Krow: novo fruto do Triângulo Satânico Mineiro

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Ben Ami Scopinho
Enviar correções  |  Comentários  | 

Creio ser desnecessário citar os importantíssimos nomes que o fértil Triângulo Mineiro já proporcionou ao mundo... Oriundo de Uberlândia, o Krow está estreando com "Before The Ashes", álbum que honra com folgas a tradição de Heavy Metal extremo que tornou essa região tão conhecida.

5000 acessosComo formar uma banda de Hard Rock em 69 lições5000 acessosMetal: as oito maiores tretas entre músicos do gênero

Aproveitando que o grupo voltou da bem sucedida "Chilean Fuckin Tour 2009", onde tocou ao lado do Undercroft (Chile) e Extermínio (Argentina), o Whiplash! foi conversar com o Krow, onde Guilherme Miranda (voz e guitarra), Mark Sanchez (guitarra), Raphael Sapão (baixo) e Jhoka Ribeiro (bateria) deram mais detalhes sobre sua história.

Whiplash!: Saudações! O Krow foi formado efetivamente em 2006, para logo liberarem o EP "Contempt For You". Mas, no ano seguinte, o vocalista e guitarrista Guilherme tocou com o Crust Division pela Europa, e o guitarrista Mark tocou com o Tributo ao Sarcófago no Chile. Como estava a situação interna do Krow nesta época?

Krow: A situação estava um pouco diferente da de hoje, a gente era um pouco mais 'porra louca' e menos focados. E o fato do nosso batera, o Jhoka, estar morando em São Paulo e a gente estar fazendo shows com outro (baterista) também contribuía para que fizéssemos as correrias, mas com um entusiasmo um pouco menor. E ainda pintou esse lance de eu ir tocar fora e o Mark também, mas que no final das contas eu creio que tenha sido o fator preponderante para que o Krow continuasse.

Whiplash!: Inclusive, parece que a história da própria canção "Before The Ashes" foi fundamental para o Krow seguir adiante, certo?

Krow: Foi sim. Eu a fiz na van, na Europa, e quando voltei ao Brasil o Jhoka tinha voltado para Uberlândia e fomos ensaiar. Quando a tocamos, o clima geral da banda ficou excelente e pensamos: 'vamos botar pra fuder com isso aqui!!!'

Whiplash!: Como foi o trabalho em estúdio, houve alguma dificuldade na hora de gravar?

Krow: Olha, vou ser bem sincero, gravamos o nosso primeiro disco, e as dificuldades aparecem devido à falta de traquejo em estúdio. Mas nosso produtor foi muito bom e fez a gente tocar a parada mesmo, dando um som bem orgânico, eu creio que ganhamos muita experiência com a gravação de "Before The Ashes".

Whiplash!: Alan Douches construiu sua reputação ao trabalhar com feras do porte de Cannibal Corpse, Aborted, Kataklism e Nile. Como rolou o contato com o homem, e o quanto sua masterização influenciou na sonoridade final de "Before The Ashes"?


Krow: Se deu através do Gustavo Vasquez, que tinha o contato dele. Dessa forma o Alan pediu a mix final para ver se faria o trampo. Mandamos, ele aceitou e a negociação foi bem tranqüila. Em estúdio tudo influencia na sonoridade de um disco, desde a forma como você pega na palheta até a masterização. E o Alan foi a nossa escolha, pois queríamos soar como um bloco, e a master dele dá essa noção, pois soaria como uma banda mais 'América', com aquela pegada médio grave que ele coloca.

Whiplash!: A Free Mind Records, Parabelum Records, Two Beers Or Not Two Beers e Valvulado Discos se uniram em para o lançamento do CD "Before The Ashes". Quais os atrativos de uma parceria deste tipo para o Krow?

Krow: Os atrativos são a distribuição, circulação, divulgação e viabilidade financeira. Com a atual situação do mercado eu acredito que essa é a realidade com a qual as bandas irão conviver, principalmente em casos como o Krow, que está no primeiro disco.

Whiplash!: Musicalmente, existem diferenças entre "Contempt For You" e "Before The Ashes"?

Krow: Sim, muitas. “Before The Ashes” é mais maduro e pretensioso. Em “Contempt For You”, entramos em estúdio e gravamos do jeito que estava na mente e, naquela onda, deixa sair do jeito que der e está tudo bem. Fomos nós mesmos que produzimos e tudo mais. Já em “Before The Ashes” rolou uma coisa muito mais trabalhada e profissional, as composições estão bem mais interessantes.

Whiplash!: Seu debut possui canções realmente incríveis, como "Conspiracy Of Hate", "Abominations", "Living In The Dark" e "Hate, Disgrace And Wrath". Como tem sido a resposta do público diante do repertório?

Krow: Opa, muito obrigado pelos elogios!!! Cara, até o presente momento, nos shows a resposta tem sido muito positiva, fizemos shows pelo Brasil e uma tour no Chile com Undercroft e Exterminio, e temos obtido resultados excelentes! Como eu já falei, as composições estão mais interessantes e o público responde bem a isso, tanto que em Santiago o show foi insano, um cara subiu no palco e ficou pulando e arrebentou o cabo do baixo, heahaehahaha. Em Uberlândia tocamos com o Sepultura para lançar o disco e foi uma loucura total também, estamos trilhando nosso caminho passo a passo, e sempre agradeço ao público que nos apóia!!!

Whiplash!: E o que mais te marcou nessa "Chilean Fuckin Tour 2009", afinal?

Krow: O que mais marcou, além da amizade, contatos e zoeira, foi o fato de as pessoas nos encararem como uma banda de verdade, o que é muito bom, porém as responsabilidades e cobranças aumentam e está sendo legal aprender a lidar com isso. Foi a primeira experiência do Krow fora do Brasil e agora a gente já sabe como se comportar, como agir e tudo mais.


Whiplash!: Vocês tocaram com o Possessed no ano passado, em Belo Horizonte. Cara, o que você acha que motiva Jeff Becerra ainda nos dias de hoje, com a saúde tão debilitada, mas ainda caindo na estrada para urrar sobre uma cadeira de rodas?

Krow: Velho, o Jeff é uma pessoa muito massa!!! Ele ficou o tempo todo andando com a gente lá em BH, e percebi claramente que ele faz isso porque é um ideal de vida, é amor mesmo, é algo que movimenta a vida dele. A gente estava lá em BH enchendo a cara e tocando, ele tocou com camiseta do Krow, mandou e-mail pra gente, pegou MSN. Ele é Metal, a vida dele é Metal e esse é o motivo.

Whiplash!: Já é notório o antiprofissionalismo de boa parte dos envolvidos na realização de shows. Como é a situação no Triângulo Mineiro, cujo cenário possui tradição em se tratando de boas bandas?

Krow: No Triângulo a cena é legal, tem muitas bandas e um público louco!!! Mas, esse lance de profissionalismo aqui é bem relativo, há festivais e shows bem profissionais e legais, e tem shows onde é tudo desorganizado e tosco. Então depende muito de como e com quem as coisas funcionam.

Whiplash!: Ainda sobre esses problemas tão enraizados... Muitos produtores insistem em fornecer apenas a passagem e alimentação, se recusando a pagar a banda pelo seu trabalho, sob a alegação de que ‘... Se eles não tocarem, há dezenas de outras bandas na fila, querendo uma chance...’. O que você acha deste panorama? Há algo que poderia ser feito para tornar a situação mais justa e profissional?

Krow: Acho esse panorama muito complicado. Porém, depende também do que a banda se propõe a fazer. Se você quer ser encarado de forma profissional, tem que agir profissionalmente e fazer por merecer um cachê. Obviamente uma banda que esta lançando a primeira demo e tal, e quer galgar um espaço e ainda não tem muita experiência em palco, não costuma cobrar e etc. Mas, a partir do momento em que você consegue fazer um show que agrega qualidade musical e público, o correto é receber por isso.

Whiplash!: Ok, pessoal. O Whiplash! agradece pela entrevista. O espaço é do Krow para as considerações finais...

Krow: Muito obrigado pelo espaço e apoio sempre dado às bandas nacionais. Esperamos tocar essa tour de “Before The Ashes” em todos os lugares possíveis!!!

Contato: www.myspace.com/krowmetal

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Krow"

Metal NacionalMetal Nacional
Confira bandas que se destacaram em 2015

0 acessosTodas as matérias da seção Entrevistas0 acessosTodas as matérias sobre "Krow"

Batom, laquê...Batom, laquê...
Como formar uma banda de Hard Rock em 69 lições

MetalMetal
As oito maiores tretas entre músicos do gênero

Pink FloydPink Floyd
The Wall: uma obra de arte conceitual

5000 acessosSlipknot: veja a evolução das máscaras de cada integrante da estreia aos dias atuais5000 acessosMustaine: "Aos 15 entrei na magia e conheci o lado negro!"5000 acessosPower Metal: os dez álbuns essenciais do gênero5000 acessosMemoráveis como a música: os 25 melhores logos de bandas5000 acessosSlayer: as dez melhores músicas segundo o site Loudwire5000 acessosMegadeth: Marty Friedman explica porque não quer voltar

Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online