Dream Theater: "não ganhamos dinheiro com vendas de discos"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Rafael Gonçalves, Fonte: MusicRadar.com, Tradução
Enviar correções  |  Comentários  | 

O baterista Mike Portnoy, do gigante do metal progressivo DREAM THEATER, recentemente respondeu a uma série de perguntas de fãs para o site MusicRadar.com. Alguns trechos da sessão de perguntas e respostas seguem abaixo.

5000 acessosPortnoy: ele entende porque os caras do DT recusaram o convite5000 acessosRob Halford: 11 coisas que você não sabia sobre ele

MusicRadar.com: Roberto Campos pergunta: você ou o resto do DREAM THEATER já têm idéias para o próximo disco? Algum direcionamento musical, ou mesmo um conceito?

Mike Portnoy: "Nada, nada, nada. Nunca trabalhamos em idéias separadamente ou em turnê. Sempre fazemos isso uma vez que nós nos reunimos no estúdio. Assim, até chegar a hora de trabalhar em um novo álbum, nos concentramos na turnê. Depois é hora de realmente começar a trabalhar num disco, que é quando vamos começar a deixar as idéias fluírem. "

MusicRadar.com: Sami Jaber quer saber o que você e os outros caras pensam sobre compartilhamento de arquivos. Ele diz que é da Arábia Saudita, e embora não seja impossível, por as mãos sobre sua música é muito difícil.

Mike Portnoy: "Eu não posso falar em nome dos outros caras. Somos cinco personalidades diferentes com cinco opiniões diferentes. Falando por mim, no entanto, eu não me importo, o que deixa as gravadoras ao redor do mundo em pânico. Eu quero que a música seja ouvida, e se ouvir a música através do compartilhamento de arquivos é o que faz as pessoas interessadas na nossa banda e se eles vêm aos nossos shows, então que assim seja".

"Finalmente, não se trata de dinheiro, pelo menos para nós não. O DREAM THEATER não ganha dinheiro com a venda de discos. O selo ganha, mas nós não. Compartilhamento de arquivos afeta artistas que vendem milhões e milhões de CDs em todo o mundo. Vendemos na casa dos centenas de milhares de cópias, de modo que a realidade é muito diferente. Pessoas que compartilham arquivos e baixam as coisas de qualquer lugar, eles não estão tirando dinheiro dos nossos bolsos; eles estão apenas tirando dinheiro da gravadora".

"A única ocasião em que eu crio caso com o compartilhamento de arquivos, e talvez eu esteja me contradizendo aqui, é quando se trata de material novo. Sou muito zeloso em relação a um novo álbum, e eu fico realmente chateado se algo vaza antes da hora".

"Quando você lança um novo disco, é um grande negócio, ou pelo menos deveria ser. Você quer que o mundo inteiro compartilhe ao mesmo tempo e viva a experiência. Além disso, quero ter certeza de que a qualidade do som não fica comprometida, o que de fato acontece. Portanto, não é questão de dinheiro, é uma coisa criativa. Quero que as pessoas experimentem o álbum em conjunto, com as letras, a arte, a fidelidade total, o negócio todo. Depois que um álbum é lançado, há tantas coisas que você pode controlar, e eu entendo disso".

MusicRadar.com: Akhil Pa pergunta: tem algum baterista cujo estilo você sinta mas não consiga emular?

Mike Portnoy: "Hmmm. Essa foi boa. Eu não sei. Qualquer baterista que foi uma grande influência sobre mim, eu sempre fui capaz de replicar o que ele faz e trabalhar até uma imitação de seu estilo - até certo ponto. John Bonham, Keith Moon, Ringo, Neil Peart - toquei suas músicas em todas as minhas bandas-tributo. Eu os sinto, eu conheço seu estilo, e quando eu tocava suas músicas naquelas bandas eu o fazia de maneira respeitosa e de certo modo autêntica".

"Há outros bateristas: Terry Bozzio é um dos meus favoritos, e eu sinto uma forte presença de seu estilo dentro de mim. Por mais que as pessoas gostem de bater nele e odiá-lo, Lars Ulrich é ótimo - há muito dele no que eu faço. Stewart Copeland, também - eu adoro imitar o que ele faz".

"Alguém que não posso reproduzir? Eu não sei. Talvez alguns dos caras super, super técnicos como Thomas Lang e Virgil Donati e Mike Mangini - eles fazem coisas que eu fisicamente não posso fazer. Mas os bateristas que me influenciaram, eles estão todos em mim, e eles acabam saindo, gostando ou não."

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mike PortnoyMike Portnoy
Ele entende porque os caras do Dream Theater recusaram o convite

872 acessosNeno Fernando: Vocalista lança tributo ao Dream Theater301 acessosDarkos: os incríveis solos de guitarra de John Petrucci0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Dream Theater"

Mike PortnoyMike Portnoy
O cara trabalha pra kct, será que ganha bem?

Mike PortnoyMike Portnoy
"Sou um dos músicos incompreendidos"

DragonforceDragonforce
Herman Li elege seus cinco riffs favoritos

0 acessosTodas as matérias da seção Entrevistas0 acessosTodas as matérias sobre "Pirataria"0 acessosTodas as matérias sobre "Dream Theater"

Rob HalfordRob Halford
11 coisas que você não sabia sobre ele

HumorHumor
Headbangers adoram o Deus Metal, que adora Hansi Kürsch!

Sexo e RockSexo e Rock
Músicas com conotação sexual

5000 acessosAC/DC: 10 músicas de outros artistas que parecem da banda5000 acessosFotos de Infância: Janis Joplin5000 acessosSlayer: a trágica e não revelada história do fim de Jeff Hanneman5000 acessosOzzy Osbourne: o epitáfio do Madman, segundo ele próprio5000 acessosBeatles: Quais as pessoas e objetos da capa do Sgt. Peppers?5000 acessosBandas Iniciantes: 17 maneiras de assassinar sua carreira musical

Sobre Rafael Gonçalves

Mineiro de Juiz de Fora, nascido em 1985, graduando em Administração de Empresas, leitor do Whiplash! desde 2001, guitarrista mediano. Teve seus primeiros contatos com o Rock na infância, com Legião Urbana, Raul e Pink Floyd. Porém foi somente aos 14 anos que teve os cabelos da nuca arrepiados ao ouvir uma bolachinha chamada Appetite for Destruction, de um tal Guns N´Roses. Desde então, o hard rock e o heavy metal são parte integrante e indispensável de sua vida. Mas como sabe que só existem dois tipos de música (a boa e a ruim), curte também progressivo, rock nacional, blues e até um punk rock de vez em quando.

Mais matérias de Rafael Gonçalves no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online