Matérias Mais Lidas

imagemConfira as músicas que o Iron Maiden está ensaiando para turnê que passa pelo Brasil

imagemLuciano Hang processa vocal do Fresno e quer indenização de R$ 100 mil por danos morais

imagemA simpatia de James Hetfield ao conversar com pais de bebê que nasceu durante show

imagemComo Max Cavalera aprendeu inglês tendo abandonado a escola aos 12 anos de idade

imagemMalmsteen ameaça cancelar show por que vocalista Jeff Scott Soto estava no local

imagemVocalista do Gwar diz que integrantes do Maiden são "um bando de velhas britânicas"

imagemKiko Loureiro explica por que acha uma merda seu solo de guitarra em "Rebirth"

imagemAdrian Smith e a volta ao Maiden: "queriam o Bruce e já tinham dois guitarristas"

imagemO segredo da longevidade do baixista do Guns N' Roses tem inspiração nos Stones

imagemJames LaBrie fala sobre a possibilidade de trabalhar novamente com Mike Portnoy

imagemQuando Pete Townshend faltou a um show do The Who pra ir assistir o Pink Floyd

imagemTico Santta Cruz sai em defesa de Juliette na polêmica com Samantha Schmutz

imagemComo o Lollapalooza desmereceu Ozzy Osbourne e ele deu a volta por cima

imagemVangelis, compositor de cinema e lenda do prog rock grego, morre aos 79 anos

imagemQuando Angus Young, do AC/DC, detonou o Led Zeppelin e os Rolling Stones


Stamp

Dream Theater: "não ganhamos dinheiro com vendas de discos"

Por Rafael Gonçalves
Fonte: MusicRadar.com
Em 01/07/10

O baterista Mike Portnoy, do gigante do metal progressivo DREAM THEATER, recentemente respondeu a uma série de perguntas de fãs para o site MusicRadar.com. Alguns trechos da sessão de perguntas e respostas seguem abaixo.

MusicRadar.com: Roberto Campos pergunta: você ou o resto do DREAM THEATER já têm idéias para o próximo disco? Algum direcionamento musical, ou mesmo um conceito?

Mike Portnoy: "Nada, nada, nada. Nunca trabalhamos em idéias separadamente ou em turnê. Sempre fazemos isso uma vez que nós nos reunimos no estúdio. Assim, até chegar a hora de trabalhar em um novo álbum, nos concentramos na turnê. Depois é hora de realmente começar a trabalhar num disco, que é quando vamos começar a deixar as idéias fluírem. "

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

MusicRadar.com: Sami Jaber quer saber o que você e os outros caras pensam sobre compartilhamento de arquivos. Ele diz que é da Arábia Saudita, e embora não seja impossível, por as mãos sobre sua música é muito difícil.

Mike Portnoy: "Eu não posso falar em nome dos outros caras. Somos cinco personalidades diferentes com cinco opiniões diferentes. Falando por mim, no entanto, eu não me importo, o que deixa as gravadoras ao redor do mundo em pânico. Eu quero que a música seja ouvida, e se ouvir a música através do compartilhamento de arquivos é o que faz as pessoas interessadas na nossa banda e se eles vêm aos nossos shows, então que assim seja".

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

"Finalmente, não se trata de dinheiro, pelo menos para nós não. O DREAM THEATER não ganha dinheiro com a venda de discos. O selo ganha, mas nós não. Compartilhamento de arquivos afeta artistas que vendem milhões e milhões de CDs em todo o mundo. Vendemos na casa dos centenas de milhares de cópias, de modo que a realidade é muito diferente. Pessoas que compartilham arquivos e baixam as coisas de qualquer lugar, eles não estão tirando dinheiro dos nossos bolsos; eles estão apenas tirando dinheiro da gravadora".

"A única ocasião em que eu crio caso com o compartilhamento de arquivos, e talvez eu esteja me contradizendo aqui, é quando se trata de material novo. Sou muito zeloso em relação a um novo álbum, e eu fico realmente chateado se algo vaza antes da hora".

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

"Quando você lança um novo disco, é um grande negócio, ou pelo menos deveria ser. Você quer que o mundo inteiro compartilhe ao mesmo tempo e viva a experiência. Além disso, quero ter certeza de que a qualidade do som não fica comprometida, o que de fato acontece. Portanto, não é questão de dinheiro, é uma coisa criativa. Quero que as pessoas experimentem o álbum em conjunto, com as letras, a arte, a fidelidade total, o negócio todo. Depois que um álbum é lançado, há tantas coisas que você pode controlar, e eu entendo disso".

MusicRadar.com: Akhil Pa pergunta: tem algum baterista cujo estilo você sinta mas não consiga emular?

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Mike Portnoy: "Hmmm. Essa foi boa. Eu não sei. Qualquer baterista que foi uma grande influência sobre mim, eu sempre fui capaz de replicar o que ele faz e trabalhar até uma imitação de seu estilo - até certo ponto. John Bonham, Keith Moon, Ringo, Neil Peart - toquei suas músicas em todas as minhas bandas-tributo. Eu os sinto, eu conheço seu estilo, e quando eu tocava suas músicas naquelas bandas eu o fazia de maneira respeitosa e de certo modo autêntica".

"Há outros bateristas: Terry Bozzio é um dos meus favoritos, e eu sinto uma forte presença de seu estilo dentro de mim. Por mais que as pessoas gostem de bater nele e odiá-lo, Lars Ulrich é ótimo - há muito dele no que eu faço. Stewart Copeland, também - eu adoro imitar o que ele faz".

Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva

"Alguém que não posso reproduzir? Eu não sei. Talvez alguns dos caras super, super técnicos como Thomas Lang e Virgil Donati e Mike Mangini - eles fazem coisas que eu fisicamente não posso fazer. Mas os bateristas que me influenciaram, eles estão todos em mim, e eles acabam saindo, gostando ou não."

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

PRB
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp




Sobre Rafael Gonçalves

Mineiro de Juiz de Fora, nascido em 1985, graduando em Administração de Empresas, leitor do Whiplash! desde 2001, guitarrista mediano. Teve seus primeiros contatos com o Rock na infância, com Legião Urbana, Raul e Pink Floyd. Porém foi somente aos 14 anos que teve os cabelos da nuca arrepiados ao ouvir uma bolachinha chamada Appetite for Destruction, de um tal Guns N'Roses. Desde então, o hard rock e o heavy metal são parte integrante e indispensável de sua vida. Mas como sabe que só existem dois tipos de música (a boa e a ruim), curte também progressivo, rock nacional, blues e até um punk rock de vez em quando.

Mais matérias de Rafael Gonçalves.