Matérias Mais Lidas

imagemBruno Valverde diz que preconceito contra ele veio mais da igreja do que dos metaleiros

imagemDez ótimas músicas do Iron Maiden escritas pelo agitado guitarrista Janick Gers

imagemRegis Tadeu se garante e não retira uma palavra do que disse sobre Di'Anno e Iron Maiden

imagem"A ingenuidade do fã do Iron Maiden é um negócio que beira o patético", diz Regis Tadeu

imagemPaul Di'Anno detona Regis Tadeu após vídeo em que critica seu encontro com Iron Maiden

imagemA inesperada música do Whitesnake que serviu de inspiração para "Carry On" (Angra)

imagemGeezer Butler, Heavy Metal e a clássica canção do Black Sabbath inspirada por Jesus

imagemA dura crítica de Angus Young a Led Zeppelin, Jeff Beck e Rolling Stones em 1977

imagemQuando Chorão, do Charlie Brown Jr, quase levou porrada do Rick Bonadio

imagemJohn Bonham, Keith Moon ou Charlie Watts, quem era o melhor segundo Ginger Baker?

imagemAC/DC: Angus Young recorda como fazia para ouvir rock em seus tempos de garoto

imagemA apaixonada opinião de Elton John sobre "Nothing Else Matters", clássico do Metallica

imagemA opinião de Herbert Vianna sobre a crítica musical e sua imagem de "bom moço"

imagemA "traumática" e "desagradável" experiência de ser preso, segundo Arnaldo Antunes

imagemA estratégia usada por Mille Petrozza, do Kreator, para "reaprender" músicas antigas


Overkill: nosso nome é sinônimo de energia

Por F. C.
Fonte: Blabbermouth.net
Em 02/04/12

Em 24 de fevereiro, a Radio Metal conduziu uma entrevista com o vocalista Bobby "Blitz" Ellsworth dos veteranos da banda de thrash metal OVERKILL. Alguns trechos da conversa seguem abaixo.

Radio Metal: Uma vez que "The Eletric Age" foi o primeiro álbum gravado após o aniversário de 25 anos da banda, vocês estavam em um estado especial de mente ao escrevê-lo?

Bobby: Eu não penso assim, quero dizer, é algo como o habitual. Temos um processo, obviamente apreciamos, não tentamos nos forçar. Eu acho que esta é realmente a chave para o sucesso. Existe algo agora que temos com a banda que é uma química muito positiva. Eu acho que muito disso se deve ao nosso baterista, Ron Lipnicki. Ele foi o último membro a se juntar à banda, mas ele está aqui há sete anos e ele trouxe o nível de energia para um nível superior. Ele é o cara novo e ele traz uma energia muito mais elevada. Todo mundo tem que coincidir com a energia ou caso contrário, você é deixado para trás. E eu acho que é onde estamos começando o nosso sucesso, a partir disto.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Nos pressionar seria errado, nosso baixista D.D. Verni e eu estávamos sentados juntos tomando um café e eu disse: "O que você acha sobre o novo disco e acho que ele tomou um gole e disse: "Nós não vamos reinventar a mesma coisa, vamos? "Bem, eu não penso assim! (risos). Então é um processo muito simples para nós. Obter o trabalho feito, não repetir a si mesmo, manter o alto nível de energia.

Radio Metal: O novo álbum é chamado "The Eletric Age". É este um caminho para definir o estado atual do mundo?

Bobby: Não, não necessariamente. Esta é uma forma muito simples de olhar para um período de tempo. Quero dizer, nós falamos sobre os 25 anos da banda no início da entrevista, e eu acho que quando você começar a falar sobre um período de tempo, você está obviamente falando sobre uma época. Isto não é necessariamente sobre instrumentos elétricos, mas muito mais sobre a eletricidade. OVERKILL é sinônimo de energia.

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

Eu acho que a eletricidade é um sinônimo de energia. Eu acho que a eletricidade é o que temos sido capazes de gerar entre a banda e público e o que realmente conta. Eu acho que ela é realmente uma chave do nosso sucesso: Sabemos quando um local que vamos tocar é elétrico, quando um registro é elétrico, nós sabemos quando a energia está em um alto nível, e nós exploramos isto! E é por isso que eu acho que uma banda como a nossa ainda está por aí por um período de mais de 25 anos. Sabemos quando a energia está lá, e tiramos proveito disto.

Radio Metal: Considerando que "Ironbound" teve algumas passagens épicas e progressivas, este novo álbum parece mais direto ao ponto. Este álbum foi escrito em reação ao anterior?

Bobby: Bem, não é realmente uma reação, pois acho que o registro foi muito bem aceito. No caso de "Ironbound", ele me levou um ano para descobrir sobre o que esse registro se tratava. Você não pode ser objetivo sobre um trabalho quando ele é novo. Demora um tempo para mim mesmo sentir o que nós criamos. Eu estava animado em torno dele. Eu acho que ele mostrou muitos dos elementos diferentes do que OVERKILL trata.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Mas eu acho que o elemento mais importante é a energia novamente. Eu acho que é uma energia agressiva, e eu não quero dizer em uma perspectiva negativa - energia agressiva pode ser muito positiva - ao passo que "The Eletric Age" tem uma vibe muito positiva. Esquecemos as nossas representações mais agressivas, bem como registros que tiveram esse sentimento no passado, mas com uma apresentação muito mais contemporânea.

Então eu acho que está enraizada no que fizemos, mas apresentado com relação ao que somos. Claro, há muitas diferenças notáveis entre eles, mas uma canção como "Eletric Rattlesnake" contém praticamente todos os elementos que "Ironbound" continha, é rápida, alterna em velocidade, em seguida, ela se decompõe e depois disso, se torna mais lenta, mais progressiva, vocais surreais, grandes partes de guitarra... Mas eu concordo com você que em geral "The Eletric Age" é uma abordagem mais direta do que "Ironbound", foi.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Leia a entrevista complete (em inglês) no link abaixo:

http://www.radiometal.com/en/article/overkill%E2%80%99s-positive-aggressiveness,62246


Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp


2000 a 2002: 10 shows/turnês pouco comentados


Axl Rose: "ele é um fracassado", diz mulher de Slash