Matérias Mais Lidas

imagemRock in Rio 1991, Maracanã lotado, e o Guns N' Roses ameaçou não subir ao palco...

imagemBaixista do Faith No More diz que integrantes odiavam músicas do "The Real Thing"

imagemO álbum do Kiss que infelizmente é ignorado pela banda, segundo Andreas Kisser

imagemO álbum de David Bowie que Mick Jagger disse que achou "horrível"

imagemA história da capa de "Christ Illusion", que fez o Slayer ter problemas

imagemMetallica: a explicação da banda para o volume do baixo no And Justice For All

imagemSupla explica por que fala sempre misturando português com inglês

imagemCinco músicas que são covers, mas você certamente acha que são as versões originais

imagemTúnel do Tempo: 25 músicas que mostram por que 1991 é um ano tão celebrado

imagemLars Ulrich: "Não sou um baterista particularmente talentoso"

imagemOzzy acha que suas novas músicas deveriam ter sido gravadas pelo Black Sabbath

imagemOs únicos quatro assuntos das conversas nos EUA que enchiam saco de Fabio Lione

imagemSem ter o que fazer, guitarrista do Journey comprou 150 guitarras durante a pandemia

imagemRevista Veja diz que Rock in Rio virou "túmulo do rock" e explica motivo

imagemAntes mesmo do fim do primeiro semestre, Mike Portnoy escolhe seu "Álbum do ano"


Stamp

James Hetfield: "fico deprimido quando não pego a guitarra"

Por Douglas Morita
Fonte: Metallica Remains
Em 03/11/08

publicidade

Aaron Beck, do The Columbus Dispatch entrevistou em novembro de 2008 o guitarrista/vocalista do METALLICA, James Hetfield, que falou sobre sua relação com o instrumento, dentre outras coisas.

The Columbus Dispatch: Você vem fazendo isso desde que é um adolescente. Ainda consegue sair disposto fisica e mentalmente para tocar músicas do Metallica?

Hetfield: "Quando eu não pego a guitarra, eu fico deprimido. Quando estou em casa e começo a ficar pra baixo, minha esposa me fala: 'Bem, você não tem tocado guitarra há algumas semanas'. Então eu sento e toco. É minha arma; é meu pacificador; é meio que apenas escrever um riff e então me sentir bem comigo mesmo: 'Oh, sim! Eu ainda sou relevante!' Mas apenas usar amplificadores diferentes, guitarras diferentes - eu realmente acredito, encontrar uma guitarra antiga que pode custar algum tanto absurdo de dinheiro, você pega essa coisa, e há algo vivendo nela. Ela ainda tem riffs nela, e eu penso que eles são gratos por você ter a guitarra. Eu penso que as almas dessas guitarras falam".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

The Columbus Dispatch: Você precisou estar no palco e cantar algumas vezes sem uma guitarra, mais notavelmente depois que você se queimou em Montreal no início dos anos 90. Como se sentiu?

Hetfield: "Foi uma merda. Você está lá e está cantando, mas muitas de nossas músicas tem trechos instrumentais bem longos e me sentia como 'O que eu estou fazendo aqui? Melhor ir para os bastidores, lavar roupa?' Você pode apenas ser um líder de torcida no máximo, e parece meio bobo. Eu não gostei. É meio que garantia de emprego quando se pode tocar guitarra e cantar".

The Columbus Dispatch: O que está em sua mente quando você sobe ao palco hoje versus, digamos, 1990?

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Hetfield: "Nós ficamos bem inspirados quando vamos a sala de ensaio e fazemos uma jam juntos e talvez escrevemos um riff. Nós nos unimos dessa forma, e daí subimos ao palco. Eu não sei, ainda é questão de sermos nós contra eles [o público]; acho que hoje somos só nós. Antigamente, éramos nós contra eles: 'Vamos matá-los! Vamos esmagar isso!' Agora é mais 'Vamos lá e mostrar a eles nossa força e ver quantos fãs novos nós podemos contaminar com o Metallica e ver se eles voltam".

The Columbus Dispatch: Como ter filhos mudou sua forma de ver o trabalho?

Hetfield: "No começo, foi uma grande luta, eu sendo o primeiro a ter filhos e o baterista Lars (Ulrich) logo em seguida. Tentar separar as duas coisas foi difícil, sabe? 'Eu preciso arrumar tempo para a família', e isto não foi bem recebido. Então se tornou algo mais normal para nós. Nós temos que balancear essas duas coisas e fazê-las viver juntas. Nós precisamos fazer todos conhecer uns aos outros. Há realmente muito medo para as esposas - 'O que está rolando na estrada?' e 'Por que eles não querem que a gente saia?' As vezes é o que é, e algumas vezes é 'eu preciso do meu espaço'. Mas se você as convidar, algumas vezes a resposta é 'não, eu não quero ir' (risos). Mas as crianças trouxeram tamanha alegria para todos nós. Eu acho que isso nos inspirou, e nos fez mais felizes, então podemos ser ainda mais 'metal' (risos), se isso fizer sentido".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

A entrevista completa pode ser lida, em inglês, clicando aqui.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

In-Edit
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp


Metallica: Trujillo comenta diferentes personalidades dos músicos

11 de setembro: de Beatles a RATM, as músicas banidas das rádios americanas após atentado


Câncer na língua: entenda a doença de Bruce Dickinson


Sobre Douglas Morita

Douglas Morita acha que se existem constantes em sua vida, uma delas definitivamente é o Metallica. Fã da banda desde que se conhece por gente, criou o site Metallica Remains em 1998 e considera o grupo como sua principal - porém, obviamente, não única - influência musical. Além do Metallica, tenta ouvir de tudo um pouco, sem se limitar a estilos ou rótulos.

Mais matérias de Douglas Morita.