Geoff Tate: "arranquei o retrovisor e estou seguindo em frente!"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Samuel Coutinho, Fonte: Metal da Ilha
ENVIAR CORREÇÕES  

Todd Newton do BigMusicGeek.com recentemente conduziu uma entrevista com o vocalista de sua versão do QUEENSRŸCHE, Geoff Tate. Alguns trechos da conversa seguem abaixo.

Nirvana: quem é o bebê da capa de Nevermind?Hard Rock: As bandas do gênero que ficaram para trás

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

BigMusicGeek.com: Antigamente, você se sentia como se os seus ex-companheiros de banda do Queensryche "te sufocavam" tanto criativa como musicalmente?

Geoff: Absolutamente. Este é o primeiro registro com o Queensryche que eu fiz, onde as minhas mãos não ficaram atadas atrás das minhas costas, entende? É ridículo ter que esperar tanto tempo sem fazer um novo registro. Álbuns, se você for um compositor, acabam saindo de você. Você escreve uma música, você escreve um álbum, você o grava, em seguida, o lança. Você não precisa de dois anos entre os lançamentos, entende? Esse é um padrão que definitivamente veio e se foi, sabe?... Isso é um padrão do passado que os arqueólogos algum dia desenterraram e disseram: "Olha! Encontramos um fóssil".

BigMusicGeek.com: O que você sente, finalmente, abastecido depois de uma deterioração geral no relacionamento com seus ex-companheiros de banda?

Geoff: Eu acho que é igual a muitas outras empresas. Você se acostuma com o seu papel no negócio, aquilo que você faz, especificamente, e você para de contribuir, para de se oferecer e você para de ter novas idéias. Você se sente confortável fazendo o que você está fazendo e, dependendo da pessoa, alguns ficam felizes fazendo isso, e em seguida, outras pessoas ficam desgostosas. Eles ficam, tipo: "Isso é tudo que eu estou fazendo", e então elas começam a causar problemas, porque elas estão chateadas com as suas próprias insuficiências. Mas se eu refletir sobre o que as outras pessoas estão pensando é sempre uma zona perigosa, honestamente.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

BigMusicGeek.com: Como que as reações negativas de "Frequency Unknown" afetaram você? Você encontrou dificuldades para compreender a motivação por trás de toda essa negatividade? Você esperava por um grande número de detratores?

Geoff: Não. Não houve muitas reações negativas. Estou em uma ação judicial, por isso há uma guerra acontecendo. E o que você está vendo, é uma gerra na internet, sabe? Há todo um trabalho concentrado, entende? Há uma campanha difamatória acontecendo. E é isso que você está vendo. Você está vendo uma pequena quantidade de pessoas com múltiplas personalidades no Facebook e com contas na internet trocando idéias entre sí. É o entretenimento do século 21. É ótimo. Isso não me incomoda em nada. Sabe o que mais? Tivemos mais shows esgotados nesta turnê com este Queensryche de agora do que com aquele outro Queensryche comigo teve em dez anos. Sim, vai entender. É como (o baixista/vocalista do KISS) Gene Simmons disse. Qualquer publicidade é uma boa publicidade. Se você realmente olhar para isso, é tão simples, sabe? É apenas um lado tentando fazer o outro lado se dar mal. É tão simples. Além de dizer o que eles pensam em dizer para ganharem. Mas a piada é, não há nada em jogo. Esta disputa é uma disputa societária que tem regras ligadas e estabelecidas pelo Estado e pelo Governo Federal. Como você resolve uma disputa corporativa? Você tem que seguir as regras. É tão simples. E tudo se resume no final à uma troca que envolve dinheiro. Quem pode se dar ao luxo de pagar quem? Não tem nada a ver com arte e não tem nada a ver com música. Não tem nada a ver com qualquer coisa que não seja o dinheiro, realmente.

BigMusicGeek.com: Neste ponto, você sente algum sentimento negativo a respeito de seus ex-companheiros de banda, lançando suas novas músicas?

Geoff: Não. Honestamente, eu não sinto nada. Absolutamente nada. Faz parte da minha vida, sabe? Eu contribuí, contribuí e fiz a minha parte. E a minha dedicação foi para um grupo de pessoas que, no final, não gostaram e me odiaram por isso. E então, isso foi algo que faz parte da minha vida. Eu já tirei o espelho retrovisor e eu estou seguindo em frente. Eu nunca quis voltar para o passado, sabe? Eu gosto de seguir em frente e fazer coisas novas. Na verdade, já estou trabalhando em um novo álbum que espero que seja para o começo do ano.

Leia a entrevista completa (em inglês) no link abaixo:
http://www.bigmusicgeek.com/queensrycheinterview.html

Tradução retirada da fonte original desta matéria:
http://blabbermouth.net/news.aspx?mode=Article&newsitemID=19...




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção EntrevistasTodas as matérias sobre "Queensryche"


Heavy Metal: nove ótimas músicas suaves do gêneroHeavy Metal
Nove ótimas músicas suaves do gênero

Prog Metal: os 10 discos essenciais segundo o TeamRockProg Metal
Os 10 discos essenciais segundo o TeamRock


Nirvana: quem é o bebê da capa de Nevermind?Nirvana
Quem é o bebê da capa de Nevermind?

Hard Rock: As bandas do gênero que ficaram para trásHard Rock
As bandas do gênero que ficaram para trás


Sobre Samuel Coutinho

Nascido no interior de SP no dia 15/12/1986, em uma cidade chamada Ilha Solteira, Samuel Coutinho se entregou ao heavy metal logo na adolescência. Seu forte sempre foi o heavy metal melódico, variando desde o prog-metal até ao power-metal.

Mais matérias de Samuel Coutinho no Whiplash.Net.

Cli336x280 CliIL Cli336x280 CliInline