Overkill: nosso nome é sinônimo de energia

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por F. C., Fonte: Blabbermouth.net, Tradução
Enviar correções  |  Ver Acessos


Em 24 de fevereiro, a Radio Metal conduziu uma entrevista com o vocalista Bobby "Blitz" Ellsworth dos veteranos da banda de thrash metal OVERKILL. Alguns trechos da conversa seguem abaixo.

Heavy Metal: os dez melhores álbuns lançados em 1991Contra-baixo: as melhores introduções do Heavy Metal

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Radio Metal: Uma vez que "The Eletric Age" foi o primeiro álbum gravado após o aniversário de 25 anos da banda, vocês estavam em um estado especial de mente ao escrevê-lo?

Bobby: Eu não penso assim, quero dizer, é algo como o habitual. Temos um processo, obviamente apreciamos, não tentamos nos forçar. Eu acho que esta é realmente a chave para o sucesso. Existe algo agora que temos com a banda que é uma química muito positiva. Eu acho que muito disso se deve ao nosso baterista, Ron Lipnicki. Ele foi o último membro a se juntar à banda, mas ele está aqui há sete anos e ele trouxe o nível de energia para um nível superior. Ele é o cara novo e ele traz uma energia muito mais elevada. Todo mundo tem que coincidir com a energia ou caso contrário, você é deixado para trás. E eu acho que é onde estamos começando o nosso sucesso, a partir disto.

Nos pressionar seria errado, nosso baixista D.D. Verni e eu estávamos sentados juntos tomando um café e eu disse: "O que você acha sobre o novo disco e acho que ele tomou um gole e disse: "Nós não vamos reinventar a mesma coisa, vamos? "Bem, eu não penso assim! (risos). Então é um processo muito simples para nós. Obter o trabalho feito, não repetir a si mesmo, manter o alto nível de energia.

Radio Metal: O novo álbum é chamado "The Eletric Age". É este um caminho para definir o estado atual do mundo?

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Bobby: Não, não necessariamente. Esta é uma forma muito simples de olhar para um período de tempo. Quero dizer, nós falamos sobre os 25 anos da banda no início da entrevista, e eu acho que quando você começar a falar sobre um período de tempo, você está obviamente falando sobre uma época. Isto não é necessariamente sobre instrumentos elétricos, mas muito mais sobre a eletricidade. OVERKILL é sinônimo de energia.

Eu acho que a eletricidade é um sinônimo de energia. Eu acho que a eletricidade é o que temos sido capazes de gerar entre a banda e público e o que realmente conta. Eu acho que ela é realmente uma chave do nosso sucesso: Sabemos quando um local que vamos tocar é elétrico, quando um registro é elétrico, nós sabemos quando a energia está em um alto nível, e nós exploramos isto! E é por isso que eu acho que uma banda como a nossa ainda está por aí por um período de mais de 25 anos. Sabemos quando a energia está lá, e tiramos proveito disto.

Radio Metal: Considerando que "Ironbound" teve algumas passagens épicas e progressivas, este novo álbum parece mais direto ao ponto. Este álbum foi escrito em reação ao anterior?

Bobby: Bem, não é realmente uma reação, pois acho que o registro foi muito bem aceito. No caso de "Ironbound", ele me levou um ano para descobrir sobre o que esse registro se tratava. Você não pode ser objetivo sobre um trabalho quando ele é novo. Demora um tempo para mim mesmo sentir o que nós criamos. Eu estava animado em torno dele. Eu acho que ele mostrou muitos dos elementos diferentes do que OVERKILL trata.

Mas eu acho que o elemento mais importante é a energia novamente. Eu acho que é uma energia agressiva, e eu não quero dizer em uma perspectiva negativa - energia agressiva pode ser muito positiva - ao passo que "The Eletric Age" tem uma vibe muito positiva. Esquecemos as nossas representações mais agressivas, bem como registros que tiveram esse sentimento no passado, mas com uma apresentação muito mais contemporânea.

Então eu acho que está enraizada no que fizemos, mas apresentado com relação ao que somos. Claro, há muitas diferenças notáveis entre eles, mas uma canção como "Eletric Rattlesnake" contém praticamente todos os elementos que "Ironbound" continha, é rápida, alterna em velocidade, em seguida, ela se decompõe e depois disso, se torna mais lenta, mais progressiva, vocais surreais, grandes partes de guitarra... Mas eu concordo com você que em geral "The Eletric Age" é uma abordagem mais direta do que "Ironbound", foi.

Leia a entrevista complete (em inglês) no link abaixo:

http://www.radiometal.com/en/article/overkill%E2%80%99s-posi...




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção EntrevistasTodas as matérias sobre "Overkill"


Metal Hammer: As 22 melhores músicas old-school do Thrash MetalMetal Hammer
As 22 melhores músicas old-school do Thrash Metal

Overkill: mandando recado ao Avenged SevenfoldOverkill
Mandando recado ao Avenged Sevenfold


Heavy Metal: os dez melhores álbuns lançados em 1991Heavy Metal
Os dez melhores álbuns lançados em 1991

Contra-baixo: as melhores introduções do Heavy MetalContra-baixo
As melhores introduções do Heavy Metal


Sobre F. C.

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, enviando sua descrição e link de uma foto.

Cli336x280 CliIL Cli336x280 CliInline