Vince Neil: "Queria ter a voz do Dio ou do Coverdale!"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Nacho Belgrande, Fonte: Site da Revista Time, Tradução
Enviar correções  |  Ver Acessos

A conceituada revista norte-americana TIME entrevistou, para sua edição online de 4 de outubro de 2010, o vocalista do MÖTLEY CRÜE, Vince Neil, sobre sua recém-lançada autobiografia (sem previsão de lançamento em português). O que segue é uma tradução do texto publicado online.

Axl Rose: a primeira ficha policial aos 18 anosFotos de Infância: Bruce Dickinson, do Iron Maiden

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

De todas as bandas de hard rock dos anos 80, talvez nenhuma tenha resumido o excesso daquela década como o Mötley Crüe. O vocalista Vince Neil, o baterista Tommy Lee e o baixista Nikki Sixx e o guitarrista Mick Mars vestiam lycra com estampa de oncinha, foram promíscuos e tomaram tanta droga que Sixx uma vez foi declarado legalmente morto devido a uma overdose. Eles também faziam música. Nove anos depois da autobiografia coletiva do grupo, The Dirt, Neil veio com Tattos & Tequila: To Hell and Back with One of Rock's Most Notorious Frontmen, um apanhado de memórias que detalha o que ele diz com seu lado da história. O livro lida abertamente com as falhas de Neil, incluindo suas falhas como marido e seu papel num acidente de carro em 1984 que matou seu amigo Razzle Dingley. Neil falou com a TIME sobre a banda, os anos 80 e garotas, garotas, garotas.

TIME: O que diferencia o MÖTLEY CRÜE das outras bandas daquela era?

Vince: Naquela época, qualquer dinheiro que fazíamos - que não era muito - nós investíamos de volta na banda, com produção de palco. Como colocar fogo no Nikki - nenhuma outra banda fazia esse tipo de coisa. Nós sempre fomos do lema "entrada de $10, dê a eles um show que valha $100."

TIME: Você e Axl Rose e David Lee Roth todos tem esse timbre agudo e alto. O que influenciou isso?

Vince: É apenas o jeito que minha voz sai. Nada que eu possa fazer quanto a isso. Eu queria ter uma voz como a do Dio ou do David Coverdale, mas eu não tenho.

TIME: Então por que você acha que as pessoas não cantam mais daquele jeito?

Vince: As bandas mudam. A geração diferente de bandas nos anos 90, eles estavam escrevendo músicas em notas diferentes. Isso muda a maneira que você as canta.

TIME: Como você se sente em relação ao grunge? Há muitas pessoas fãs de 'hair metal' que não curtem o grunge de modo algum.

Vince: Bem, era algo novo quando apareceu. Eu particularmente não gosto do estilo. Eu sou um cara de espaços grandes. Eu acho que como cantor você tem que correr pra todo lado e tentar animar a plateia. O estilo deles é ficar lá e tocar - sem show, de fato. E isso me deprimia.

TIME: Há uma frase que abre o livro: se você lembra dos anos 80, você não estava lá. Como eram os anos 80, nas partes que você lembra?

Vince: Bem, é a mesma coisa que diziam dos anos 60. O engraçado é que sempre foram as pessoas que estavam no começo da casa dos 20 anos nos anos 60 que diziam isso, e as pessoas no começo da casa dos 20 anos nos anos 70 diziam a mesma coisa. Eu estava no começo dos meus 20 anos nos anos 80. Eu acho que se você está com vinte e poucos anos, você não vai lembrar de nada.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

TIME: Exatamente. Mas pros anos 60, nós geralmente decidimos sobre o que foi aquela década: direitos civis, Vietnam, hippies. Os anos 80 ainda não estão definidos.

Vince: Era uma cena. Eu nasci e fui criado em Los Angeles e de repente toda a cena musical explodiu em Hollywood. E fomos privilegiados o suficiente para sermos uma das bandas jovens que estavam em ascensão naquele tempo. Era uma cena legal. As ruas estavam cheias de caras que estavam em bandas ou queriam estar em bandas, e com mulheres que queriam encontrar um cara que parecesse estar numa banda. Então era divertido pra todo mundo.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

TIME: Você diz no livro que seu lance favorito sobre ser um astro do rock é que você pegou um monte de garotas. É uma avaliação justa?

Vince: É a única razão pela qual homens entram na música - porque você pega mulheres e pela cerveja de graça. Não era sobre ser famoso ou algo do tipo. Você quer se dar bem e você quer se embebedar.

TIME: Há um velho provérbio que diz: seja lá o que você faria se tivesse um milhão de dólares é o que você deveria fazer com sua vida. O que você faria da sua vida se você tivesse toda a cerveja e a mulherada que você teve como rock star?

Vince: No momento, eu ainda amo estar numa banda e eu ainda curto cantar. Mas naquela época? Se você tivesse me perguntado isso quando eu estava no ensino médio, eu teria dito, "Eu vou apenas me deitar na praia - me dê as mulheres e a cachaça."

TIME: No livro, você menciona que iria querer abrir uma loja de jet skis.

Vince: Alguém me perguntou o que eu estaria fazendo se não fosse astro do rock. Eu disse que eu seria o cara que aluga os jet skis pra você. Quando estou na praia num resort e tem aqueles caras fazendo isso, eu fico pensando, "que emprego legal." A única coisa no mundo com a qual você tem que se preocupar é se aqueles jet skis estão funcionando ou não. Ter uma vida com esse tipo de problema? Isso seria muito legal.

TIME: Você é bem distante do resto do Mötley Crüe, mas você ainda é o frontman da banda e você ainda excursiona com eles o tempo todo. Como é que isso funciona?

Vince: Ainda somos uma família. Nós ainda, basicamente, amamos uns aos outros. Foi uma decisão de negócios de minha parte. Quando eu estava - dependendo da maneira que você olhar pra coisa - despedido ou pedi demissão da banda [em 1992], eu era uma parte do Mötley Crüe S/A e eu escolhi não voltar praquilo [em 1997]. Eu olhei pra mim mesmo como um agente livre num time de futebol. Eu não tinha que me preocupar com decisões corporativas. Tudo que eu tinha a fazer era aparecer e cantar.

TIME: Em 2005, você participou dum reality show no VH1 sobre passar por cirurgia plástica. Não muitas pessoas da sua geração foram tão abertas quanto a isso. Por que você foi?

Vince: Eu estava num ponto da minha vida onde eu não estava fazendo nada. Eu lembro de receber uma ligação, eu estava sentado numa piscina no [hotel], bebendo - o que eu tinha estado fazendo pelos últimos meses anteriores - ganhando peso e não fazendo nada produtivo. E a ligação [pra fazer o show] veio e eu pensei, "Talvez esse seja o fogo no rabo que eu estava precisando." E funcionou. Não foi nada pra se envergonhar

TIME: Seu livro tem um final feliz. Se você não está indo de encontro ao pôr do sol, é pelo menos mais estável e mais maduro. Mas desde que você o escreveu você se divorciou e teve problemas com a lei. [Neil foi preso por dirigir alcoolizado em junho]. Você acha que isso contradiz a mensagem no final?

Vince: Não, porque você está ouvindo apenas um lado da história em coisas que aconteceram na minha vida recentemente. Até que você corra atrás de todos os fatos e tal, você não pode ir por eles. As coisas tem sido ótimas na minha vida - exceto por eu estar me divorciando. Isso é o principal.

TIME: Eu acho que você não pode reescrever o fim do livro, mas há algo que você diria de maneira diferente agora?

Vince: Quando você faz parte de um casal e vocês ficaram juntos por 10 anos, as coisas acontecem. Eu não vou dizer, "Oh, eu tenho um livro saindo, então não podemos nos separar." Ou "Segurem o livro! Vamos reescrever umas coisas aqui." Você não pode fazer isso. É a vida.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção EntrevistasTodas as matérias sobre "Motley Crue"Todas as matérias sobre "Dio"Todas as matérias sobre "Vince Neil"


Dio: ele ficaria p*to com seu holograma, diz Doug AldrichDio
Ele ficaria "p*to" com seu holograma, diz Doug Aldrich

Wendy Dio: Dando a Rob Halford anel que foi de Ronnie James DioWendy Dio
Dando a Rob Halford anel que foi de Ronnie James Dio


Axl Rose: a primeira ficha policial aos 18 anosAxl Rose
A primeira ficha policial aos 18 anos

Fotos de Infância: Bruce Dickinson, do Iron MaidenFotos de Infância
Bruce Dickinson, do Iron Maiden


Sobre Nacho Belgrande

Nacho Belgrande foi desde 2004 um dos colaboradores mais lidos do Whiplash.Net. Faleceu no dia 2 de novembro de 2016, vítima de um infarte fulminante. Era extremamente reservado e poucos o conheciam pessoalmente. Estes poucos invariavelmente comentam o quanto era uma pessoa encantadora, ao contrário da persona irascível que encarnou na Internet para irritar tantos mas divertir tantos mais. Por este motivo muitos nunca acreditarão em sua morte. Ele ficaria feliz em saber que até sua morte foi motivo de discórdia e teorias conspiratórias. Mandou bem até o final, Nacho! Valeu! :-)

Mais matérias de Nacho Belgrande no Whiplash.Net.

Goo336x280 GooAdapHor Goo336x280 Cli336x280