Pain Of Salvation: entrevista com o simpático guitarrista e vocalista Ragnar Zolberg

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Edilson Luiz Piassentini, Fonte: Underground Newz
Enviar correções  |  Ver Acessos

A carreira da banda sueca Pain Of Salvation é marcada por álbuns que marcaram positivamente dentro do prog metal, como Entropia, The Perfect Elemente Part 1 e Remedy Lane.

Rob Halford: 11 coisas que você não sabia sobre eleVícios: As 10 melhores músicas sobre drogas

In The Passing Light of Day, novo álbum da banda lançado há pouco tempo já surgiu como um grande clássico, e figura entre os melhores já lançado pela banda!

Para nos contar sobre o trabalho de composição do álbum, e demais curiosidades, a página Underground Newz entrevistou o simpático e atencioso guitarrista e vocalista da banda Ragnar Zolberg.

Gostariamos de agradecer e muito ao Ragnar pela simplicidade e que nos atendeu super bem para essa entrevista!

Confiram!

UNDERGROUND NEWZ - Olá Ragnar. Primeiramente agradeço pela entrevista. O álbum In The Passing Light Of Day lançado recentemente, sem dúvidas está entre os melhores trabalhos da carreira do Pain Of Salvation. O mesmo é o primeiro álbum de inéditas com você no line-up da banda. Poderia nos contar como foi a sua participação e o processo de composição do álbum?

Ragnar Zolberg - Muito obrigado, me sinto muito orgulhoso e feliz por estar tão envolvido neste álbum. Algumas das canções foram criadas por mim e Daniel em nosso local de ensaio, ele tocava bateria e eu tocava guitarra. Ele interpretava esses ritmos mais complicados e eu elaborava um os riffs e progressões onde juntos montávamos as músicas. Muitas das músicas surgiram quando estávamos apenas tocando desse jeito. Também sugeri muitas vezes que deveríamos ter Leo na bateria, mas esta era a maneira que Daniel queria trabalhar.
Antes disso, ele havia escrito duas canções sozinho, ou com outra pessoa: Silent Gold e Taming of a Beast.
Outras canções como Tounge of God eu escrevi a maior parte dela sozinho utilizando um Computador com bateria programada. Meaningless, como algumas pessoas já sabem, é um re-trabalho da música Rockers Don't Bathe. Uma música que eu escrevi para a minha banda islandesa Sign. As letras originais são ligeiramente diferentes e é sobre estar longe de minha esposa e ainda respeitar ela. Não é sobre traição como na nova versão, pois eu não faria isso. Uma história bacana também é com a música On A Tuesday, na parte com o piano e meus vocais de falsete que dizem 'I lost the Way', foram retirados diretamente de uma outra música minha que fiz quando eu tinha 17 anos. É isso, Ragnar com 17 anos de idade cantando nessa parte. Então é assim, é muito diferente de música para música!

UNDERGROUND NEWZ - O que podemos ouvir em In The Passing Light Of Day é um equilíbrio perfeito entre o peso e melodias suaves. Sabemos que o grande problema enfrentado por Daniel, serviu como inspiração para as composições do disco. Acredita que essa carga emocional foi o ponto mais importante para o resultado obtido pelo álbum?

Ragnar Zolberg - Eu entendo o porque as pessoas pensam assim, mas eu não penso dessa forma. Nós realmente escrevemos e gravamos todas as músicas antes que as letras estivessem prontas. Eu acho que se tivesse sido um conceito diferente ou letras diferentes, o álbum poderia ter sido ainda melhor. A história de doença é muito fácil para as pessoas se conectar com elas. Para mim serviu como a cereja do bolo, mas o bolo é mais importante do que a cereja, pois tem muitos ingredientes e foi feita por mais gente.
Eu acho que a qualidade do álbum tem mais a ver com o fato de que Daniel não estava escrevendo e fazendo tudo sozinho para variar. A banda nunca foi tão boa em minha opinião e para o álbum, tendo Leo Margarit tocando bateria dessa forma realmente traz muito para a banda, e ele é um baterista incrível e o coração do álbum.
Gustaf também é incrível e ele tem uma conexão de ritmo muito bom com Leo. D2 é também extremamente talentoso e este álbum é como a primeira vez onde todos na banda tiveram seu tempo para brilhar.
Além disso, a produção e o som de Daniel Bergstrand é a melhor que a banda já teve, finalmente um álbum do Pain of Salvation que soa com uma qualidade de áudio incrível, em minha opinião. Bergstrand trabalhou com Gustaf antes no Meshuggah e também gravou toda a bateria de Leo para o último álbum do Sign e alguns dos meus materiais solo. Todos nós amamos trabalhar com ele e isso nos levou a trabalhar novamente com ele neste álbum.
Os vocais foram projetados e produzidos na Noruega pelo meu amigo Jörn-Arild que fez um trabalho muito bom para tirar o melhor da voz Daniel, que foi um trabalho muito importante. Como você pode ouvir ele não tem o mesmo timbre neste álbum como nos mais antigos. Ele parece cansado de alguma forma, o que encaixou perfeitamente no álbum eu acho, mas Jörns trabalhou em fazer isso acontecer tão suavemente sem perder sua qualidade. Os toques finais foram feitos por George Nerantzis que dominou o álbum muito bem, que também foi um trabalho importante. Eu li algumas entrevistas com Daniel e ele realmente gosta de falar sobre si mesmo, mas a verdade é que ele precisou de muita gente talentosa e esforçada para fazer esse álbum acontecer e atingir esse nível de qualidade. Até mesmo meu pai que faleceu há 13 anos tem algum crédito no álbum, pois usei algumas de suas gravações antigas quando eu escrevi a introdução para Tounge Of Gods e In The Passing Of Light Day.

UNDERGROUND NEWZ - Como havia mencionado numa pergunta anterior, In The Passing Light Of Day foi o seu primeiro álbum de inéditas com a banda. Você está desde 2013 na banda, e participou também do álbum Falling Home (2014), que traz grandes musicas de toda a carreira da banda com uma nova roupagem. O que é mais difícil, compor um novo material, ou criar novos arranjos para música já consolidadas?

Ragnar Zolberg - Em Falling Home, eu não estava envolvido em duas músicas que teve mais releitura, Stress e Holy Diver. Fiquei muito contente por isso, porque eu realmente não gostei delas.
As músicas em que eu toquei eram arranjos acústicos muito básicos e Daniel sempre dizia o que fazer, pois era um filho dele. Exceto para a faixa-título Falling Home, pois na verdade, novamente, um retrabalho de uma velha música minha chamada Firebird, que nunca foi lançado, mas quem sabe, pode ver a luz do dia em algum momento.
Eu acho que tudo depende da música, onde algumas podem ser muito difíceis de organizar corretamente, tanto antigo como novo. Eu não acho que há uma grande diferença em arranjar uma nova música ou retrabalhar uma velha. Por exemplo, com o Sign nós fizemos uma vez uma versão de Run to the Hills para um álbum de tributo Iron Maiden que contou com outras bandas como Metallica, Dream Theater, Machine Head etc e nós fizemos totalmente a nossa própria versão da música. Acho que isso é importante se você vai regravar uma música, para tratá-la como se fosse a sua própria, caso contrário as pessoas poderiam tão bem ouvir a original.

UNDERGROUND NEWZ - Além de um grande guitarrista, podemos ver que você é um ótimo vocalista, tendo como destaque na excelente faixa Meaningless do álbum In The Passing Light Of Day. Como é dividir os vocais com outro grande vocalista como Daniel? E como surgiu o convite para entrar na banda?

Ragnar Zolberg - Bem, muito obrigado! Eu estou acostumado a ser vocalista e frontman, então ser uma segunda voz no Pain of Salvation é muito legal, muito mais fácil do que fazer tudo sozinho. Também é mais fácil para Daniel, pois acho que ele pode dar umas pequenas pausas e me deixar assumir os vocais de vez em quando para que ele possa respirar.
Minha esposa é realmente a responsável por eu estar na banda, quando basicamente todos, exceto Leo tinha deixado a banda, e estavam procurando substitutos e minha esposa viu nos ite da banda e enviou um e-mail com alguns vídeos meus no youtube e uma carta dizendo que seria perfeito minha entrada na banda. Ela não tinha me contado disso até então. Então, quando eles responderam e me convidaram para uma audição eu estava completamente despreparado e não tinha idéia do que estava acontecendo. Eu tive apenas 2 ou 3 dias para aprender 4 ou 5 músicas. Isso ainda era fácil em comparação com o que estava por vir. Alguns meses mais tarde, quando me disseram que eu tinha sido escolhido para a banda, Daniel não conseguia se decidir sobre as músicas que ele queria tocar na turnê, então ele enviou uma lista de 30 músicas. Deu-me um curto prazo de uma semana para aprender as músicas antes dos primeiros ensaios e eu estava sem nenhuma guitarra para praticar, pois estava em férias em Londres.
Eu acabei pegando emprestado uma guitarra infantil e aprendi todas as músicas usando ela.

UNDERGROUND NEWZ - O Pain Of Salvation teve grandes mudanças em sua formação ao longo de sua carreira. Acredita que hoje a banda se encontra em sua formação ideal?

Ragnar Zolberg - Sim, eu sinceramente acho que esta é a melhor formação até agora, e embora eu dizendo isso, não tenho medo de dizer o que penso.
Claro que com a história de saída de membros da banda, não da para saber quanto tempo vai durar, é claro. Mas pelo momento e pelo novo álbum esta banda é perfeita em minha opinião.

UNDERGROUND NEWZ - Quais foram as suas influências como guitarrista e vocalista? E o que gosta de ouvir nas suas horas vagas? E além do Pain Of Salvation, você participa de outros projetos ou bandas?

Ragnar Zolberg - Eu acho que minha forma de tocar tem influencias por um lado de Steve Vai, seguindo de, Neil Young e Ace Frehley.
Quanto aos vocais, eu passei ao longo de minha adolescência cantando músicas do Skid Row, então eu acho justo dizer que Sebastian Bach foi uma enorme influência pra mim. Mas também gosto de cantar de forma agressiva como Leon Russell, por exemplo.
Eu escuto todos os diferentes tipos de música, mas principalmente bandas de metal. Meu álbum favorito do ano passado é o Phenotype da banda holandesa Textures. Soilwork, Slipknot, Deftones, Death para mencionar alguns outros.
Das bandas que não são metal: The Cure, Neil Young, Sigurós, Further Seems Forever, Aphex Twin,e música clássica como Sergei Prokofiev. É uma grande mistura realmente.
Eu tenho meu projeto solo, lá eu faço basicamente o que eu quero fazer. Seja um material acústico, eletrônico ou metal e eu tenho a sorte de ter meu amigo Leo Margarit tocando ao meu lado na maior parte. Tenho um respeito enorme por ele como baterista e músico. Ele também toca na minha banda Sign e fez um ótimo trabalho no nosso último álbum 'Hermd'. Eu tenho feito algumas músicas para filmes e para muitos outros projetos na verdade. Agora estou trabalhando em dois projetos diferentes em dupla com meus amigos. Um deles é com meu amigo Omar e é chamado RO. Estamos terminando um acompanhamento para o nosso primeiro álbum, The Battle of Brothers. O outro é com Ragnar Olafsson que é também o tecladista de Sign e da banda de indie/folk islandês 'Arstidir'. Estou sempre trabalhando em algo e adoro fazer isso.

UNDERGROUND NEWZ - Com o lançamento de um novo álbum, é claro que vêm as turnês. Quando poderemos contar com mais um grande show do Pain of Salvation aqui no Brasil? O que acha do nosso publico e o que conhece do nosso país, tanto sobre bandas ou outras coisa diversas?

Ragnar Zolberg - Oh cara, vocês são o melhor público que eu já tive o privilégio de tocar! Nós amamos tocar na América do Sul, especialmente no Brasil. Eu realmente não sei quando teremos a chance de fazê-la novamente. É tudo uma questão de logística, dinheiro e coisas assim que vão muito além do meu papel nesta banda.
Eu comecei a ouvir Sepultura quando eu tinha sete anos e amo todos os álbuns antigos da banda. Mas isso é tudo que eu sei sobre a música brasileira. Sou muito fascinado pela floresta tropical e as tribos que viveram aí e eu adoraria saber muito mais sobre isso!

UNDERGROUND NEWZ - Ragnar, mais uma vez, agardeço pela simplicidade e pela entrevista. Deixe um recado para os seguidores da Underground Newz e para os fãs de Pain Of Salvation aqui do Brasil. Abraços

Ragnar Zolberg - Obrigado pelas boas perguntas, foi um prazer. Eu realmente quero agradecer a todos os nossos fãs brasileiros por serem os fãs mais legais do mundo. Realmente estou ansioso para voltar tocar para vocês!




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção EntrevistasTodas as matérias sobre "Pain Of Salvation"


Metal Progressivo: os dez melhores álbuns do estiloMetal Progressivo
Os dez melhores álbuns do estilo

Pain Of Salvation: A opinião de Gildenlöw sobre os MamonasPain Of Salvation
A opinião de Gildenlöw sobre os Mamonas

Pra ouvir e discutir: os melhores discos lançados em 2002Pra ouvir e discutir
Os melhores discos lançados em 2002


Rob Halford: 11 coisas que você não sabia sobre eleRob Halford
11 coisas que você não sabia sobre ele

Vícios: As 10 melhores músicas sobre drogasVícios
As 10 melhores músicas sobre drogas

Classic Rock: as 10 melhores baladas dos anos 80Classic Rock
As 10 melhores baladas dos anos 80

James Hetfield: Você não iria gostar de mim se soubesse minha históriaJames Hetfield
"Você não iria gostar de mim se soubesse minha história"

CD vs Vinil: não diga que o som do vinil é melhor - porque não éCD vs Vinil
Não diga que o som do vinil é melhor - porque não é

Ultimate Classic Rock: os dez melhores álbuns do RushUltimate Classic Rock
Os dez melhores álbuns do Rush

U2: o fascínio do vocalista Bono por Frank SinatraU2
O fascínio do vocalista Bono por Frank Sinatra


Sobre Edilson Luiz Piassentini

Amante do metal desde os 13 anos de idade, fã indiscutível de King Diamond e Mercyful Fate, e também um grande apreciador das cervejas estilo Weiss e um dos editores do site Rock N'Breja! Rock e Cerveja, a combinação perfeita.

Mais matérias de Edilson Luiz Piassentini no Whiplash.Net.

adGoo336|adClio336