Coverdale: "3 primeiros do Hendrix foram meu Sgt.Peppers"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Nathália Plá, Fonte: Blabbermouth.net, Tradução
Enviar correções  |  Ver Acessos

Morley Seaver do antiMusic entrevistou recentemente Dave Coverdale, do WHITESNAKE. Seguem trechos da conversa.

Rolling Stone: as melhores músicas com mais de sete minutosMetallica: Jason explica o baixo apagado de And Justice For All

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

antiMusic: Tenho algumas músicas favoritas do novo álbum do WHITESNAKE, "Forevermore", mas uma que se destaca seria a "Fare Thee Well". Tem um quê de Rod Stewart/FACES nela. David, essa é uma bela música.

David: Bem, THE FACES foi uma grande influência também. As bandas que, tirando aquela coisa de rock do PURPLE que teve... eu adorava a diversão que o THE FACES trouxe aos shows. Eu estava em uma banda realmente séria com o DEEP PURPLE. Quero dizer, nós tínhamos grande senso de humor mas isso não se traduzia à performance. Mas o WHITESNAKE tem esse elemento divertido, e sim, THE FACES definitivamente é parte do esboço como foi a ALLMAN BROTHERS BAND, se você olhar no seu início. Isso foi intensamente influente. A banda de Jeff Beck com "Truth" e "Beckola". Eles foram fonte de inspiração e influência à estrutura do WHITESNAKE.

antiMusic: Caso alguém tenha se esquecido, o WHITESNAKE, e mais importante, você, tem uma longa relação com o blues. A "Steal Your Heart Away" lembra os fãs desse fato, bem na cara, apesar de ser um blues meio chutado.

David: Bem, você pode se admirar, Morley, com sua familiaridade com meu trabalho. Mas com o "Good to Be Bad" e mais ainda com o novo disco... você pode pegar algumas dessas músicas e imaginar a "Steal Your Heart Away" na "Trouble" ou "Lovehunter". "Dogs in the Street" na "Slip of the Tongue". "I Need You (Shine a Light)" na "Slide It In". E isso sem o menor esforço. É por isso que acho que meu público mais hardcore está tão contente com o "Good To Be Bad" e com o "Forevermore". Porque abrange todos aqueles elementos que os trouxeram ao WHITESNAKE em primeiro lugar. Então o bônus é, para nós compositores e músicos, que essas são músicas que nós realmente queremos tocar. Isso não é tentar puxar o saco de alguém e pedir "goste de mim". Isso é coisa de que gostamos e soltamos e, se Deus quiser, outros irão acolher.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

antiMusic: Tenho de te perguntar algo sobre o PURPLE. Você saiu do status de banda de segunda categoria à elite duma vez. Todo mundo sabe da sua primeira apresentação com o PURPLE, mas voltando um pouco, o quão intimidante foi a princípio apresentar suas músicas ao Ritchie Blackmore?

David: Bem, eu tenho de tirar meu chapéu e saudar os músicos locais com quem trabalhei numa banda chamada RIVER'S INVITATION e THE FABULOSA BROTHERS, particularmente um cara chamado Alan Fearnley. Ele me ouviu fazendo hora com uma guitarra acústica um dia num ensaio enquanto estávamos nos preparando e disse, "O que é isso?" e eu só disse que era uma idéia na qual estava trabalhando. E eles me encorajaram ativamente. Grandes músicos. E nós na realidade fizemos três músicas no Whitesnake.com para o Natal com a permissão dos caras. Mas esses caras me encorajaram a apresentar minhas músicas dessa forma. Então quando eu fiz o teste pro PURPLE e me encontrei com o produtor depois e me perguntaram, "Você compõe?" Eu pude com confiança... bem, relativamente com confiança, dizer "Sim". Então quando eu e o Ritchie estivemos juntos, sim, é claro que foi intimidante. Mas simplesmente se desdobrou bem naturalmente. Eu tenho um dom, eu acho e é que eu componho naturalmente. Mas não é algo que eu faço para melhorar minha renda e meu nível de vida. É simplesmente algo que eu faço como expressionista. É simplesmente como eu expresso muitos dos meus sentimentos. Mesmo a parte divertida.

Como você sabe, o blues é uma enorme inspiração para mim, mas não são só músicas para cortar os punhos. Quero dizer, você ouve o Muddy Waters cantando sobre gatos vesgos e tal. Esses caras celebravam a vida quando tinham a oportunidade. Eles se recusavam a aceitar que tinha de ser pra baixo o tempo todo. O blues é outro termo de uma expressão pessoal para mim. E ainda me firmo nisso.

Veja o Hendrix, aqueles elementos que o Hendrix introduziu de sua maneira incrivelmente extra-terrena foram incrívelmente influentes para mim. Ele se firmava no soul, rock, grandes riffs, grandes melodias... seus três primeiros discos foram equivalentes ao "Sgt. Pepper" para mim.

Leia a entrevista na íntegra no antiMusic.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção EntrevistasTodas as matérias sobre "Whitesnake"Todas as matérias sobre "Faces"Todas as matérias sobre "Jimi Hendrix"


Woodstock: Quanto faturaram Jimi Hendrix, Creedence, The Who...?Woodstock
Quanto faturaram Jimi Hendrix, Creedence, The Who...?

Ultimate Classic Rock: os 100 maiores clássicos do rockUltimate Classic Rock
Os 100 maiores clássicos do rock


Rolling Stone: as melhores músicas com mais de sete minutosRolling Stone
As melhores músicas com mais de sete minutos

Metallica: Jason explica o baixo apagado de And Justice For AllMetallica
Jason explica o baixo apagado de And Justice For All


Sobre Nathália Plá

Mineira de Belo Horizonte, nasceu e cresceu ouvindo Rock por causa de seu pai. O som de Pink Floyd e Yes marcou sua infância tanto quanto a boneca Barbie, mas de uma forma tão intensa que hoje escutar essas bandas lhe causa arrepios. Ao longo dos anos foi se adaptando às incisivas influências e acabou adquirindo gosto próprio, criando afinidade pelo Hard Rock e Heavy Metal. Louca e incondicionalmente apaixonada por Bon Jovi, não está nem aí pras críticas insistentes dirigidas à banda. Deixando a emoção de lado e dando ouvidos à técnica e qualidade musical, tem por melhores bandas, nessa ordem, BlackSabbath, Led Zeppelin, Deep Purple, Metallica e Dream Theater. De resto, é apenas mais uma apreciadora do bom e velho Rock'n'roll.

Mais matérias de Nathália Plá no Whiplash.Net.

Cli336x280 CliIL Cli336x280 CliInline