Vivian Campbell: revisitando as músicas do DIO que compôs

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Nathália Plá, Fonte: blabbermouth.net, Tradução
Enviar correções  |  Ver Acessos

Peter Hodgson, do SeymourDuncan.com, entrevistou recentemente o ex-guitarrista do DIO, atualmente no DEF LEPPARD, Vivian Campbell. Seguem alguns trechos da conversa.

SeymourDuncan.com: Então o DEF LEPPARD está regravando mais material antigo. Por quê?

Vivian: É uma longa e complicada história a razão pela qual decidimos regravar, mas basicamente envolve nossa incapacidade de chegar a um acordo financeiro com nossa antiga gravadora relativamente a lançamentos digitais. Estamos continuando a regravar os maiores sucessos do catálogo da banda enquanto, francamente, não vemos nenhum sinal de que o selo chegará a um acordo aceitável conosco em breve e enquanto isso queremos que nossa música esteja disponível àqueles que queiram comprá-la em formato digital. Pessoalmente, acho que são versões bem impressionantes! Como agora vivemos em um mundo à la carte quando se trata de compra de música, estamos nos concentrando nas músicas mais populares em primeiro lugar. Não temos planos de regravar álbuns na íntegra nesse ponto.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

SeymourDuncan.com: Como é para você revisitar o material do DIO [com sua nova banda com membros originais do DIO, Vinny Appice (bateria), Jimmy Bain (baixo) e Claude Schnell (teclado) junto com o cantor Andy Freeman]? A plateia pareceu ir à loucura quando você tocou a "Rainbow In The Dark" com o STEEL PANTHER recentemente!

Vivian: Estou muito empolgado em revisitar as músicas do DIO novamente, bem como estão os outros caras da banda original. Havia muito tempo que não podia remeter-me a essa época da minha vida pois havia muitas más lembranças que vinham junto com todas ótimas músicas. Contudo, agora eu consigo focar no positivo novamente e sinto que é o momento de revistar as músicas que compus e a forma como eu tocava guitarra na época. Eles foram discos ótimos e nós fomos todos uma parte grande da criação deles.

SeymourDuncan.com: O que você acha do álbum "Slang" [DEF LEPPARD] nos dias hoje? Parece que ele se manteve muito bem e não envelheceu como muitos álbuns de bandas da época.

Vivian: Eu sempre tive sentimentos mistos sobre o "Slang", mesmo enquanto o estávamos gravando. Eu gosto, muito, da sonoridade dele, pois usamos bateria de verdade pela primeira vez em muitos anos e os sons da guitarra também são muito menos processados e mais diretos. Contudo, a questão que sempre tive com o disco foi que eu pessoalmente não acredito que tenhamos nos feito justiça em termos da composição - sinto que poderíamos tê-las apurado bem mais e que estávamos fazendo média demais às tendências da música de então. Para mim, o DEF LEPPARD sempre for a sinônimo de música bem trabalhada e grandes refrões e harmonias, e muito embora houvesse uma óbvia transição nos gostos musicais acontecendo na época, eu ainda sentia que podíamos ter permanecido mais fieis aos princípios que haviam moldado o sucesso da banda.

Leia a entrevista na íntegra no SeymourDuncan.com

http://www.seymourduncan.com/blog/artist-interview/talking-s...




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção EntrevistasTodas as matérias sobre "Dio"Todas as matérias sobre "Def Leppard"Todas as matérias sobre "Vivian Campbell"


Dio: as músicas de Heavy Metal/Rock favoritas do vocalistaDio
As músicas de Heavy Metal/Rock favoritas do vocalista

Heavy Metal: os dez vocalistas que cantam mais agudoHeavy Metal
Os dez vocalistas que cantam mais agudo


Iron Maiden: Tenho inveja dos fogos do Slipknot,diz BruceIron Maiden
"Tenho inveja dos fogos do Slipknot",diz Bruce

Excessos: como os rockstars gastam os seus milhõesExcessos
Como os rockstars gastam os seus milhões


Sobre Nathália Plá

Mineira de Belo Horizonte, nasceu e cresceu ouvindo Rock por causa de seu pai. O som de Pink Floyd e Yes marcou sua infância tanto quanto a boneca Barbie, mas de uma forma tão intensa que hoje escutar essas bandas lhe causa arrepios. Ao longo dos anos foi se adaptando às incisivas influências e acabou adquirindo gosto próprio, criando afinidade pelo Hard Rock e Heavy Metal. Louca e incondicionalmente apaixonada por Bon Jovi, não está nem aí pras críticas insistentes dirigidas à banda. Deixando a emoção de lado e dando ouvidos à técnica e qualidade musical, tem por melhores bandas, nessa ordem, BlackSabbath, Led Zeppelin, Deep Purple, Metallica e Dream Theater. De resto, é apenas mais uma apreciadora do bom e velho Rock'n'roll.

Mais matérias de Nathália Plá no Whiplash.Net.

Cli336x280 CliIL