Ramones: "Commando", a autobiografia de Johnny Ramone

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Mário Orestes Silva
Enviar correções  |  Ver Acessos

Após ter sua imagem estigmatizada como "o ditador da banda" por sua austeridade rígida, quase para militar, eis que com a publicação de "Commando - A Autobiografia de Johnny Ramone", este guitarrista que fez história, junto com os demais Ramones, apresentando uma peculiaridade reconhecida em suas palhetadas, tem a oportunidade de justificar a infâmia e traz seu próprio testemunho a público, como prova incontestável de sua eficiência, não apenas como músico, mas também como um dos mentores e dirigentes de uma banda que tinha tudo pra dar errado e acabou se transformando uma das maiores referências da música contemporânea.

Patinhos feios: grandes álbuns que são subestimados - Parte 1Depressão: 10 músicas que devem ser evitadas

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

É óbvio, mas cabe dizer que, como a maioria das autobiografias, esta também obedece uma cronologia da vida do retratado, começando na sua infância com os primeiros contatos com o rock, passando por sua adolescência conturbada nas deliquências urbanas, até conhecer seus colegas que montariam a banda, da trajetória de sucessos e fracassos que duraram décadas, findando a escrita com sua aposentadoria, após o final da banda e o indispensável registro de sua doença que fulminou em sua morte, com direito a fotos do funeral e da estátua erguida em sua homenagem no cemitério. Porém, este livro contém alguns diferenciais.


Temos uma grande quantidade de fotos raras, não só de eventos e pessoas, mas também de memorabília que inclui manuscritos originais, cartões autografados, ingressos de shows etc. Há também uma avaliação álbum a álbum dos Ramones, no parecer do próprio guitarrista e listagem "os 10 mais", em seu gosto particular para beisebol, rock and roll, filmes de terror, de ficção científica, livros, televisão, dentre outros.

Voltando às justificativas ditas no início deste texto, encontramos uma que explica a maior desavença na história da banda. A ruptura que Linda Marie fez no romance com Joey Ramone para se casar com Johnny. Temos a perspectiva de quem realmente foi personagem central, de um modo que provoca compreensão no entrave que causou mal estar diário por décadas nestes músicos.

Sobre a postura paramilitar, deve-se ao fato de que Johnny queria fazer da música o seu sustento, no afã de construir uma banda de rock que se destacasse dentre as demais, criando um estilo único e conseguisse um sucesso grandioso almejado. Claro que para que isso funcionasse efetivamente, era preciso que alguém impusesse uma disciplina eficaz em rapazes semi delinquentes que esbanjavam bebidas, drogas diversas, rebeldia e crises existencialistas. Como Johnny já havia tido em seu passado uma certa formação militar e acreditava convictamente na dedicação ao trabalho, a fórmula acabou dando certo, mesmo que lhe rendendo inimizades.

Ao folhear a obra encontramos prefácio de Tommy Ramone, epílogo de Lisa Marie Presley, posfácio de John Cafiero que também fez a edição com Steve Miller e Henry Rollins, e na contra capa depoimentos de Kirk Hammett e Chris Cornell. Um detalhe que faz valer a aquisição está no acabamento gráfico. Capa dura com miolo em papel couchê.

Indispensável para qualquer um que deseja entender todo o desajuste de uma banda que, apesar de tudo, se tornou grande na história do rock and roll, "Commando - A Autobiografia de Johnny Ramone" merece atenção e leitura.

Tradução de Edmundo Barreiros e Lúcia Brito. Editora Leya, São Paulo, 2012, 176 páginas.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de LivrosTodas as matérias sobre "Ramones"


Patinhos feios: grandes álbuns que são subestimados - Parte 1Patinhos feios
Grandes álbuns que são subestimados - Parte 1

Grandes covers: cinco versões para "Needles And Pins"Ramones: vários vídeos oficiais de clássicos da banda disponíveis no Youtube; confira

Ramones: Ana Maria Braga abre programa com música da bandaRamones
Ana Maria Braga abre programa com música da banda

Ramones: vídeo oficial de "Rock N' Roll High School" está disponível no YoutubeEm 04/11/1977: Ramones lançava Rocket To RussiaGrandes covers: dez versões para "Pet Sematary", do RamonesRamones: vídeo oficial de "Blitzkrieg Bop" ao vivo está disponível no YoutubeRamones: vídeo oficial de "Psycho Therapy" está disponível no Youtube

Ramones: vídeo oficial Pet Sematary está disponível em alta qualidade no YoutubeRamones
Vídeo oficial "Pet Sematary" está disponível em alta qualidade no Youtube

Supernatural: ouça 10 músicas que marcaram a sérieSupernatural
Ouça 10 músicas que marcaram a série

Johnny Ramone: Não era bom abrir o show do Black SabbathJohnny Ramone
"Não era bom abrir o show do Black Sabbath"


Depressão: 10 músicas que devem ser evitadasDepressão
10 músicas que devem ser evitadas

Alice in Chains: mensagem subliminar na capa de The Devil Put Dinosaurs HereAlice in Chains
Mensagem subliminar na capa de "The Devil Put Dinosaurs Here"


Sobre Mário Orestes Silva

Deuses voavam pela Terra numa nave. Tiveram a idéia de aproveitar um coito humano e gerar uma vida experimental. Enquanto olhavam, invisíveis ao coito, divagavam: - Vamos dar-lhe senso crítico apurado pra detratar toda sua espécie. Também daremos dons artísticos. Terá sex appeal e humor sarcástico. Ficará interessante. Não pode ser perfeito. O último assim, tivemos de levar à inquisição. Será maníaco depressivo e solitário. Daremos alguns vícios que perderá com a idade pra não ter de morrer por eles. Perderá seu tempo com trabalho voluntário e consumindo arte. Voltaremos numas décadas pra ver como estará. Assim foi gerado Mário Orestes. Décadas depois, olharam como estava aquela espécie experimental: - O que há de errado? Porque ele ficou assim? Criamos um monstro! É anti social. Acumula material obsoleto que chamam de música analógica. Renega o título de artista pelo egocentrismo em seus semelhantes. Matamos? - Não. Ele já tentou isso sem sucesso. O Deixaremos assim mesmo. Na loucura que criamos pra vermos no que dará, se não matarem ele. Já tentaram isso, também sem sucesso. Então ficará nesse carma mesmo. Em algumas décadas, voltaremos a olhar o resultado. Que se dane.

Mais matérias de Mário Orestes Silva no Whiplash.Net.

adGoo336