Dennis Stratton: entrevista com ex-guitarrista do Maiden

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Vicente Reckziegel, Fonte: Witheverytearadream
Enviar correções  |  Comentários  | 

Dennis Stratton é mais conhecido pelo seu grande trabalho no primeiro e clássico disco Iron Maiden. Apesar de ter feito parte de ótimas bandas como o Lionheart e Praying Mantis, foi em músicas como Running Free, Remember Tomorrow, Phantom of the Opera e Iron Maiden que ele eternizou seu nome na música mundial. Tive a oportunidade de entrevistá-lo, onde mostrou muita simpatia em atender um pedido do Brasil, onde ainda não teve oportunidade de tocar. Aqui ele fala sobre toda sua carreira, inclusive sobre sua saída do Iron Maiden. Por ser uma entrevista um pouco diferente, enviada por áudio, resolvi compilar somente alguns dos melhores momentos, deixando a entrevista completa para audição (em inglês, obviamente).

61 acessosTales Of The Iron Maiden: Animação de "Fear Of The Dark"5000 acessosGuitarristas: os maiores do Hard & Heavy segundo a revista Burnn


Antes que alguém reclame, não fiz uma transcrição precisa (falta tempo para isso), baseando-me mais no sentido geral das respostas do Stratton. É um relato bem interessante de um músico com mais de três década de atividade. Confiram....

Stratton: Uma das minhas melhores lembranças foi quando, em meados de 1976, a banda em que tocava, Remus Down Boulevard, assinou com a mesma companhia que empresariava o Status Quo e fizemos shows no Marquee, pela Europa, Escandinávia. Costumávamos tocar para duas, três mil pessoas, e no primeiro show como suporte do Status Quo, tocamos para cinquenta mil pessoas. Não consegui tocar até o final, pois minha mão tremia tanto. Uma grande lembrança para mim, pois foi um choque ter uma platéia tão grande.

Stratton: Claro, uma das maiores lembranças com o Iron Maiden foi o Reading Festival em 80. Foi brilhante.

Stratton: Tive muitos momentos ruins. Não consigo recordar um especifico, houve alguns pesadelos, shows ruins, mas escolher um é impossível. Houve tantos e provavelmente haverá mais no futuro (risos).

Stratton: Se eu imaginaria ainda estar na ativa hoje em dia? Na verdade, sim e não. Uma das melhores coisas nesse estilo de música são os fãs. A nova geração de fãs que continua de onde seus pais terminaram. Ainda estar envolvido com música após mais de trinta e cinco anos é simplesmente brilhante. Enquanto existirem os fãs, continuaremos a trabalhar, as bandas de Rock, de Heavy Metal, não há razão para parar.

Stratton: (com relação ao disco do Praying Mantis, The Journey Goes On). Foi uma pena, pois havia uma grande base de fãs da banda no Japão, mesmo com uma série de trocas de vocalistas durante 15 anos, mas houve problemas na época com a gravadora e a recessão no Japão. Na época do disco tínhamos dois vocalistas, já que não tínhamos um oficial no posto. E logo após o lançamento a gravadora lançou o the best do Praying Mantis.

Stratton: Já apareceu oportunidade de ir ao Brasil várias vezes, mas nunca se concretizou. Recebi emails daí, de promotores, mas nada realmente sólido, nenhum contrato.

Stratton: (Sobre a turnê com o primeiro vocalista do Judas Priest, Al Atkins) Al é ótimo, foi uma viagem estranha. Nunca havia conseguido ir para a América com o Praying Mantis, então resolvi ir por conta própria. Tocamos algumas músicas do Iron Maiden, alguns covers. Foi uma pena, pois após voltarmos para a Inglaterra Al me convidou para sua banda. O problema é que ainda estava trabalhando com o Praying Mantis. Uma pena, pois teria sido uma grande ideia.

Stratton: A saída do Iron Maiden é difícil de explicar. Basicamente o empresário da banda, Rod Smallwood, pensava que eu não estava na banda, não estava comprometido com ela. Eu estava, mas o que ele não entendia é que eu gostava de ouvir outros tipos de música, e ele não concordava com isso, dai vinham às discussões. Fiz o trabalho no Iron Maiden da melhor maneira possível, Steve estava feliz, mas você não pode controlar alguém por toda vida, tirar a liberdade de ouvir a música que gosta.

Stratton: Minha música favorita do álbum tem que ser Phantom of the Opera. Foi muito legal a gravação, as guitarras, parecidas com o Remus Down Boulevard, o Praying Mantis.

Stratton: Ainda mantenho contato com Clive (baterista) e com Steve. Ainda mantemos uma conexão, mais família do que apenas uma banda. Ele está nas Bahamas agora, nos falamos basicamente por telefone.

Stratton: Lionheart foi demais, tudo que sempre quis numa banda. Duas guitarras, três vocalistas brilhantes, as composições, as harmonias vocais e de guitarra, não havia um empresário dizendo que tipo de música você podia escutar. Foi um grande tempo. Uma pena que após voltarmos dos Eua concluída a gravação do álbum, havia possibilidades de grandes turnês, mas nada aconteceu. Esperamos para ver o que acontecia quando o álbum Hot Tonight saiu, mas não o promovemos, somente como apoio para o Def Leppard, Whitesnake... Foi uma pena...

Stratton: Como eu disse anteriormente, já fui convidado para ir ao Brasil, mas ainda não tive a oportunidade. Eu adoraria ir ao Brasil, fazer alguns shows, quem sabe aconteça, com um contrato onde saberemos que vamos tocar. Tenho vários fãs no Facebook do Brasil e América do Sul, acredite, eu adoraria tocar ai. Tudo que recebo no Facebook é ótimo, um povo muito agradável.

Áudio completo da entrevista :

youtube player
Inscreva-se no nosso canalWhiplash.Net no YouTube

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 26 de novembro de 2012

Iron MaidenIron Maiden
Blaze explica por que Andre Matos teria sido melhor

61 acessosTales Of The Iron Maiden: Animação de "Fear Of The Dark"2814 acessosIron Maiden: Book Of Souls Tour chega ao fim ainda sem "Hallowed..."670 acessosIron Maiden: Quadrinhos e action figures na Comic-Con de San Diego881 acessosDuplas de guitarristas: Loudwire elenca suas dez melhores1305 acessosBruce Dickinson: voando em um bombardeiro da II Guerra Mundial0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Iron Maiden"

Uma galáxia além do Iron MaidenUma galáxia além do Iron Maiden
As relações de Duna com o mundo musical

Iron MaidenIron Maiden
Doogie White fala sobre audição para a banda

Iron MaidenIron Maiden
Registro dos ataques da iguana a Murray no Brasil

0 acessosTodas as matérias da seção Entrevistas0 acessosTodas as matérias sobre "Dennis Stratton"0 acessosTodas as matérias sobre "Iron Maiden"

BurnnBurnn
Os maiores guitarristas Hard & Heavy da história

Lars UlrichLars Ulrich
O motivo pelo qual o Big Four tocou "Am I Evil"

PoisonPoison
Bret Michaels passa o cambão na mãe da Hannah Montana?

5000 acessosLed Zeppelin: as crianças da capa de "Houses Of The Holy"5000 acessosPaixão nacional: o futebol e os roqueiros britânicos5000 acessosMotorhead: perguntas dos fãs respondidas por Lemmy5000 acessosLegião Urbana: Bonfá toca bateria com telefone e passa vergonha na TV5000 acessosNa hora do sim: casal sobe ao altar tocando guitarra4593 acessosIron Maiden: "Run To The Hills" como você nunca ouviu antes

Sobre Vicente Reckziegel

Servidor público, escritor, mas principalmente um apaixonado pelo Rock e Metal há pelo menos duas décadas. Mantêm o Blog Witheverytearadream desde Dezembro de 2007. Natural e ainda morador de uma pequena cidade no interior do Rio Grande do Sul, chamada Estrela. Há muitos anos atrás tentou ser músico, mas notou que faltava algo simples: habilidade para tocar qualquer instrumento. Acredita na música feita no Brasil, e gosta de todos os gêneros, desde Rock clássico até Black Metal.

Mais matérias de Vicente Reckziegel no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online