Matérias Mais Lidas

imagemDez ótimas músicas do Iron Maiden escritas pelo agitado guitarrista Janick Gers

imagemBruno Valverde diz que preconceito contra ele veio mais da igreja do que dos metaleiros

imagemPaul Di'Anno detona Regis Tadeu após vídeo em que critica seu encontro com Iron Maiden

imagemRegis Tadeu se garante e não retira uma palavra do que disse sobre Di'Anno e Iron Maiden

imagem"A ingenuidade do fã do Iron Maiden é um negócio que beira o patético", diz Regis Tadeu

imagemA inesperada música do Whitesnake que serviu de inspiração para "Carry On" (Angra)

imagemGeezer Butler, Heavy Metal e a clássica canção do Black Sabbath inspirada por Jesus

imagemA "traumática" e "desagradável" experiência de ser preso, segundo Arnaldo Antunes

imagemA estratégia usada por Mille Petrozza, do Kreator, para "reaprender" músicas antigas

imagemJon Bon Jovi: quando ele levou um fora de Bruna Lombardi

imagemQuando Chorão, do Charlie Brown Jr, quase levou porrada do Rick Bonadio

Bruna Lombardi: quando ela foi assediada por Jon Bon Jovi e Donald Trump

imagemAC/DC: Angus Young recorda como fazia para ouvir rock em seus tempos de garoto

imagemEpisódio de Stranger Things 4 relembra Ozzy Osbourne e a "mordida do morcego"

imagemComo foram os últimos meses de Renato Russo e a causa da sua morte


Lemmy: Dio e Randy eram baixinhos mas tinham muito coração

Por Nathália Plá
Fonte: blabbermouth.net
Em 21/02/11

Jeb Wright do Classic Rock Revisited entrevistou em fevereiro de 2011 o frontman do MOTÖRHEAD e ícone do rock, Lemmy Kilmister. Abaixo alguns trechos da conversa.

Classic Rock Revisited: Você não é de falar muito, mas quando as pessoas te perguntam algo, você diz a verdade. Acho que as pessoas gostam disso.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Lemmy: Eu fiz entrevistas no passado e eles extraem tudo exceto as falas ultrajantes que são tiradas do contexto. Acho que isso é tão desonesto quanto uma pessoa dar uma entrevista ruim. Eu desprezo pessoas assim; eles não tem duas chances. É tudo uma sensação. É sempre bobagem. Quantas vezes pode um rock star passar dos limites com as drogas. Quantas vezes pode um rock star ser infiel a sua mulher? É realmente bem chato e é isso que eles fazem uma vez atrás da outra. Eles sempre imprimem a mesma merda.

Classic Rock Revisited: Nesse estágio da sua vida, olhando pra trás, o uso de drogas foi uma experiência positiva ou negativa?

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Lemmy: Ambas. Eric Clapton compôs "Layla" quando ele estava fora de si. Mais tarde aquilo quase o matou. Você tem de tentar descobrir qual é o maior benefício e qual é a maior perda. Quase o matou; ele estava muito, muito mal por muito tempo mas ele superou isso. Muitas pessoas não superam porque eles não tem dinheiro para comprar as pessoas para cuidar delas. Muitas pessoas tem uma morte extremamente infeliz e solitária porque eles não tem as pessoas para cuidar delas e ajudá-las a superar tudo.

Classic Rock Revisited: Por que você sobreviveu?

Lemmy: Pura sorte boba. E também eu nunca usei heroína.

Classic Rock Revisited: Qual foi sua década favorita... 60, 70 ou 80?

Lemmy: Provavelmente a década de 60 porque quase não havia regras e a heroína ainda não tinha aparecido então as pessoas não tinham começado a morrer. Era um tempo otimista e nós quase mudamos o mundo. Acho que foi a melhor. Os anos 70 foram muito bons também. Eu tive sorte de estar no lugar certo na hora certa.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Classic Rock Revisited: Os BEATLES realmente influenciaram o MOTÖRHEAD?

Lemmy: Os BEATLES tiveram influência sobre todos. Eles mudaram a forma de você ver as coisas. Você tem de compreender que explosão incrível os BEATLES foram. Você realmente tinha de estar lá mas eu vou tentar de contar. Eles foram primeira banda a não ter um vocalista. Eles foram a primeira banda a compor suas próprias músicas na Grã-Bretanha porque nós apenas fazíamos cover de músicas americanas antes disso. Todos cantavam junto e a harmonia era ótima. Os BEATLES realmente mudaram tudo. Jornais na Inglaterra costumavam ter uma página inteira dedicada a o que os BEATLES tinham feito no dia anterior. Quando o George morreu, os guardas no palácio de Buckingham tocaram um medley de suas músicas durante a troca de guarda; esse tipo de coisa não é comum.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Classic Rock Revisited: O MOTÖRHEAD abriu para o Ozzy [Osbourne] na turnê "Blizzard Of Ozz". Sou um grande fã do Randy Rhoads. Como ele era de verdade?

Lemmy: Ele era um cara bom. Eu nunca consegui entender como ele era pequeno. Ele era tipo como o Ronnie James Dio, eles eram baixinhos mas eles tinham muito coração. Eu nunca acreditaria que aquela voz saía do corpo do Ronnie James. Era a mesma coisa com o Randy porque ele tinha mãos pequenas pois era pequenininho. Rapaz, como ele tocava guitarra. Ele se tornou um guitarrista ainda melhor depois que ele morreu. É um mistério bem notório que os guitarristas de repente ficam melhores quando morrem. Buddy Holly foi o primeiro. Stevie Ray Vaughan ficou sendo conhecido por muito mais pessoas do que quando ele estava vivo.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Classic Rock Revisited: Você realmente está ficando mais popular. Por que você acha que isso está acontecendo?

Lemmy: Parece que sim. É bom para a banda também, sabe. Está bem. É que eu estou velho demais agora para sair atrás de todas a mulheres envolvidas; o que é uma pena. Eu acho [que o diretor por trás do documentário "Lemmy"] fez um ótimo trabalho com o filme. Não foi showbiz demais e não foi tão comum. Os caras que fizeram o filme eram todos fãs, ou ao menos eram quando começaram o filme. Eu não sei se ainda são [risos].

Leia a entrevista na íntegra (em inglês) no Classic Rock Revisited:
http://www.classicrockrevisited.com/interviewLemmy2011.htm

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Grupo de post-metal Tombs lança "Killed by Death", do Motörhead

Buaiteoir: Ouça versão de "1916" em álbum tributo ao Motorhead


Twisted Sister: Dee conta como Lemmy salvou sua vida



Sobre Nathália Plá

Mineira de Belo Horizonte, nasceu e cresceu ouvindo Rock por causa de seu pai. O som de Pink Floyd e Yes marcou sua infância tanto quanto a boneca Barbie, mas de uma forma tão intensa que hoje escutar essas bandas lhe causa arrepios. Ao longo dos anos foi se adaptando às incisivas influências e acabou adquirindo gosto próprio, criando afinidade pelo Hard Rock e Heavy Metal. Louca e incondicionalmente apaixonada por Bon Jovi, não está nem aí pras críticas insistentes dirigidas à banda. Deixando a emoção de lado e dando ouvidos à técnica e qualidade musical, tem por melhores bandas, nessa ordem, BlackSabbath, Led Zeppelin, Deep Purple, Metallica e Dream Theater. De resto, é apenas mais uma apreciadora do bom e velho Rock'n'roll.

Mais matérias de Nathália Plá.