Kiss: Tommy fala de influências e sobre o álbum "Monster"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Fábio Ruivo Brolo, Fonte: Hardnrocker
Enviar correções  |  Ver Acessos

Após uma década sem lançar um álbum de inéditas, o Kiss fez um retorno espetacular as prateleiras com o lançamento de Sonic Boom, um álbum sem frescuras, que lembrou os discos lançados na época de ouro da banda. O novo trabalho que esta por vir, "Monster", promete ser tão bom quanto o lançamento anterior e terá uma participação maior do guitarrista Tommy Thayer que co-escreveu dez músicas com Paul Stanley. Na entrevista a seguir, que Tommy concedeu ao site oficial do Kiss, o guitarrista fala sobre o novo álbum da banda e sobre suas principais influências musicais, confira

Alguns trechos da entrevista:

Como foi o processo de criação do novo álbum?

Na maioria das vezes, o processo de criação foi igual ao de Sonic Boom. Nós não seguimos uma agenda. Nós só queríamos escrever grandes canções de rock e criar um álbum coeso. Sonic Boom era mais ou menos como um divisor de águas, para ver como a banda soaria com essa nova formação. Claro, nós lançamos um grande disco, e obviamente descobrimos que poderíamos ser bons no estúdio. Já "Monter" leva essa coisa toda a um novo patamar, aumenta a oferta em termos musicais e de produção. Ele é semelhante, mas é novo e melhorado também.

Por que a banda ficou anos sem lançar um álbum antes de Sonic Boom?

Essa pergunta você deveria fazer para Paul ou Gene. Isso foi antes de eu entrar na banda. Mas a minha impressão é que eles não se sentiam confortável em tentar gravar um álbum de estúdio por causa do estado que a banda se encontrava na época. Eles não consideraram que aquilo seria saudável - ou que a banda pudesse produzir ou escrever um bom álbum de rock. Porém, a banda esta em um clima muito bom nos últimos oito ou dez anos. Há grande espírito de grupo e química agora, de repente, tornou-se óbvio - antes de fazer Sonic Boom - que a banda deveria fazer um álbum de estúdio.

Quais são suas influências principais na guitarra?

Minhas bandas favoritas quando eu estava aprendendo a tocar eram Foghat, Deep Purple, Black Sabbath, Kiss, Aerosmith, Montrose e esses tipos de bandas. Provavelmente meus guitarristas favoritos eram Ronnie Montrose, Jimmy Page e Peter Frampton. Eu ainda sou um grande fã de Frampton. Eu também adorava Pat Travers, Robin Trower ... toda a segunda geração de guitarristas de meados da década de 70.Eu aprendi a tocar principalmente escutando gravações, ouvindo discos e tentando identificar os acordes dos riffs. Eu provavelmente não consegui aprender muito bem no início. Mas, quando você é criança, você tem sempre a curiosidade de saber como algumas dessas coisas são feitas, e eventualmente, ai eu comecei a aprender alguns solos - claro, ouvindo e estudando esses álbuns.

Qual época para você tem os melhores riffs de guitarra?

O início e os meados dos anos 70 foram um grande momento. Mas, ao mesmo tempo, quando você tem 13 ou 14 anos de idade, você vive um período mágico de sua vida, é quando você pega o seu primeiro violão e começa a freqüentar shows e assim por diante. Os riffs que você está ouvindo nessa idade tendem a ficar na sua memória . Um grande álbum de rock que guardo até hoje é o primeiro álbum do Montrose. "Rock Candy", "Rock the Nation", "Bad Motor Scooter", "Space Station # 5" ... todas essas canções são grandes hinos do rock e contam com belos riffs. Um riff de guitarra bom vale ouro. Ser capaz de chegar a grandes riffs - e escrever esse tipo de coisa - não é tão fácil como as pessoas pensam.

Ser um guitarrista do KISS é diferente de ser um guitarrista de outras bandas de rock?

É um mundo totalmente diferente. Eu nunca poderia imaginar estar em uma banda comum novamente. Isso seria um grande passo para trás. Estar no Kiss é o máximo em desempenho de rock n roll e teatralidade. Eu estava pensando sobre isso durante uma apresentação que fizemos há algumas noites atrás. Nós estávamos no palco tocando "Rock and Roll All Nite" para encerrar o show. Gene e eu estávamos indo para cima nos elevadores - há cerca de 30 metros de altura - e confetes estava voando e bombas começaram a explodir. Então um sorriso grande veio no meu rosto. Eu estava pensando, "Que sorte que eu tenho de estar nessa banda e nesse palco agora, existe algo melhor que isso? Não existe nada melhor.


Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal


GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção EntrevistasTodas as matérias sobre "Kiss"


Metal Hammer: os maiores hits do rock eleitos em votaçãoMetal Hammer
Os maiores hits do rock eleitos em votação

MuchMoreMusic: programa canadense elege os 20 Pais do Heavy MetalMuchMoreMusic
Programa canadense elege os 20 Pais do Heavy Metal


Punk Rock: os 25 melhores discos segundo o site IGNPunk Rock
Os 25 melhores discos segundo o site IGN

Slipknot: pastor detecta mensagens subliminares nas capasSlipknot
"pastor" detecta mensagens subliminares nas capas


Sobre Fábio Ruivo Brolo

Fábio Ruivo Brolo, 21 anos, formado em tecnólogo em informática. Jundiaiense, Gunner desde os 13 anos de idade após assistir pela primeira vez o clipe de November Rain em um DVD que continha diversos clipes de rock. Além do Guns tem como bandas preferidas os grandes nomes do Heavy Metal e do Hard Rock. Tentando ainda em fase inicial se tornar um bom guitarrista um dia, porém enquanto não consegue se esforça para pelo menos contribuir com o mundo do rock com boas notícias e informações. Twitter @FBROLO.

Mais matérias de Fábio Ruivo Brolo no Whiplash.Net.

Cli336x280