Panndora: A força feminina no Heavy Metal

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Vicente Reckziegel, Fonte: Witheverytearadream
Enviar correções  |  Ver Acessos

Heavy Metal é sim para as mulheres, como comprova essa banda paranaense. Vivendo do mais Puro Heavy Metal, com influência de Running Wild. Judas Priest, Iron Maiden entre tantas outras, o Panndora é formada por Luana Bomb (guitarra), Taise Bijora (baixo), Renata Paschoa (vocal) e Adrismith (bateria), com quem fiz esta entrevista, onde falou de toda a carreira, e de outros aspectos musicais do nosso país.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Vicente: A banda lançou "Heretic's Box", seu primeiro full length, em Julho de 2011. Como está sendo a divulgação e repercussão do mesmo na mídia especializada?

Adrismith - O Cd "Heretic's Box" está sendo muito bem recebido pelos fãs e mídia/críticos especializados. Ficamos muito contentes com todo o trabalho, mas é claro, depois que passa tudo, você percebe alguns erros e melhoras que poderiam ter sido feitas no decorrer, mas acredito que isso acontece com todas as bandas. Com certeza nosso próximo álbum sairá mais maduro que o anterior. Várias pessoas do mundo todo, principalmente Alemanha, Suécia, França, Itália, Japão, etc, me escrevem à procura do material ou de conhecer melhor a banda. Fora no Brasil que a saída têm sido muito boa e a recepção também.

Vicente: Antes de "Heretic's Box", a banda já tinha lançado uma demo e o ótimo EP auto intitulado. Vocês consideram o novo disco uma evolução natural do estilo apresentado anteriormente? Como se desenrolou a gravação do mesmo?

Adrismith - Ah com certeza, e isso é natural! Uma banda precisa sempre andar para frente, mas sem perder as raízes! Precisávamos de um full length e a hora veio a calhar. Acho que já estava passando da hora de gravarmos um álbum oficial e o momento foi ideal. Na época a formação da banda estava sólida, então retratou bem o momento em que estávamos vivendo.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Vicente: A banda participou da seletiva no Paraná para o Wacken Open Air em 2009. Como se desenrolou essa participação, foi tudo como esperado por vocês?

Adrismith - Fomos convidadas à participar da seletiva e tiramos do próprio bolso para irmos tocar em Curitiba. Foi como esperávamos sim o resultado, pois pra mim essas seletivas sempre são "combinadas" anteriormente. Mas fazer o que néh! Tinha outras bandas ali que mereciam ganhar ali (não estou falando da Panndora inclusive) e não foi isso que aconteceu. Infelizmente esse mundo "business" tem suas controvérsias e tudo isso é muito triste, ainda mais se tratando de Metal.

Vicente: A Panndora já tem mais de 10 anos de estrada, tendo tocado em diversas cidades do Brasil. Como avaliam o cenário para as bandas nacionais nesse momento? Há mais espaço para divulgação e realização de shows, ou não houve nenhuma mudança substancial nesse sentido?

Adrismith - Hoje em dia não basta ter só talento ou se sua música é boa. Tem que ter grana! Esse é o ponto crucial, além de apoiadores com grana (risos). Influência é tudo hoje em dia (acho que sempre foi) ou estar na hora e local certos. Isso terá um papel fundamental no sucesso de sua banda! A Panndora já tem 12 anos de estrada e com certeza em relação aos shows e às condições da mesma, melhorou muito pra gente. Hoje em dia não tocamos em qualquer lugar, acredito que a banda já passou dessa fase de tocar em qualquer buraco pra divulgar. Temos um nome a zelar e garantir a qualidade de nosso som! Temos que estar atentas com quem vamos fechar os shows e as parcerias, para não cairmos em furadas!

Vicente: A banda fez shows em diferentes estados e regiões do Brasil, inclusive em Rio Branco no Acre. Como foi está experiência, principalmente por ser um estado que, pela distância, não se tem muita informação sobre a cena local e espaço para shows?

Adrismith - Tocar no Acre foi uma experiência maravilhosa! O público de lá é insano e a produção foi nota 100. O governo de lá apoia os eventos de Metal, totalmente diferente aqui no sul. Querem nos levar novamente para lá, pois a repercussão do show foi muito boa e não vemos a hora de tocarmos lá novamente. A cena de lá merece grande atenção pois não perde pra nenhuma outra região do Brasil, inclusive notei que a galera lá apoia bastante as bandas do cenário underground.

Vicente: Existe alguma música em especial que o público pede que toquem? Particularmente acho que "My Heretic Lips" e "Choose your Side" são perfeitas para serem executadas ao vivo.

Adrismith - O pessoal pede bastante "Choose Your Side", pois é considerada a "clássica" da banda, foi a primeira composição e tudo mais. É super gratificante ir tocar e a galera cantar junto com você as músicas.

Vicente: O Metal sempre foi uma cena essencialmente machista. Vocês acham que ainda continua dessa forma, ou nunca enfrentaram problemas com relação a isso?

Adrismith - Sim, o Metal sempre foi e sempre será machista, mas a diferença está na forma como você encara tudo isso e a maneira como se impõe. Obviamente o número de fãs masculinos são maiores que os femininos, mas isso não é barreira quando você lida com algo sério e tem uma proposta honesta! Já enfrentamos esse tipo de problema sim, mas nada tão grave a ponto de nos abalar.

Vicente: Após algumas mudanças de formação, a banda estabilizou-se como um quarteto. Vocês preferem esse formato, ou pensam em mais adiante adicionar uma segunda guitarra na banda?

Adrismith - Nossa ideia é continuar como um quarteto. A banda ficou boa parte sendo um quarteto também, de 2003 a 2007. Está sendo legal e estamos com uma formação legal. Facilita também para nosso transporte aos shows.

Vicente: Qual a visão de vocês sobre tudo que ocorreu no "Metal Open Air" em Abril?

Adrismith - Acho que o MOA quis dar o passo maior que a perna. Pensaram em trazer muitas bandas grandes ao mesmo tempo e se esqueceram se tinham estrutura para isso. Foi provado que não. Acredito que se tivessem sido mais "humildes" em relação ao cast, talvez não teria acontecido isso. O Wacken na Alemanha quando começou, foi pequeno e foi crescendo. Isso que ocorreu prejudicou a todos na verdade, principalmente os shows no Brasil. Ou seja, todos nós perdemos com isso!

Vicente: Quais seriam os melhores discos de todos os tempos para vocês?

Adrismith - Vários discos, mas vou citar alguns: "Judas Priest" - "British Steel" e "Painkiller", "Aerosmith" - "Rocks", "Running Wild" - todos, "Saxon" - "Crusader", "Iron Maiden" - todos, "Stormwitch" - "Walpurges Night", "Manowar" - "Kings of Metal", Bom, poderia ficar o dia todo aqui falando sobre isso (risos), mas vou me limitar a esses apenas.

Vicente: Uma mensagem para os fãs e amigos que curtem a Panndora e apostam no Metal Nacional.

Adrismith - Gostaria de agradecer ao fanzine e à você Vicente pela oportunidade e agradecer à todas as pessoas que têm nos apoiado!




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção EntrevistasTodas as matérias sobre "Panndora"


Blog Sutil Como Uma Granada: Musas do rock/metal nacionalBlog Sutil Como Uma Granada
Musas do rock/metal nacional


O tempo não para: fotos do antes e depois de alguns rockstarsO tempo não para
Fotos do antes e depois de alguns rockstars

Ortografia: como deveriam realmente se chamar as bandas?Ortografia
Como deveriam realmente se chamar as bandas?


Sobre Vicente Reckziegel

Servidor público, escritor, mas principalmente um apaixonado pelo Rock e Metal há pelo menos duas décadas. Mantêm o Blog Witheverytearadream desde Dezembro de 2007. Natural e ainda morador de uma pequena cidade no interior do Rio Grande do Sul, chamada Estrela. Há muitos anos atrás tentou ser músico, mas notou que faltava algo simples: habilidade para tocar qualquer instrumento. Acredita na música feita no Brasil, e gosta de todos os gêneros, desde Rock clássico até Black Metal.

Mais matérias de Vicente Reckziegel no Whiplash.Net.

Goo336x280 GooAdapHor Goo336x280