Coverdale: "3 primeiros do Hendrix foram meu Sgt.Peppers"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Nathália Plá, Fonte: Blabbermouth.net, Tradução
Enviar correções  |  Comentários  | 

Morley Seaver do antiMusic entrevistou recentemente Dave Coverdale, do WHITESNAKE. Seguem trechos da conversa.

1272 acessosCharlie Brown Jr: ouça Chorão & Cia tocando Jimi Hendrix5000 acessosDanilo Gentili: O sertanejo tem mais atitude roqueira que o próprio roqueiro

antiMusic: Tenho algumas músicas favoritas do novo álbum do WHITESNAKE, "Forevermore", mas uma que se destaca seria a "Fare Thee Well". Tem um quê de Rod Stewart/FACES nela. David, essa é uma bela música.

David: Bem, THE FACES foi uma grande influência também. As bandas que, tirando aquela coisa de rock do PURPLE que teve... eu adorava a diversão que o THE FACES trouxe aos shows. Eu estava em uma banda realmente séria com o DEEP PURPLE. Quero dizer, nós tínhamos grande senso de humor mas isso não se traduzia à performance. Mas o WHITESNAKE tem esse elemento divertido, e sim, THE FACES definitivamente é parte do esboço como foi a ALLMAN BROTHERS BAND, se você olhar no seu início. Isso foi intensamente influente. A banda de Jeff Beck com "Truth" e "Beckola". Eles foram fonte de inspiração e influência à estrutura do WHITESNAKE.

antiMusic: Caso alguém tenha se esquecido, o WHITESNAKE, e mais importante, você, tem uma longa relação com o blues. A "Steal Your Heart Away" lembra os fãs desse fato, bem na cara, apesar de ser um blues meio chutado.

David: Bem, você pode se admirar, Morley, com sua familiaridade com meu trabalho. Mas com o "Good to Be Bad" e mais ainda com o novo disco... você pode pegar algumas dessas músicas e imaginar a "Steal Your Heart Away" na "Trouble" ou "Lovehunter". "Dogs in the Street" na "Slip of the Tongue". "I Need You (Shine a Light)" na "Slide It In". E isso sem o menor esforço. É por isso que acho que meu público mais hardcore está tão contente com o "Good To Be Bad" e com o "Forevermore". Porque abrange todos aqueles elementos que os trouxeram ao WHITESNAKE em primeiro lugar. Então o bônus é, para nós compositores e músicos, que essas são músicas que nós realmente queremos tocar. Isso não é tentar puxar o saco de alguém e pedir "goste de mim". Isso é coisa de que gostamos e soltamos e, se Deus quiser, outros irão acolher.

antiMusic: Tenho de te perguntar algo sobre o PURPLE. Você saiu do status de banda de segunda categoria à elite duma vez. Todo mundo sabe da sua primeira apresentação com o PURPLE, mas voltando um pouco, o quão intimidante foi a princípio apresentar suas músicas ao Ritchie Blackmore?

David: Bem, eu tenho de tirar meu chapéu e saudar os músicos locais com quem trabalhei numa banda chamada RIVER'S INVITATION e THE FABULOSA BROTHERS, particularmente um cara chamado Alan Fearnley. Ele me ouviu fazendo hora com uma guitarra acústica um dia num ensaio enquanto estávamos nos preparando e disse, "O que é isso?" e eu só disse que era uma idéia na qual estava trabalhando. E eles me encorajaram ativamente. Grandes músicos. E nós na realidade fizemos três músicas no Whitesnake.com para o Natal com a permissão dos caras. Mas esses caras me encorajaram a apresentar minhas músicas dessa forma. Então quando eu fiz o teste pro PURPLE e me encontrei com o produtor depois e me perguntaram, "Você compõe?" Eu pude com confiança... bem, relativamente com confiança, dizer "Sim". Então quando eu e o Ritchie estivemos juntos, sim, é claro que foi intimidante. Mas simplesmente se desdobrou bem naturalmente. Eu tenho um dom, eu acho e é que eu componho naturalmente. Mas não é algo que eu faço para melhorar minha renda e meu nível de vida. É simplesmente algo que eu faço como expressionista. É simplesmente como eu expresso muitos dos meus sentimentos. Mesmo a parte divertida.

Como você sabe, o blues é uma enorme inspiração para mim, mas não são só músicas para cortar os punhos. Quero dizer, você ouve o Muddy Waters cantando sobre gatos vesgos e tal. Esses caras celebravam a vida quando tinham a oportunidade. Eles se recusavam a aceitar que tinha de ser pra baixo o tempo todo. O blues é outro termo de uma expressão pessoal para mim. E ainda me firmo nisso.

Veja o Hendrix, aqueles elementos que o Hendrix introduziu de sua maneira incrivelmente extra-terrena foram incrívelmente influentes para mim. Ele se firmava no soul, rock, grandes riffs, grandes melodias... seus três primeiros discos foram equivalentes ao "Sgt. Pepper" para mim.

Leia a entrevista na íntegra no antiMusic.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Charlie Brown JrCharlie Brown Jr
Ouça Chorão & Cia tocando Jimi Hendrix

171 acessosJimi Hendrix: O Som da Guitarra no Are You Experienced Pt.4257 acessosJimi Hendrix: parque em sua homenagem em Seattle abre este sábado130 acessosJimi Hendrix: O Som da Guitarra no "Are You Experienced" Pt.30 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Jimi Hendrix"

SlashSlash
Guitarrista fala sobre influência de Jimi Hendrix

Jimi HendrixJimi Hendrix
Segundo Carmine Appice, ele não gostava do Led

Dave LombardoDave Lombardo
Dez álbuns que marcaram a vida do baterista

0 acessosTodas as matérias da seção Entrevistas0 acessosTodas as matérias sobre "Whitesnake"0 acessosTodas as matérias sobre "Faces"0 acessosTodas as matérias sobre "Jimi Hendrix"

Danilo GentiliDanilo Gentili
O sertanejo tem mais atitude roqueira que o próprio roqueiro

Power MetalPower Metal
Conheça dez álbuns essenciais do estilo segundo About.com

AC/DCAC/DC
Isso sim é uma bela estrada para o inferno

5000 acessosFotos de Infância: Red Hot Chili Peppers5000 acessosKurt Cobain e Layne Staley: a coincidência de suas mortes5000 acessosCarlos Eduardo Miranda: "Um monte de roqueirinho que só quer ser da Globo"5000 acessosTarja Turunen: entrevista da cantora na revista Playboy5000 acessosJoão Gordo: "Quem come carne diz que vegetarianismo é coisa de viado"5000 acessosGary Moore: excesso de álcool no sangue matou músico

Sobre Nathália Plá

Mineira de Belo Horizonte, nasceu e cresceu ouvindo Rock por causa de seu pai. O som de Pink Floyd e Yes marcou sua infância tanto quanto a boneca Barbie, mas de uma forma tão intensa que hoje escutar essas bandas lhe causa arrepios. Ao longo dos anos foi se adaptando às incisivas influências e acabou adquirindo gosto próprio, criando afinidade pelo Hard Rock e Heavy Metal. Louca e incondicionalmente apaixonada por Bon Jovi, não está nem aí pras críticas insistentes dirigidas à banda. Deixando a emoção de lado e dando ouvidos à técnica e qualidade musical, tem por melhores bandas, nessa ordem, BlackSabbath, Led Zeppelin, Deep Purple, Metallica e Dream Theater. De resto, é apenas mais uma apreciadora do bom e velho Rock'n'roll.

Mais matérias de Nathália Plá no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online