James Hetfield: "fico deprimido quando não pego a guitarra"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Douglas Morita, Fonte: Metallica Remains, Tradução
Enviar correções  |  Comentários  | 

Aaron Beck, do The Columbus Dispatch entrevistou em novembro de 2008 o guitarrista/vocalista do METALLICA, James Hetfield, que falou sobre sua relação com o instrumento, dentre outras coisas.

3055 acessosMetallica e Ozzy: a curiosa situação em que eles trocaram baixistas5000 acessosPreços: quanto custa para contratar a sua banda favorita

The Columbus Dispatch: Você vem fazendo isso desde que é um adolescente. Ainda consegue sair disposto fisica e mentalmente para tocar músicas do Metallica?

Hetfield: "Quando eu não pego a guitarra, eu fico deprimido. Quando estou em casa e começo a ficar pra baixo, minha esposa me fala: 'Bem, você não tem tocado guitarra há algumas semanas'. Então eu sento e toco. É minha arma; é meu pacificador; é meio que apenas escrever um riff e então me sentir bem comigo mesmo: 'Oh, sim! Eu ainda sou relevante!' Mas apenas usar amplificadores diferentes, guitarras diferentes - eu realmente acredito, encontrar uma guitarra antiga que pode custar algum tanto absurdo de dinheiro, você pega essa coisa, e há algo vivendo nela. Ela ainda tem riffs nela, e eu penso que eles são gratos por você ter a guitarra. Eu penso que as almas dessas guitarras falam".

The Columbus Dispatch: Você precisou estar no palco e cantar algumas vezes sem uma guitarra, mais notavelmente depois que você se queimou em Montreal no início dos anos 90. Como se sentiu?

Hetfield: "Foi uma merda. Você está lá e está cantando, mas muitas de nossas músicas tem trechos instrumentais bem longos e me sentia como 'O que eu estou fazendo aqui? Melhor ir para os bastidores, lavar roupa?' Você pode apenas ser um líder de torcida no máximo, e parece meio bobo. Eu não gostei. É meio que garantia de emprego quando se pode tocar guitarra e cantar".

The Columbus Dispatch: O que está em sua mente quando você sobe ao palco hoje versus, digamos, 1990?

Hetfield: "Nós ficamos bem inspirados quando vamos a sala de ensaio e fazemos uma jam juntos e talvez escrevemos um riff. Nós nos unimos dessa forma, e daí subimos ao palco. Eu não sei, ainda é questão de sermos nós contra eles [o público]; acho que hoje somos só nós. Antigamente, éramos nós contra eles: 'Vamos matá-los! Vamos esmagar isso!' Agora é mais 'Vamos lá e mostrar a eles nossa força e ver quantos fãs novos nós podemos contaminar com o Metallica e ver se eles voltam".

The Columbus Dispatch: Como ter filhos mudou sua forma de ver o trabalho?

Hetfield: "No começo, foi uma grande luta, eu sendo o primeiro a ter filhos e o baterista Lars (Ulrich) logo em seguida. Tentar separar as duas coisas foi difícil, sabe? 'Eu preciso arrumar tempo para a família', e isto não foi bem recebido. Então se tornou algo mais normal para nós. Nós temos que balancear essas duas coisas e fazê-las viver juntas. Nós precisamos fazer todos conhecer uns aos outros. Há realmente muito medo para as esposas - 'O que está rolando na estrada?' e 'Por que eles não querem que a gente saia?' As vezes é o que é, e algumas vezes é 'eu preciso do meu espaço'. Mas se você as convidar, algumas vezes a resposta é 'não, eu não quero ir' (risos). Mas as crianças trouxeram tamanha alegria para todos nós. Eu acho que isso nos inspirou, e nos fez mais felizes, então podemos ser ainda mais 'metal' (risos), se isso fizer sentido".

A entrevista completa pode ser lida, em inglês, clicando aqui.

Por que destacamos matérias antigas no Whiplash.Net?

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Metallica e OzzyMetallica e Ozzy
A curiosa situação em que eles trocaram baixistas

612 acessosMetallica: vídeo oficial de "Battery" ao vivo em Chicago0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Metallica"

James HetfieldJames Hetfield
Na nossa situação, não vamos tocar em qualquer lugar

Jason NewstedJason Newsted
Baixista explica por que acabou com o Newsted

MetallicaMetallica
James Hetfield conta com o disco preferido entre os primeiros

0 acessosTodas as matérias da seção Entrevistas0 acessosTodas as matérias sobre "Instrumentos"0 acessosTodas as matérias sobre "Metallica"

PreçosPreços
Quanto custa para contratar a sua banda favorita

Débil MetalDébil Metal
Quando os fãs assustam os ídolos

Corey TaylorCorey Taylor
Verdades sobre Joey Jordison e Jim Root

5000 acessosIron Maiden: Bruce Dickinson e sua preferência pelo Brasil5000 acessosO amor: 10 músicas para roqueiros apaixonados5000 acessosDream Theater: os segredos do álbum Octavarium2451 acessosPantera: bebê de sete meses agitando com "Cowboys From Hell"5000 acessosFotos de Infância: Steven Tyler, do Aerosmith5000 acessosMegadeth: Kiko Loureiro explica como as coisas funcionam na banda

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, nos links abaixo:

Post de 17 de setembro de 2012
Post de 28 de março de 2017

Sobre Douglas Morita

Douglas Morita acha que se existem constantes em sua vida, uma delas definitivamente é o Metallica. Fã da banda desde que se conhece por gente, criou o site Metallica Remains em 1998 e considera o grupo como sua principal - porém, obviamente, não única - influência musical. Além do Metallica, tenta ouvir de tudo um pouco, sem se limitar a estilos ou rótulos.

Mais matérias de Douglas Morita no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online