Lemmy: Dio e Randy eram baixinhos mas tinham muito coração

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Nathália Plá, Fonte: blabbermouth.net, Tradução
Enviar correções  |  Comentários  | 

Jeb Wright do Classic Rock Revisited entrevistou em fevereiro de 2011 o frontman do MOTÖRHEAD e ícone do rock, Lemmy Kilmister. Abaixo alguns trechos da conversa.

5000 acessosBill Ward: os dez discos de metal favoritos do baterista5000 acessosRobert Plant: "quase saí do Led quando meu filho morreu"

Classic Rock Revisited: Você não é de falar muito, mas quando as pessoas te perguntam algo, você diz a verdade. Acho que as pessoas gostam disso.

Lemmy: Eu fiz entrevistas no passado e eles extraem tudo exceto as falas ultrajantes que são tiradas do contexto. Acho que isso é tão desonesto quanto uma pessoa dar uma entrevista ruim. Eu desprezo pessoas assim; eles não tem duas chances. É tudo uma sensação. É sempre bobagem. Quantas vezes pode um rock star passar dos limites com as drogas. Quantas vezes pode um rock star ser infiel a sua mulher? É realmente bem chato e é isso que eles fazem uma vez atrás da outra. Eles sempre imprimem a mesma merda.

Classic Rock Revisited: Nesse estágio da sua vida, olhando pra trás, o uso de drogas foi uma experiência positiva ou negativa?

Lemmy: Ambas. Eric Clapton compôs "Layla" quando ele estava fora de si. Mais tarde aquilo quase o matou. Você tem de tentar descobrir qual é o maior benefício e qual é a maior perda. Quase o matou; ele estava muito, muito mal por muito tempo mas ele superou isso. Muitas pessoas não superam porque eles não tem dinheiro para comprar as pessoas para cuidar delas. Muitas pessoas tem uma morte extremamente infeliz e solitária porque eles não tem as pessoas para cuidar delas e ajudá-las a superar tudo.

Classic Rock Revisited: Por que você sobreviveu?

Lemmy: Pura sorte boba. E também eu nunca usei heroína.

Classic Rock Revisited: Qual foi sua década favorita... 60, 70 ou 80?

Lemmy: Provavelmente a década de 60 porque quase não havia regras e a heroína ainda não tinha aparecido então as pessoas não tinham começado a morrer. Era um tempo otimista e nós quase mudamos o mundo. Acho que foi a melhor. Os anos 70 foram muito bons também. Eu tive sorte de estar no lugar certo na hora certa.

Classic Rock Revisited: Os BEATLES realmente influenciaram o MOTÖRHEAD?

Lemmy: Os BEATLES tiveram influência sobre todos. Eles mudaram a forma de você ver as coisas. Você tem de compreender que explosão incrível os BEATLES foram. Você realmente tinha de estar lá mas eu vou tentar de contar. Eles foram primeira banda a não ter um vocalista. Eles foram a primeira banda a compor suas próprias músicas na Grã-Bretanha porque nós apenas fazíamos cover de músicas americanas antes disso. Todos cantavam junto e a harmonia era ótima. Os BEATLES realmente mudaram tudo. Jornais na Inglaterra costumavam ter uma página inteira dedicada a o que os BEATLES tinham feito no dia anterior. Quando o George morreu, os guardas no palácio de Buckingham tocaram um medley de suas músicas durante a troca de guarda; esse tipo de coisa não é comum.

Classic Rock Revisited: O MOTÖRHEAD abriu para o Ozzy [Osbourne] na turnê "Blizzard Of Ozz". Sou um grande fã do Randy Rhoads. Como ele era de verdade?

Lemmy: Ele era um cara bom. Eu nunca consegui entender como ele era pequeno. Ele era tipo como o Ronnie James Dio, eles eram baixinhos mas eles tinham muito coração. Eu nunca acreditaria que aquela voz saía do corpo do Ronnie James. Era a mesma coisa com o Randy porque ele tinha mãos pequenas pois era pequenininho. Rapaz, como ele tocava guitarra. Ele se tornou um guitarrista ainda melhor depois que ele morreu. É um mistério bem notório que os guitarristas de repente ficam melhores quando morrem. Buddy Holly foi o primeiro. Stevie Ray Vaughan ficou sendo conhecido por muito mais pessoas do que quando ele estava vivo.

Classic Rock Revisited: Você realmente está ficando mais popular. Por que você acha que isso está acontecendo?

Lemmy: Parece que sim. É bom para a banda também, sabe. Está bem. É que eu estou velho demais agora para sair atrás de todas a mulheres envolvidas; o que é uma pena. Eu acho [que o diretor por trás do documentário "Lemmy"] fez um ótimo trabalho com o filme. Não foi showbiz demais e não foi tão comum. Os caras que fizeram o filme eram todos fãs, ou ao menos eram quando começaram o filme. Eu não sei se ainda são [risos].

Leia a entrevista na íntegra (em inglês) no Classic Rock Revisited:
http://www.classicrockrevisited.com/interviewLemmy2011.htm...

Por que destacamos matérias antigas no Whiplash.Net?

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, nos links abaixo:

Post de 21 de fevereiro de 2013
Post de 30 de março de 2015

Bill WardBill Ward
Os dez discos de metal favoritos do baterista

1590 acessosMotorhead: biografia mostra o quão Lemmy era único1384 acessosLoudwire: em vídeo, os 10 maiores riffs de metal dos 80's431 acessosLoudwire: em vídeo, 10 maiores riffs de metal dos anos setenta308 acessosMetal Maya: Homenagem a Lemmy e Burton no Dia dos Mortos no México1349 acessosPhil Campbell: solo terá Dee Snider e Matt Sorum, além de Halford0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Motorhead"

Pra discutirPra discutir
Os 100 melhores discos de Heavy Metal de todos os tempos

MetallicaMetallica
Casal toca no casamento e é convidado pela banda

MotorheadMotorhead
Cover de "Stand By Me" com Lemmy e Lombardo

0 acessosTodas as matérias da seção Entrevistas0 acessosTodas as matérias sobre "Motorhead"

Robert PlantRobert Plant
"Quase saí do Led quando meu filho morreu!"

Black SabbathBlack Sabbath
O dia em que Tony Iommi quase matou Bill Ward

Cê tá de brincadeira?Cê tá de brincadeira?
Quando grandes nomes vacilam

5000 acessosBandas: Por que ninguém está indo a seus shows?5000 acessosAvenged Sevenfold: 10 músicas que podem fazer você mudar de idéia5000 acessosRamones - Perguntas e Respostas5000 acessosDoc Martens: Rockstars mortos em propaganda de sapatos5000 acessosNightwish: "Encontros com fãs são luxo, não obrigação", diz Floor2784 acessosUltimate Classic Rock: Top 10 canções com "Devil"

Sobre Nathália Plá

Mineira de Belo Horizonte, nasceu e cresceu ouvindo Rock por causa de seu pai. O som de Pink Floyd e Yes marcou sua infância tanto quanto a boneca Barbie, mas de uma forma tão intensa que hoje escutar essas bandas lhe causa arrepios. Ao longo dos anos foi se adaptando às incisivas influências e acabou adquirindo gosto próprio, criando afinidade pelo Hard Rock e Heavy Metal. Louca e incondicionalmente apaixonada por Bon Jovi, não está nem aí pras críticas insistentes dirigidas à banda. Deixando a emoção de lado e dando ouvidos à técnica e qualidade musical, tem por melhores bandas, nessa ordem, BlackSabbath, Led Zeppelin, Deep Purple, Metallica e Dream Theater. De resto, é apenas mais uma apreciadora do bom e velho Rock'n'roll.

Mais matérias de Nathália Plá no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online