Tarja Turunen comenta detalhes sobre novo CD

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Fabio Rondinelli, Tradução
Enviar correções  |  Comentários  | 

A ex-vocalista do NIGHTWISH, TARJA TURUNEN, postou a seguinte mensagem em seu novo blog.

1636 acessosTarja Turunen: trazendo novamente ao Brasil uma boa turnê solo5000 acessosMetal Brasileiro: 10 bandas recomendáveis fora o Sepultura

"Olá a todos!

Aqui estamos nos estúdios Gouse Lodge, na Irlanda.

Chegamos há 5 dias e desde então temos trabalhado nas músicas para o álbum.

O estúdio fica no interior, cercado de campos verdejantes e fazendas. É bem tranquilo e distante da cidade mais próxima. A única coisa que se ouve são os sons da natureza.

A residência construída por volta de 1700 tem um parque enorme com 4 casas de pedra, incluindo academia e piscina coberta. Todos os músicos, o produtor, engenheiros de som e pessoal da gravadora estão aqui. Mesmo tendo apenas 5 anos como estúdio de gravação, a Grouse Lodge já foi inspiração para artistas como Manic Street Preachers, Michael Jackson e R.E.M.

Acordamos cedo e trabalhamos até tarde da noite todos os dias.

Hoje, Daniel Pieper, agente da Universal Music alemã, fez uma entrevista comigo. Eis a primeira parte:

DP: Você mencionou em seu site que explicaria o nome do álbum. O que significa "My Winter Storm" ("Minha Tempestade de Inverno")?

Tarja: Há uma canção no álbum que diz:

My winter storm (Minha tempestade de inverno)
holding me awake (Me mantendo acordada)
it’s never gone (Nunca se vai)

Leva sempre algum tempo para que eu absorva as músicas novas, senti-las como minhas e descobrir um sentido para elas. Essa música não foi exceção. Li e reli esse trecho da letra até que ficasse bem claro para mim.

Uma tempestade de inverno é algo poderoso, mas ao mesmo tempo lindo. Como uma grande massa de energia. Eu vi as pessoas refletidas nesses versos. As pessoas que têm seguido e apoiado meus discos e minha carreira por tantos anos. Elas são a razão de eu estar aqui e definitivamente sinto que elas nunca me deixaram. Elas são minha tempestade de inverno.

Foi uma maneira muito poética e forte ao mesmo tempo de expressar uma imagem que está ligada ao lugar onde nasci: a Finlândia e seus longos invernos cheios de neve. Embora seja mais comum decidir o nome do álbum no final, achei a imagem geral de “My Winter Storm” tão forte que a escolhi como título desde o começo.

O engraçado é que a maneira como eu interpretei a letra dessa canção foi totalmente diferente da visão do autor. Quando falei com ele sobre isso, ficou muito impressionado com minha interpretação. Por essa razão eu decidi não explicar o sentido de quaisquer outras letras no disco. Quero que as pessoas tenham liberdade para criar suas próprias visões sobre as canções e a música que faço. Tenho certeza de que todos, incluindo eu mesma, terão opiniões diferentes e maneiras de visualizar o sentido em cada canção. Acredito que é assim que deva ser. Então quando estiver segurando uma cópia do disco em suas mãos, saiba que já faz grande parte dele."

DP: Quem compôs as músicas para o álbum?

Tarja: A gravadora entrou em contato com compositores do mundo todo. Ao mesmo tempo, muitos músicos espontaneamente me ofereceram suas canções.

Recebi centenas de músicas. Algumas delas escritas para mim, outras não. Pedi à gravadora que não me dissesse os nomes dos compositores, assim poderia ouvir as canções sem nenhum preconceito. Após selecioná-las, me disseram que alguns músicos MUITO importantes haviam escrito especialmente para mim, mas infelizmente suas músicas não alcançaram minha alma. De qualquer forma, quero agradecê-los profundamente por tudo.

Fiquei impressionada com a diversidade de belas melodias e letras nas canções que recebi. Fiquei ainda mais surpresa ao perceber que, por algum motivo, muitas pareciam ter relação entre si, embora escritas por diferentes compositores.

Nunca dizemos a ninguém sobre o que as canções devem ser. Nunca pedimos que sejam baladas ou músicas mais aceleradas. Tenho uma clara visão do som que quero para o meu álbum. Apenas preciso selecionar as canções que me tocaram por diferentes razões, aquelas que podem ser moldadas no som que espero apresentar. Eu já estava em contato com alguns dos compositores, trocando idéias sobre as músicas e letras que me enviaram, quando me sugeriram que houvesse uma reunião com todos eles por alguns dias.

Resumindo, tudo acabou em Ibiza. Uma bela ilha espanhola no Mar Mediterrâneo. Engraçado termos discutido as músicas de "My Winter Storm" numa praia ensolarada. Ficamos na ilha por mais tempo do que previmos, com um grupo internacional de gente doida e criativa da Finlândia, Alemanha, EUA, Noruega, Irlanda e Suécia. Foi mágico! Minhas expectativas sobre a ilha mudaram totalmente quando estive lá. Imaginei pessoas fazendo raves e dançando o dia inteiro, mas ao invés disso encontrei praias belas e quase isoladas, lugares tranquilos e grande hospitalidade do povo local.

Era um ambiente inspirador. No começo, discutimos com os compositores sobre as canções que já tínhamos e logo em seguida começamos a criar músicas novas juntos. Foi uma semana intensa e criativa. Adicionei melodias vocais em algumas faixas e letras em outras. No fim das contas, co-escrevi seis novas canções em Ibiza!

Eu e o produtor do disco, que também estava na ilha, adoramos tanto a atmosfera que estamos planejando retornar a Ibiza para gravar os vocais do álbum.

DP: Pode nos dizer algo sobre os músicos que estarão no álbum?

Tarja: Eu sabia desde o começo que precisávamos de músicos talentosos, capazes de tocar diferentes estilos ao mesmo tempo, que soassem como um time. Queria que os músicos adicionassem seu toque pessoal às canções. Cada um deles é um profissional absoluto. Suas preferências musicais são diferentes, o que torna nossa combinação muito rica e única.

Torsten Stenzel foi o último a juntar-se a nós. Ele é o tecladista e programador em algumas faixas. Entrei em contato com ele após escolher a música que ele havia me mandado. Ele também foi o motivo de reunir todos compositores em Ibiza, já que mora lá. Torsten sugeriu que fôssemos à ilha, e estava absolutamente certo! Ele trabalhou no campo da dance music por muitos anos, fazendo também remixes e discotecagem. Ele trabalhou com grandes artistas, como Nelly Furtado, Chris Rea, Moby, Tina Turner e Vanessa Mae. Fiquei feliz em conhecê-lo. Ele é um alemão imune a estress morando numa ilha. Após alguns dias, estava realmente impressionada com seu trabalho e personalidade. Compusemos duas músicas juntos e foi uma experiência maravilhosa para mim. Antes de partir, o convidei para gravar o disco e ele aceitou.

Earl Harvin nasceu em New Jersey. O descobri em janeiro passado na Argentina. Estava de folga em Pinamar e Seal se apresentou a céu aberto na cidade. O show foi ótimo! Seal é um excelente artista e eu adorei a noite. Mas o que realmente me chamou a atenção foi o incrível groove de Earl por trás da bateria. A impressão foi tamanha que eu passei a maior parte do show o observando. Por muitas vezes procurei se não havia algum outro baterista escondido ali! Um só homem tocando daquele jeito. Ele tem musicalidade e talento impressionantes. Embora ele tocasse canções pop, você podia notar suas influências de jazz, mas principalmente, ele detona! Soube naquele momento que o queria para o disco. Com sorte, consegui entrar em contato com ele, que agora está aqui conosco gravando "My Winter Storm". Além de uma longa colaboração com Seal, Earl tocou também com a banda Air e os Pet Shop Boys, só pra citar alguns.

Tenho uma clara visão de que as guitarras terão papel importante no meu álbum. Estava procurando por um som profundo e maciço. O produtor Daniel Presley sugeriu que eu conferisse o guitarrista Alexander Scholpp, da banda alemã Farmer Boys. Ele traz os elementos rock/heavy para o time. Foi o primeiro a juntar-se a nós, mas eu só cheguei a conhecê-lo no estúdio. Provavelmente por causa de nossos históricos semelhantes, foi muito rápido e fácil entendermos um ao outro.

O álbum em geral terá uma atmosfera sombria. É muito importante para mim ter um baixista que possa manipular o instrumento, independente dos propósitos rítmicos de sempre. E Doug Wimbish é perfeito para isso! Ele é conhecido como parte do Living Colour, mas também trabalhou com Any Lennox, Joe Satriani, Jeff Beck, Madonna e Rolling Stones. Doug está trazendo para as gravações a sua levada de funk e uma caixinha de surpresas que inclui mais de 13 pedais!

Todos esses músicos têm a música dentro deles. É uma mágica mistura de personalidade e estilos adicionadas ao meu lado clássico. Uma química especial que está levando as músicas a um nível diferente que nunca experimentei antes. Estou muito feliz em ter todos eles no Grouse Lodge.

Isso é tudo por enquanto. Logo estarei de volta aos Blogs.

Com amor, Tarja".

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Tarja TurunenTarja Turunen
Trazendo novamente ao Brasil uma boa turnê solo

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Nightwish"

Metal sinfônicoMetal sinfônico
Os 10 melhores segundo o TeamRock

NightwishNightwish
Anette: "Fiz um trabalho dos infernos nessa banda!"

CinemaCinema
As melhores músicas de Rock/Metal em filmes de terror

0 acessosTodas as matérias da seção Entrevistas0 acessosTodas as matérias sobre "Nightwish"0 acessosTodas as matérias sobre "Tarja Turunen"

Metal BrasileiroMetal Brasileiro
10 bandas recomendáveis fora o Sepultura

Angra e DetonatorAngra e Detonator
"Sem nenhuma dúvida, esse cara comprou a mídia!"

Planet RockPlanet Rock
Os 40 melhores álbuns ao vivo de todos os tempos

5000 acessosSlayer: Gary Holt é realmente um cara mal-agradecido5000 acessosMorreu Dormindo: as últimas horas de vida de Lemmy Kilmister5000 acessosVocalista: dez razões pelas quais os demais integrantes o odeiam5000 acessosCorey Taylor: lesão cervical foi 20 vezes pior que em lutadores do UFC5000 acessosTeenage Time Killer: Grohl, Taylor, Biafra, Cavalera, Oliveri...5000 acessosNa teoria: e se Bruce defendesse Ozzy em questão judicial?

Sobre Fabio Rondinelli

É paulistano e tem 22 anos. Há cerca de uma década conheceu o Rock através de Aerosmith e The Offspring. Um pouco depois, com uma ajudinha básica do Iron Maiden, descobriu o Metal e seus derivados. Hoje é devoto de ambos e aprecia bandas das mais diversas vertentes: de Beatles, Queen e Pink Floyd, passando por Engenheiros do Hawaii e Radiohead, até Angra, Blind Guardian e System of a Down. Visita o Whiplash faz alguns anos e certo dia resolveu traduzir algumas notícias para o site.

Mais matérias de Fabio Rondinelli no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online