Barão Vermelho: biografia traz registro histórico em CD

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Genilson Alves
Enviar correções  |  Comentários  | 


Em 2007, o Barão Vermelho anunciou férias por tempo indeterminado. Cinco anos depois, a banda retoma as atividades, desta vez para uma turnê – que deve começar em outubro próximo e durar até março de 2013 – em comemoração aos 30 anos de lançamento do primeiro disco, que será reeditado com novo trabalho de mixagem e masterização, além de trazer faixas bônus. Depois disso, de acordo com o vocalista e guitarrista Frejat, cada um vai para o seu lado. Momento oportuno para revisitar a trajetória do grupo, registrada em “Barão Vermelho – Por que a gente é assim” (editora Globo).
81 acessosBarão Vermelho: veja entrevista de Maurício Barros no Vitrola Verde5000 acessosSeparados no nascimento: Lady Gaga e Eddie

Está certo que biografias autorizadas não são exatamente confiáveis; autobiografias, então, são ainda mais suspeitas. Pois a do Barão Vermelho foi escrita a seis mãos: pelo baterista e fundador Guto Goffi; pelo “descobridor”, produtor e mentor da banda, Ezequiel Neves; e pelo jornalista Rodrigo Pinto. Talvez não seja o caso de acusá-los de falta de isenção, até porque alguns temas-tabu (como drogas) são tratados abertamente no livro. Porém, a obra não traz muitas novidades – pelo menos para os seguidores mais fiéis do conjunto.

É sabido de todos, por exemplo, que os primeiros passos do Barão foram bem menos tortuosos que os das demais formações de sua geração, já que, desde o início, em 1981, o grupo era cercado de bons contatos – o pai do tecladista Maurício era gerente de promoções do jornal carioca O Globo e o pai de Cazuza era ninguém menos que João Araújo, presidente da Som Livre, braço fonográfico das organizações Globo (apesar de, segundo relato do livro, tal fator não ter influenciado a banda na hora de procurar o vocalista, indicado por Léo Jaime após um teste malsucedido para assumir o posto). Assim, o Barão Vermelho seria um dos primeiros nomes daquela safra a gravar um LP, autointitulado, em 1982.

Ao descrever os processos de criação e gravação de cada álbum, o livro suscita o debate sobre qual seria a melhor fase do conjunto, discussão antiga entre os fãs – divididos entre os que defendem que os registros com Cazuza representam o ápice criativo do Barão Vermelho e aqueles que acreditam que o grupo, com Frejat à frente, manteve (ou mesmo superou) o nível das composições e das performances ao vivo. No entanto, é inegável que a saída do vocalista original (que ainda contribuiu em trabalhos posteriores) denunciaria as deficiências de ambos os lados. Enquanto o Barão sempre teve de recorrer a vários parceiros, principalmente para escrever as letras, a carreira solo de Cazuza, apesar de bem sucedida, nunca teve a consistência musical de sua ex-banda, já que o forte do cantor, morto em 1990, era a poesia.

A obra é organizada de forma não muito linear, com narrativas paralelas – que abordam desde as turnês até a relação dos músicos com as drogas – inseridas no meio de cada capítulo, quebrando o ritmo da leitura, o que pode incomodar alguns. Mas o grande atrativo de “Barão Vermelho – Por que a gente é assim” é mesmo o CD que acompanha o livro, reunindo as duas demos gravadas pela banda antes de assinar com a Som Livre. A primeira tape trazia “Billy João” (depois rebatizada “Billy Negão”) e “Certo Dia na Cidade”; o segundo registro continha as faixas “Conto de Fadas”, “Ponto Fraco”, “Por Aí”, “Rock’n Geral”, “Você me Acende” – versão de Erasmo Carlos para “You Turn me On”, de Ian Whitcomb – e o reggae “Nós”, que ficou de fora do CD.

Conforme dito no começo do texto, não há grandes surpresas nessa retrospectiva do Barão, mas o livro – com prefácio de Ney Matogrosso e comentários do CD por Frejat – garante momentos de nostalgia e diversão, com fotos de todas as épocas do grupo e histórias que já ganharam status de lenda – como no dia em que os integrantes foram atrás de uma mãe de santo para desfazer um “trabalho” feito para a banda –, e o mais bacana, parte dos royalties vai para a Sociedade Viva Cazuza, que ajuda crianças e adolescentes portadoras do vírus HIV.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 27 de setembro de 2012

81 acessosBarão Vermelho: veja entrevista de Maurício Barros no Vitrola Verde182 acessosBarão Vermelho: show em BH passará na TV a cabo e na internet465 acessosBarão Vermelho: Rodrigo Santos em entrevista no Heavynroll809 acessosBarão Vermelho: Canal Bis exibirá show ao vivo de BH2180 acessosBarão Vermelho: Novo vocalista não decepciona801 acessosTitãs, Lobão, Ultraje, Legião: o Brasil era do rock há 30 anos0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Barao Vermelho"

Separados no nascimentoSeparados no nascimento
Cazuza e Lauro Corona

BRockBRock
Os 10 melhores álbuns dos anos 80

Rock NacionalRock Nacional
Os 15 melhores riffs de guitarra

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Livros0 acessosTodas as matérias sobre "Barao Vermelho"

SsemelhançaSsemelhança
Separados no nascimento: Lady Gaga e Eddie

OpiniãoOpinião
Headbangers não praticantes: radicalismo no Metal

Chris CornellChris Cornell
Relatório policial descreve últimas horas e morte

5000 acessosHeaven & Hell: mistérios e autocensura na capa de álbum5000 acessosMetal: Gibson.com enumera 50 melhores músicas do gênero5000 acessosRock Stars: como se pareceriam alguns se não tivessem morrido5000 acessosDetonator: Mais compartilhado que o funk ostentação de MC Gui5000 acessosManowar: "Nunca fui fã e não gosto do Kiss" - diz Eric Adams5000 acessosReligiões: as guerras santas abordadas em letras de Heavy Metal

Sobre Genilson Alves

Genilson Alves é jornalista e autor do blog Radio Sehnsucht.

Mais matérias de Genilson Alves no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online