Pythia: revelação do Power/Gothic Metal britânico

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Vicente Reckziegel, Fonte: Witheverytearadream
Enviar correções  |  Comentários  | 


O Gothic Metal com vocais femininos já passou por melhores momentos, tanto aqui como mundo afora, e hoje em dia somente os medalhões do gênero e algumas bandas que trazem algo diferenciado conseguem sobressair-se no cenário musical. Quem vem conseguindo seu espaço lentamente nesse estilo são os britânicos do Pythia, que lançou neste ano seu segundo disco, The Serpent's Curse". Conversei com a vocalista Emily Alice Ovenden sobre esse novo registro da banda e sobre o cenário musical em geral, onde ela demonstra pés no chão, mas confiante em conquistar o espaço desejado pelo Pythia.
5000 acessosMotorhead: Lemmy fala sobre ser solteiro para sempre5000 acessosEddie Van Halen: "Eruption foi um acidente"

Vicente - Conte-nos um pouco sobre os cinco anos de existência da banda Pythia.

Emily A. Ovenden
- Uma breve história nossa? Bem, surgimos em 2007 com o objetivo de reunir tudo o que nós amávamos no metal e lembrar ao mundo do quão grande o Heavy Metal britânico ainda pode ser. Todos nós tínhamos uma grande experiência de gravar e tocar ao vivo, então a banda se reuniu rapidamente e antes que prevíamos já estávamos tocando na frente de grandes multidões, apoiando shows como Tarja Turunen e Fields of the Nephilim. Continuamos em frente, gravamos dois álbuns, fizeram muitos shows mais, e espero ter deixado uma boa impressão nos fãs do metal, tanto no Reino Unido quanto no exterior.

Vicente - Mesmo com a existência relativamente curta, o Pythia vem construindo uma carreira sólida no metal. Quais são suas próximas metas?

Emily A. Ovenden - Embora eu ache que nós estabelecemos uma sólida base de fãs aqui no Reino Unido, ainda podemos construir mais e alcançar coisas maiores. Tocamos novamente no Bloodstock este ano, que é um dos maiores festivais de metal do país, e senti que nós realmente melhoramos, tanto em termos de nosso nível de desempenho e a resposta que obtivemos do público. Então, um dos nossos objetivos é continuar a crescer o nosso público interno.
Fora do Reino Unido, estamos realmente ansiosos para construir o nosso perfil e temos um acordo de distribuição na Europa dos nossos trabalhos, que parece realmente emocionante.

Mais adiante, tentaremos fazer com que a nossa música atinja a América do Sul, pois sabemos que a região é cheia de headbangers e nós adoraríamos ter a oportunidade de chegar e fazer alguns shows.

Ambos os nossos álbuns também foram lançados no Japão e parece que temos vendas constantes, então também adoraria trabalhar sobre isso e talvez chegar lá para uma turnê em algum momento.


Vicente - Vocês lançaram este ano "The Serpent's Curse". Como foi a gravação deste álbum?

Emily A. Ovenden - Foi um processo bastante lento, para ser honesta, mas muita coisa aconteceu em nossas vidas pessoais e por isso acho que, apesar do tempo que levou, estamos todos muito satisfeitos (e um pouco aliviados), quando finalmente foi concluído. Nós achamos que é melhor gravar assim que compomos a música, de modo a ter uma idéia de como as coisas vão soar antes de se comprometer com outra coisa. Então, realmente muitas das idéias principais e estruturas foram gravadas há algum tempo. Mas eu acredito que muitas bandas trabalham assim hoje em dia.

Vicente - E a reação dos fãs foi como você esperava?

Emily A. Ovenden - A reação foi ótima! Nós esperávamos que as pessoas respondessem à direção que levou a nossa música - mais rápida e mais intensa em todas as áreas e os fãs realmente entenderam de imediato. Mesmo nas primeiras apresentações ao vivo que fizemos após o lançamento do álbum, muitos dos fãs pareciam já conhecer as músicas novas e cantaram juntas todas as letras. Então, apesar de não saber o que nós estávamos esperando como uma reação, nós esperávamos que fosse positivo (obviamente) o que acabou por ser, e muito mais.

Vicente – The Circle foi lançada como um Single também. Como foi a composição dessa música?

Emily A. Ovenden - A canção foi escrita como todas as demais, como mencionei antes. Nós fizemos a estrutura, bateria e guitarra inicialmente, e depois eu escrevi as letras e melodias e brinquei com ela um pouco, até que funcionou. Eu não acho que nós necessariamente a escrevemos para ser um Single, na verdade, nunca fizemos nada pensando dessa forma. Nós acabamos de escrever o álbum e, em seguida, decidimos quais músicas funcionariam melhor como Single. Nós concordamos que Betray my Heart seria o primeiro Single, pois surgia como a música mais cativante e imediata, e isso influenciou na escolha de The Circle, uma vez que é uma música muito diferente, mas também muito cativante e memorável.

Vicente - Antes de "The Serpent's Curse", foi lançado o Single "Betray my Heart". Na verdade, ambas as músicas (Betray e Circle) se tornaram vídeos, que são um diferencial do Pythia, a incrível produção de seus vídeos. Conte-nos um pouco sobre ambos os vídeos.

Emily A. Ovenden - Nós realmente ficamos satisfeitos com a forma como ambos os vídeos saíram, apesar de serem dirigidos por pessoas diferentes e, com isso, saindo de formas bem distintas. Betray my Heart foi uma idéia bastante simples - apenas nós tocando em um local legal em preto e branco. Combinava com a letra e a música e era bastante simples e indolor para gravar. A magia foi adicionada posteriormente por Peppa, o diretor, que também fez o remix incrível da música que nós lançamos como um b-side.
The Circle foi mais um vídeo conceitual, com o visual sendo um pouco mais explícito do tema nas letras. Filmamos um pouco no local e o restante em um estúdio (bem, a garagem do Tim, na verdade!). E o brilhante Graham Trott filmou e o transformou em um produto pronto. É muitas vezes difícil de fazer um vídeo conceitual e não parecer meio bobo, mas este funcionou muito bem - muito mais do que poderia esperar!


Vicente - Qual é a maior diferença entre "The Serpent's Curse" para "Beneath the Veiled Embrace"?

Emily A. Ovenden - Como mencionei antes, eu acho que tudo em "The Serpent's Curse" é maior. As melodias e harmonias são maiores e mais épicas, as letras são mais instigantes e desafiadoras. Musicalmente, criamos movimentos mais rápidos do que antes e realmente abraçamos alguns detalhes de metal extremo que apareceram no primeiro álbum. Isso não é tirar os méritos de BTVE - nós ainda estamos muito orgulhosos daquele álbum – mas, como é inevitável, nós crescemos como pessoas e como grupo desde então e, assim "The Serpent's Curse" é mais polido como um todo.

Vicente - Neste álbum, você escreveu uma das mais conhecidas músicas da banda, "Sarah (Bury Her)". Quais são suas músicas favoritas deste disco?

Emily A. Ovenden - Isso muda todos os dias. Eu amo todas as nossas músicas e elas todas estão em mim. Estranhamente Sarah é provavelmente uma das que menos curto, mas é certamente uma música que o pessoal parece gostar muito.

Vicente - Como é a cena no Reino Unido para o Rock e Metal?

Emily A. Ovenden - Com a história do Reino Unido no metal há um certo orgulho em tudo o que o país produziu, mas, ao mesmo tempo, muitas vezes sente-se que o verdadeiro Heavy Metal desapareceu daqui e que são as bandas, principalmente européias e americanas, que as pessoas estão a seguir. Algo que está no cerne do que impulsiona o Pythia, é o desejo de trazer o Heavy Metal britânico de volta ao país e mostrar que podemos enfrentar, de igual para igual, os pesos pesados do metal de todo o mundo.

Sendo um país tão pequeno, pode ser difícil, principalmente fora de Londres, mas há muitos fãs lá fora, e eles vão sair e apoiar as bandas que tenham algo a oferecer.

Vicente - O que você sabe sobre o Rock e Metal no Brasil?

Emily A. Ovenden - Bem, todos nós já ouvimos falar do Rock In Rio claro, portanto, a impressão que temos é que o metal é muito grande ai e vocês demonstram uma recepção calorosa para bandas que chegam para apresentar-se em seu país. Eu não estou familiarizada com muitas bandas de metal brasileiras, além de Sepultura e Angra, de forma que precisamos ver mais bandas brasileiras que vêm para a Europa!

Vicente - Em poucas palavras, o que você pensa sobre essas bandas:

Sonata Arctica: Eu amo, em particular, o seu material anterior. Ele tem uma grande voz.
Within Temptation: Eu acho que Sharon tem uma voz muito bonita. Muito bom ver uma mãe de três filhos ainda detonando e parecendo incrível!
Stratovarius: Eu os vi ao vivo muito recentemente e achei o show musicalmente transcendental.
Lacuna Coil: Eu não me importo com o que os outros pensam, eu gostava de seu corte de cabelo!
Kate Bush: Uma das minhas favoritas de todos os tempos, uma artista verdadeiramente única.

Vicente - Por fim, deixe uma mensagem para todos os brasileiros que curtem ou queiram saber muito mais sobre o som do Pythia

Emily A. Ovenden
- Ei Brasil, nós gostaríamos de ir e tocar para todos vocês! Vamos fazer isso acontecer.

youtube player
Inscreva-se no nosso canalWhiplash.Net no YouTube
youtube player
Inscreva-se no nosso canalWhiplash.Net no YouTube

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Entrevistas0 acessosTodas as matérias sobre "Pythia"

MotorheadMotorhead
Lemmy Kilmister fala sobre ser solteiro para sempre

Van HalenVan Halen
Eddie explica os segredos do seu modo de tocar

Steve PerrySteve Perry
Cinco fatos curiosos sobre o ex-vocal do Journey

5000 acessosYngwie Malmsteen: primeira namorada fala sobre o guitarrista5000 acessosZakk Wylde: foto do arsenal de guitarras do músico5000 acessosGuitarristas: E se os mestres esquecessem como se toca?5000 acessosDream Theater: Myung não tinha planos de ser baixista4723 acessosTico Santa Cruz: "O rock ficou muito bem comportado"5000 acessosMarilyn Manson: pai surpreende o músico durante sessão de fotos

Sobre Vicente Reckziegel

Servidor público, escritor, mas principalmente um apaixonado pelo Rock e Metal há pelo menos duas décadas. Mantêm o Blog Witheverytearadream desde Dezembro de 2007. Natural e ainda morador de uma pequena cidade no interior do Rio Grande do Sul, chamada Estrela. Há muitos anos atrás tentou ser músico, mas notou que faltava algo simples: habilidade para tocar qualquer instrumento. Acredita na música feita no Brasil, e gosta de todos os gêneros, desde Rock clássico até Black Metal.

Mais matérias de Vicente Reckziegel no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online