Max sobre Sepultura: "hoje eu faria diferente"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Luis Pavão, Fonte: Blabbermouth.net, Tradução
Enviar correções  |  Ver Acessos

A Artistdirect realizou em março de 2008 uma entrevista com Max Cavalera, que rasgou o verbo sobre sua relação com o irmão Igor, o SOULFLY, SEPULTURA e obviamente o novo trabalho do CAVALERA CONSPIRACY.

Black Sabbath: a passagem de Ian Gillan pela bandaBlack Sabbath: um Tony Iommi que você não conhecia

ARTISTdirect: Como foi o processo de criação para o CAVALERA CONSPIRACY?

Max: "Foi bem diferente, apenas porque estou tocando com o Igor [Cavalera, irmão de Max] de novo. Isso é um grande acontecimento. Nós passamos mais de uma década separados. Por dez anos nós não nos falamos ou vimos. Quando surgiu a idéia desse álbum eu fiquei muito empolgado. Então eu escrevi uma porção de letras e riffs. Eu queria fazer algo diferente do que eu fazia no SOULFLY. Eu gosto de ambos, mas o SOULFLY é mais experimental. Isso é Igor e eu voltando às raízes do Metal, Punk, Death Metal da merda que nós crescemos ouvindo. Eu apenas peguei onze músicas de Metal clássico e as gravei [risos]. Nós tínhamos boas pessoas trabalhando conosco: Marc Rizzo, meu guitarrista do SOULFLY, está na banda. Joe do GOJIRA, uma banda francesa que gosto muito, está no baixo. As pessoas tem falado muito sobre o disco, e eu estou muito feliz com o que fizemos".

ARTISTdirect: Escrever os riffs foi diferente? Esse álbum parece mais Thrash?

Max: "Não muito da minha parte, porque meus riffs são muito básicos. Eu nao consigo criar riffs de outro jeito. Eu toco 4 cordas, e não toco lead. Mesmo quando eu tento fazer algo diferente, o resultado sempre é aquele som do Max. É bom e ruim, eu acho. O que eu penso que mudou é que eu e Igor estamos juntos novamente. As músicas tem o estilo secreto de Max e Igor, que ninguém consegue descobrir - inclusive nós! Quando tocamos juntos, é algo bom que acontece. É muito especial. A parte brutal é super rápida, mas temos bons grooves também. Sendo do Brasil, nós dois usamos muito o groove e a percussão. São por esses motivos que eu acho que esse projeto difere do SOULFLY ou até mesmo do SEPULTURA. Nós estamos fazendo isso do jeito certo agora, e estamos interessados em todo o tipo diferente de músicas. Eu sempre deixo a música influenciar minhas merdas a todo momento. Eu não tenho medo de entender a nova música, Então eu acho que essa é a diferença. Está muito Thrash, como você disse. As pessoas também estão dizendo que é a merda mais pesada que eu já fiz. E eu me sinto bem com isso".

ARTISTdirect: Tem muito felling também. Vocês apenas foram a um estúdio e capturaram o que acontecia no momento.

Max: "É isso cara. É difícil de entender, mas minhas emoções foram realmente a fundo nesse álbum, porque eu voltei com meu irmão com o qual cresci. Por causa da música que gostamos tanto, nós não nos falamos por 10 anos. Nós ficamos separados por todo esse tempo. O álbum é brutal, e no meio dessa brutalidade há emoção. Foi um tempo fudido para mim e para o Igor, mas nós passamos por isso juntos. Nós somos irmãos. Isso dá para ver no disco. Então, eu estou feliz por isso. É definitivamente especial. Eu sempre vou gostar muito desse álbum, porque foi a primeira coisa que eu fiz com meu irmão em muito tempo".

ARTISTdirect: Você sente que sua ligação com o Igor está mais forte do que antes?

Max: "Sim, sim, porque nós superamos toda a merda que causou nossa separação na época. Se o que aconteceu em 1996 acontecesse hoje, eu honestamente teria lidado de modo diferente com a situação. Nós provavelmente não nos separaríamos. Entretanto, eu era mais novo. Foi uma época louca. Foi uma época brutal, envolvendo morte e um monte de coisas loucas. O SEPULTURA estava explodindo. Ao mesmo tempo minha família estava numa grande crise envolvendo a morte do meu afilhado, e eu realmente não consegui lidar com isso. Eu fiz as coisas do jeito errado, eu acho. Agora está tudo mais tranqüilo. Nós realmente nos gostamos como pessoas. Nós tentamos não deixar as merdas interferirem. Nós apenas vamos tocar juntos e sermos irmãos. Nós dois temos outros projetos, o que é uma coisa legal. Nós não estamos apenas no CONSPIRACY, eu estou no SOULFLY, e Igor esta no MIXHELL, o projeto de DJ dele. Tudo está realmente melhor agora".

ARTISTdirect: Esse álbum não foi realmente planejado, certo?

Max: "Não, e foi impressionante o tempo que levou. Todas as faixas de bateria do Igor foram gravadas em 10 dias. Então basicamente foi mais que uma música por dia, pois foram gravadas 13 canções. Existem onze no álbum, mas tem dois b-sides: um cover de 'Exorcist' do POSSESSED e uma outra música. Foi realmente rápido. O tempo foi realmente bem utilizado. Nós não ficamos desperdiçando muito o tempo. Alguém me disse que algumas músicas deveriam ter levado muito tempo para serem feitas, mas não levaram. Eu acho realmente legal que tenha acontecido dessa maneira. Nós queríamos fazer um álbum de metal centrado. Eu apenas quis fazer um bom álbum de Heavy Metal que você não precisasse pensar muito, mesmo que demorasse muito tempo para compor as faixas. Me deixa maluco sentir que certas músicas parecem que levaram meses para serem feitas. Algumas das mudanças de tempos são esquisitas e malucas. Essa foi a coisa que eu mais gostei da gravação, o jeito que ela saiu. O resultado surpreendeu até a mim".

ARTISTdirect: É um álbum que, como um fã, você pode ouvir várias vezes, e sempre achar algo diferente, porque vocês capturaram o som natural.

Max: "Eu espero que sim. Eu acho que esse foi o objetivo. Esse disco tem músicas que arrancam sua cabeça, e é bom por causa disso. Mas não é apenas isso, porque se fosse, você provavelmente enjoaria do álbum muito rápido. Existem canções mais elaboradas, e elas vão ficar com você por muito tempo. Eu acho que essa é uma boa fórmula. O NAILBOMB tem um pouco disso, e o 'Arise' do SEPULTURA também. Quando você escuta 'Arise' ouve uma música muito rápida, e daí surge 'Desperate Cry', que é uma canção mais lenta. Geralmente, fãs gostam primeiro de 'Arise', mas depois eles gostam de 'Desperate Cry'".

Leia a entrevista completa (em inglês) neste link.



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção EntrevistasTodas as matérias sobre "Sepultura"Todas as matérias sobre "Cavalera Conspiracy"


Guitarras: As mais icônicas do Rock - Parte 1Guitarras
As mais icônicas do Rock - Parte 1

Sepultura: Elóy Casagrande fala sobre a rotina da bandaSepultura
Elóy Casagrande fala sobre a rotina da banda


Black Sabbath: a passagem de Ian Gillan pela bandaBlack Sabbath
A passagem de Ian Gillan pela banda

Black Sabbath: um Tony Iommi que você não conheciaBlack Sabbath
Um Tony Iommi que você não conhecia


Sobre Luis Pavão

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, enviando sua descrição e link de uma foto.

Mais matérias de Luis Pavão no Whiplash.Net.

adWhipDin adWhipDin adWhipDin