um.

#9 Machine Head – The Blackening

Detendo o título de Álbum da Década da Revista Metal Hammer, essa britadeira de 2007 dos Pesos Pesados de Bay Area, MACHINE HEAD, recebeu muita aclamação por contrabalencear riffs memoráveis, destruidores, com letras raivosas e provocativas. Superando a barreira estabelecida por seu trabalho anterior, o sexto trabalho até então é uma declaração poderosa dessa banda atemporal - e é por isso que seu líder, Rob Flynn, buscou uma imagem poderosa e atemporal para representá-lo.

Disse Flynn sobre a descoberta, “Eu trombei com um flyer antigo de Punk Rock que eu tinha do final dos anos oitenta que tinha uma imagem entalhada em madeira de um cara de aparência arrepiante com uma faca enorme na mão, parado ao lado da cama de umas crianças dormindo. Era poderosa e perturbadora. O fato de ter uma uma aparência tão rude deu ainda mais impacto. Isso me pôs interessado em encontrar alguns entalhes em madeira. Eu garimpei na internet, descobri no que poderia se tornar o álbum, mostrei pros caras e tudo mundo gostou.

Continua Flynn, “O fato de que ela tinha 500 anos, e ainda era tão poderosa, era impressionante. Os elementos principais: o Rei Esqueleto, o pé dele na terra, a areia quase vazia na ampulheta, e o mais importante, o espelho com as palavras gravadas nele “O Espelho que não lisonjeia” – tudo parecia se ajustar às letras do disco. 'The Blacknening' era um olhar duro sobre nós mesmos, nossa sociedade, ou escolhas que fazíamos enquanto pessoas. E havia muito mal sendo feito no mundo, muitas verdades feias sendo trazidas à tona. Essas palavras somavam isso tudo muito poderosamente.

Quanto à reação que a banda recebeu por sua imagem sombria, Flynn explica, “Os fãs adoraram. Era diferente, especialmente naquela época. Ganhou a capa de disco do ano em algumas revistas. Agora, um milhão de bandas copiou a idéia, o que é lisonjeiro. Mas honestamente, nós só estávamos tentando sair daquela coisa cafona de photoshop que tava pegando naquela época.”

E sobre aquilo que ele gostou mais, Flynn afirma, “Só como uma coisa tão simples e rude pode ser tão poderosa. É como o antigo lema de Gene Simmons ‘seja simples, idiota’”.

youtube player
Inscreva-se no nosso canalWhiplash.Net no YouTube

Os responsáveis são citados no texto. Não culpe os editores. :-)

Por que destacamos matérias antigas no Whiplash.Net?

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

525 acessosMachine Head: trabalhando em novas músicas0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Machine Head"

Machine HeadMachine Head
A tarefa inglória de abrir pro Slayer

Heavy MetalHeavy Metal
As melhores faixas de 2012 segundo o Loudwire

WikimetalWikimetal
Os melhores riffs de guitarra desde 2000

0 acessosTodas as matérias da seção Maiores e Melhores0 acessosTodas as matérias sobre "Machine Head"

Danilo GentiliDanilo Gentili
O sertanejo tem mais atitude roqueira que o próprio roqueiro

Power MetalPower Metal
Conheça dez álbuns essenciais do estilo segundo About.com

AC/DCAC/DC
Isso sim é uma bela estrada para o inferno

5000 acessosFotos de Infância: Red Hot Chili Peppers5000 acessosRock in Rio: algumas das maiores vaias em edições nacionais5000 acessosOcultismo e Satanismo no Rock e Heavy Metal5000 acessosExtreme: banda implode durante show e Nuno abandona o palco5000 acessosJanis Joplin: a cantora e suas aventuras no Brasil4122 acessosRhapsody Of Fire: Staropoli fala sobre Lione, Holzwarth e futuro da banda

Sobre Nathália Plá

Mineira de Belo Horizonte, nasceu e cresceu ouvindo Rock por causa de seu pai. O som de Pink Floyd e Yes marcou sua infância tanto quanto a boneca Barbie, mas de uma forma tão intensa que hoje escutar essas bandas lhe causa arrepios. Ao longo dos anos foi se adaptando às incisivas influências e acabou adquirindo gosto próprio, criando afinidade pelo Hard Rock e Heavy Metal. Louca e incondicionalmente apaixonada por Bon Jovi, não está nem aí pras críticas insistentes dirigidas à banda. Deixando a emoção de lado e dando ouvidos à técnica e qualidade musical, tem por melhores bandas, nessa ordem, BlackSabbath, Led Zeppelin, Deep Purple, Metallica e Dream Theater. De resto, é apenas mais uma apreciadora do bom e velho Rock'n'roll.

Mais matérias de Nathália Plá no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online