Destruction: vocalista comenta álbum novo em exclusiva

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Fernanda Lira
Enviar correções  |  Comentários  | 

O grande ícone alemão do thrash metal, Destruction, lançou esse ano seu mais recente disco, intitulado "Day of Reckoning". Confira o que o vocalista e baixista Schmier nos contou sobre a produção do novo álbum em um bate papo por telefone.

5000 acessosPara tocar: O que são tablaturas e como usá-las?5000 acessosSlipknot: banda trolla repórter da Multishow antes de show no RIR

WH: O último álbum do Destruction, “Day of Reckoning”, foi gravado e produzido por vocês mesmos, certo?

Schmier: Isso mesmo! O produzimos em um pequeno estúdio na Alemanha. Preferimos essa opção pois estávamos trabalhando sob certa pressão da gravadora, por causa da saída do antigo baterista, Marc Reign. Nós queríamos e teríamos que apresentar um novo álbum de qualidade, então decidimos gravar em um estúdio onde não tivéssemos muita preocupação com o tempo que gastaríamos. Levamos o tempo necessário e o resultado foi ótimas gravações. Senti que nesse álbum a química da banda está de volta!

WH: Sabemos que antigamente você e o guitarrista Mike tiveram diversos atritos, e, a julgar pelo que se ouve no álbum, hoje em dia vocês se encontram em bastante harmonia, principalmente pelo fato de terem trabalhado sozinhos em todas as composições neste disco, já que estavam sem baterista.

Schmier: Sem dúvida hoje em dia tem uma sensação boa no ar. Respeitamos muito um ao outro agora. Aprendemos a respeitar as diferenças, pois entendemos que as pessoas tem maneiras diferentes de lidar com pressão e outros aspectos. Mas foi muito legal essa experiência de compormos juntos, tudo flui muito naturalmente, e o resultado final nos deixou muito felizes.

WH: E como foi a busca por um novo baterista?

Schmier: Foi trabalhoso, porque surgiram muitos nomes grandes e ótimos profissionais, e tínhamos que escolher um cara depressa. Aliás, um brasileiro foi finalista junto ao Vaaver, mas acabamos ficando com este último, principalmente por ser alguém que mora na Europa, o que facilita para nós. Procurávamos por um cara que mantivesse o alto nível musical do Destruction e que tivesse todas as habilidades que estávamos buscando: habilidade em fazer turnê, em beber e em farrear! (risos) Mas, falando sério agora, ele se encaixou perfeitamente na banda, pois é muito habilidoso e técnico. Ele já estudou percussão no Canadá e até já fez parte de uma orquestra sinfônica. Sem dúvidas posso afirmar que o Destruction está melhor agora com ele.

WH: Em “Day of Reckoning” há a participação do guitarrista Ol´ Drake, do Evile. Como surgiu a idéia de convidá-lo?

Schmier: Se tivéssemos que acrescentar mais um guitarrista à banda, ele seria o cara! Além de ele ter uma banda excelente, já passamos ótimo momentos com ele. Ele é muito habilidoso na guitarra também. E o melhor é que ele tem o espírito, ele realmente curte ser um headbanger.

WH: Vocês recentemente voltaram a trabalhar com a gravadora Nuclear Blast. Quais as motivações para a troca de selo?

Schmier: Já estávamos há um bom tempo na AFM e enquanto estávamos por lá, boas propostas aconteceram. A Nuclear Blast é uma das melhores no ramo, então nos sentimos em casa novamente. Como eles estavam interessados e nós já conhecíamos seu trabalho, não pensamos duas vezes. Uma das coisas boas dessa gravadora é a maneira como eles trabalham a distribuição dos discos. Para nós é muito importante que o álbum chegue a outros países e continentes, porque queremos tocar em todos os lugares possíveis. Com a AFM, isso não acontecia: os álbum simplesmente não chegavam às lojas. E na Nuclear há as melhores pessoas, porque são todos headbangers trabalhando junto e por você.

WH: Qual música do novo disco melhor define o momento em que o Destruction está?

Schmier: Muito difícil de dizer, pois tudo está bem legal. As letras contêm bastante críticas, os riffs estão puramente thrash metal e aquelas marcas registradas nas linhas vocais também estão lá! The Price é uma das minhas favoritas, mas acho que as quatro primeiras são as melhores faixas!

WH: Finalizando, gostaria que você comentasse um pouco sobre a capa do disco.

Schmier: Nós não queríamos ser muito previsíveis colocando novamente o nosso “butcher” na capa e, já que pudemos disponibilizar três capas distintas, decidimos aproveitar da melhor maneira essa grande chance de fazer algo diferente. Focamos muito nas cores e naquele olho do demônio, queríamos que fosse impactante. Queríamos uma capa detalhada, e quem gosta e se apega a detalhes, deve ter gostado bastante da versão em vinil. Ficamos muito felizes com a arte da capa!

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 08 de novembro de 2011

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Destruction"

Thrash MetalThrash Metal
Uma Breve Retrospectiva do Gênero

Kai HansenKai Hansen
Escolhendo as dez maiores bandas de metal da Alemanha

MetalMetal
Você acredita na "lenda do terceiro álbum"? - Parte 1

0 acessosTodas as matérias da seção Entrevistas0 acessosTodas as matérias sobre "Destruction"

Para tocarPara tocar
O que são tablaturas e como usá-las?

SlipknotSlipknot
Banda trolla repórter da Multishow antes de show no RIR

Axl RoseAxl Rose
Sugerindo prática oral sexual a Paul Stanley

5000 acessosSlipknot: veja a evolução das máscaras de cada integrante da estreia aos dias atuais5000 acessosMustaine: "Aos 15 entrei na magia e conheci o lado negro!"5000 acessosPower Metal: os dez álbuns essenciais do gênero5000 acessosHelloween: Roland Grapow contraria Kiske e diz que não foi convidado para reunião5000 acessosPrincesa Leia: rockers comentam morte de Carrie Fisher4844 acessosChris Cornell: "a melhor voz do rock", diz Alice Cooper

Sobre Fernanda Lira

Sem descrição cadastrada.

Mais matérias de Fernanda Lira no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online