Gamma Ray: "queríamos fazer um álbum mais alegre"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Rafael B. Neves, Fonte: Blabbermouth, Tradução
Enviar correções  |  Ver Acessos

Evil G, do site Metal-Rules.com recentemente conduziu uma entrevista com o frontman vocalista/ guitarrista do GAMMA RAY, Kai Hansen, que falou basicamente sobre o novo trabalho da banda.

Iron Maiden: "Tenho inveja dos fogos do Slipknot",diz BruceExcessos: como os rockstars gastam os seus milhões

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Metal-Rules.com: Bom, acredito que vamos começar conversando sobre, é claro, o novo álbum "Land of the Free part II". Eu estava pensando, e tenho certeza que várias pessoas já perguntaram isso e de várias maneiras, mas estava pensando se você pudesse me contar como o álbum tomou forma. O que aconteceu primeiro: vocês estavam escrevendo músicas e pensaram "ei, isso soa como 'Land of the Free'" ou foi algo que já havia sido decidido antes, ou seja, que vocês queriam fazer um "Land of the Free parte II" e daí já escreveram as músicas com essa intenção?

Kai Hansen: "Na verdade sim, foi mais ou menos como isso. Simplesmente chegou a hora em que tivemos que conversar sobre o novo álbum ou o álbum seguinte, e o fizemos, e todos concordamos com algumas coisas. Tínhamos a vontade de fazer algo que fosse mais alegre ou positivo. ' Majestic', de uma certa forma, foi bastante sinistro, ou talvez até mais agressivo. Queríamos fazer algo diferente novamente, e quando descrevemos a direção para o novo álbum, pensávamos em qual direção ou como ele poderia soar, e tudo estava saindo como 'Land of the Free'. Isto se tornou como uma diretriz. Tínhamos certeza que queríamos uma diretriz, um objetivo, para este álbum, de uma forte linha a seguir. Para não nos distanciarmos do nosso objetivo, enquanto escrevíamos as músicas sempre tínhamos o 'Land of the Free' para melhor descrevermos o que queríamos atingir. Então, um pouco mais tarde pensamos: vamos escrever 'Land of the Free II' ou pelo menos vamos tentar, vamos assumir isso como nossa diretriz. E se conseguirmos, poderemos realmente chama-lo de 'Land of the Free II'. Se não, daremos outro nome".

Metal-Rules.com: Deixando de lado as similaridades musicais, existe nas letras alguma conexão com a primeira parte?

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Kai Hansen: "Bem, existe sim algumas conexões. Você encontra algumas frases, algumas palavras, algumas partes da história novamente, se você pegar, por exemplo, a música 'Rebellion in Dreamland' que começa em um cenário bem específico. Algo como alguém sentado em algum lugar à beira do mar, conhecendo e ouvindo, de alguma forma, algumas vozes, sendo forçada a andar e fazer algo, ou coisas do tipo. Na segunda parte, a última música chama-se 'Insurrection' que começa e termina mais ou menos no mesmo cenário que 'Rebellion'. É assim, existem sim pequenas conexões, mas mesmo assim ainda um pouco diferente. Enquanto na primeira parte era tudo uma história, um personagem saindo numa viagem ou em busca de alguma coisa, agora é mais uma compilação de músicas que lidam com a liberdade de várias perspectivas".

Metal-Rules.com: No novo álbum existem algumas similaridades com as suas influências e mais notavelmente em uma parte em uma das faixas que relembra "Rhyme of the Anciente Mariner" (IRON MAIDEN), e acredito que esta foi uma pequena similaridade proposital.

Kai Hansen: "Bem, definitivamente tudo que soa um pouco como IRON MAIDEN nós fazemos como uma referencia a eles, você sabe, não importa como. Quando começamos com o HELLOWEEN no 'Walls of Jericho' as pessoas diziam que éramos um IRON MAIDEN mais veloz. E nunca nos importamos com isso. Porém o mais engraçado é que esta parte em 'Oportunity' este lick de baixo que Dirk (Schlachter, baixista) tem tocado desde não me lembro quando... uns sete ou oito anos... por muito, muito tempo e ele, obviamente conhece IRON MAIDEN, mas ele nunca soube nada sobre 'Rhyme of the Ancient Mariner', eu juro. Ele não conhecia. De qualquer forma, quando eu ouvia aquela linha de baixo que ele a tocava o tempo todo, eu disse: 'Porque você não coloca isso em alguma música como um riff de baixo... sempre falamos para você fazer isso' e ele dizia 'Yeah, pode ficar legal'. Ele tentou e funcionou, então coloquei alguns vocais e instintivamente,você sabe... dois acordes e uma levada de baixo... Quero dizer, o que você pode fazer? Como você pode não soar como MAIDEN, você entende o que quero dizer? Então forçamos isso ainda mais nessa direção, foi isso que aconteceu na verdade".

Para ler a entrevista completa em inglês acesse este link.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção EntrevistasTodas as matérias sobre "Gamma Ray"


Kai Hansen: escolhendo as dez maiores bandas de metal da AlemanhaKai Hansen
Escolhendo as dez maiores bandas de metal da Alemanha

Helloween: Jack O. Lantern não foi o primeiro mascote da banda?Helloween
Jack O. Lantern não foi o primeiro mascote da banda?


Iron Maiden: Tenho inveja dos fogos do Slipknot,diz BruceIron Maiden
"Tenho inveja dos fogos do Slipknot",diz Bruce

Excessos: como os rockstars gastam os seus milhõesExcessos
Como os rockstars gastam os seus milhões


Sobre Rafael B. Neves

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, enviando sua descrição e link de uma foto.

Cli336x280 CliIL Cli336x280 CliInline