Stratovarius: "Estou feliz de estarmos de volta e com um ótimo CD!"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Rafael Carnovale
Enviar correções  |  Ver Acessos

Não há como negar que é uma surpresa que o Stratovarius tenha conseguido se levantar de todos os tombos que a banda sofreu em 2003 e 2004. As crises de Timo Tolkki, a saída de Timo Kotipelto e Jorg Michael, o incidente de Tolkki na Espanha (quando foi esfaqueado por um fã mais afoito) e sua internação com problemas psicológicos anunciavam um fim trágico para a banda. Mas os membros conseguiram se reunir, Tolkki está aprendendo a controlar sua doença e eis que o Strato surge com um novo CD, auto-entitulado, respirando fundo e se preparando para uma nova turnê.

Heavy Metal: os 10 melhores solos de guitarra de todos os temposMetallica: Hetfield elege as suas dez músicas favoritas

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Não fosse todos os problemas, o baixista Jarí Kalaiunen, que sempre foi um cara quieto (tanto no palco como fora dele) resolveu pedir as contas. Para esclarecer tal fato e dar detalhes sobre o novo CD e turnê, que se inicia em Agosto na América do Sul (passando pelo Brasil entre os dias 27 e 31), o batera Jorg Michael conversou com o Whiplash. E de cara já fomos falando sobre a saída de Jarí.

Whiplash! - Jorg, vamos começar falando sobre a saída repentina do baixista Jari Kalaiunen. Eu gostaria que você falasse sobre esse assunto, já que Jarí teve uma de suas melhores "performances" neste novo CD.

Jorg Michael - Jari sempre foi um cara bem calmo e tranqüilo. Mesmo nos momentos mais complicados que envolveram a banda ele ficou sempre na dele, sem se manifestar ou dar opiniões. Mas desde que resolvemos voltar com a formação original ele não foi mais o mesmo. Seu entusiasmo praticamente se extinguiu. Estava conosco nas fotos, nas gravações, mas não parecia mais interessado. E para piorar as coisas ele nos disse que não estava muito a fim de excursionar, o que nos deixou muito chateados. Timo Tolkki decidiu que ele deveria sair da banda, e todos concordamos, pois não havia como manter esta situação. O próprio Jari concordou que, após 10 anos de Stratovarius, era hora de parar. E assim ele saiu.

Whiplash! - E o que você pode nos adiantar sobre o novo baixista?

Jorg Michael - Escolhemos Lauri Porra, baixista da banda solo de Timo Kotipelto (e ex-Sinergy). Estamos muito satisfeitos com ele, mas ainda estamos na fase de nos conhecermos na estrada e nos shows, pois deixamos bem claro para ele que não queremos um funcionário ou um baixista contratado. Queremos um membro 100% dentro da banda, com os mesmos direitos e deveres. Mas sei que ele está muito satisfeito e estamos vivendo um grande momento.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Whiplash! - Eu conversei com Jens Johansson (tecladista) durante o festival brasileiro "Rock the Planet", em outubro de 2004, quando o mesmo veio como integrante da banda solo de Kotipelto. Ele me confidenciou que tudo que deveria ser conversado entre Tolkki e Kotipelto já havia sido conversado e que as coisas iriam acontecer no decorrer dos meses. A que ponto a reunião já estava confirmada naquele momento?


Jorg Michael - Em outubro? Já havia um bom horizonte definido. Devemos antes lembrar que Timo assumiu a todos nós que estava doente, que realmente tinha problemas e que estes haviam influenciado em muito algumas atitudes que ele tomou nos últimos meses. Quando começamos a falar sobre o retorno da formação clássica, ele abriu seu coração para nós. E isso foi muito importante. Timo Kotipelto compreendeu e aceitou (pelo menos em parte) algumas das coisas que Tolkki disse em público, e esse foi o primeiro passo. Quando soubemos da internação de Tolkki, entendemos então que o problema era sério mesmo, e que poderíamos ajudá-lo e resgatar os melhores momentos que passamos juntos no Stratovarius. Foi um bom recomeço.

Whiplash! - E a vocalista que Tolkki anunciou como substituta de Kotipelto, chamada de Miss K (Kattarina Witalla)? Você chegou a conhecer ou sequer ensaiar com ela?

Jorg Michael - Não toquei com ela, mas tive a chance de conversar. Ela é uma pessoa bem legal, e talvez uma das grandes vítimas dessa história toda. Ela imaginava estar entrando numa superbanda, e as músicas com ela, pelo menos as "demos" que pude ouvir, soaram estranhas. Mesmo que ela entrasse definitivamente na banda não haveria continuidade para o Stratovarius.

Whiplash! - Durante este período confuso, Tolkki anunciou aos quatro cantos que escrevera um álbum sensacional chamado "Popkiller". Vocês usaram algo deste suposto CD para "Stratovarius"?

Jorg Michael - Usamos. Este seria um grande CD, a prova que Tolkki é um gênio na arte da composição. Algumas músicas eram matadoras, e ficaram ainda mais fantásticas quando pudemos ensaiar com a banda toda, e dar a elas a sua forma definitiva. Mas Tolkki já havia começado uma obra formidável.


Whiplash! - Vamos falar agora sobre "Stratovarius". Este CD é bem diferente do estilo usual que a banda vinha apresentando. Como isso ocorreu?

Jorg Michael - Era hora de mudar. Nas duas partes de "Elements" chegamos ao nosso limite com este estilo pomposo e orquestrado. Precisávamos nos recriar, e essa volta as raízes foi bem-vinda. Um bom exemplo de quanto estávamos pomposos era "Find Your Own Voice" (música de "Elements II"). Gosto da música, mas chegou num ponto que precisávamos de algo diferente. E o novo CD nos trouxe essa perspectiva. Voltamos para músicas mais retas e diretas, como fizemos em "Speed of Light" (do CD "Episode"). Não foi algo planejado, apenas surgiu. Posso fazer uma analogia desta situação para a que ocorreu com o Queensryche quando lançaram "Empire", sucedendo o maravilhoso "Operation Mindcrime". Havia a necessidade de mudar, e isso aconteceu.

Whiplash! - "Maniac Dance" apresenta alguns "riffs" bem pesados que me lembraram o Metallica (da era "Load"). O que você pode nos falar sobre esta música e porque a escolheram para ser o primeiro "single"?

Jorg Michael - Tolkki sugeriu e aprovamos de imediato. É uma música muito intensa e a letra é bem pessoal dele, relatando parte da situação que viveu. Quanto à comparação com Metallica eu concordo. É uma grande banda, e algumas passagens de fato remetem a ela. A atmosfera desta música é sensacional.

Whiplash! - E "Fight!!!" possui alguns elementos do chamado "British Hard Rock"`. Sei que Tolkki escreveu boa parte do material, mas qual foi a influência dos outros membros no resultado final?

Jorg Michael - "British Hard Rock"? Gostei (risos) . Tolkki escreveu quase tudo neste cd, mas a marca da banda e a contribuição de todos os membros vieram nos ensaios, em tudo. Mudamos e adequamos o que foi necessário para que soasse como uma obra do Stratovarius.

Whiplash! - Como foi gravar com Tolkki após todos os problemas? Como ele está nesse momento?

Jorg Michael - Bom... de fato tivemos que ter muito tato ao trabalhar com Tolkki, pois sabíamos que ele tinha um problema, mas também não era nosso desejo ficar tratando o cara como se ele fosse um doente. Procuramos observar suas reações e ele mesmo se mostrou bem cuidadoso. Agora estamos começando a excursionar, e será um período muito importante para todos, afinal Tolkki estará enfrentando a galera pela primeira vez. Mas ele mesmo mal pode esperar para subir no palco, estamos com um grande baixista na banda e o "feeling" está sensacional.

Whiplash! - Como têm sido as respostas dos fãs, as mensagens e e-mails?

Jorg Michael - Muito positivas... quero agradecer à todos que enviaram mensagens de estímulo e apoio a todos nós, do fundo do coração. Prometo que faremos shows energéticos e poderosos.

Whiplash! - Kotipelto está cantando em tons mais graves do que de costume. Você acha que seu trabalho solo foi determinante para sua "performance" no novo CD?

Jorg Michael - Definitivamente. Ele estava bem mais relaxado. Depois de tudo o que ocorreu ele pode entender as ações de Tolkki e tentar voltar a trabalhar com ele. O resultado foi bem espontâneo e os dois agora conseguem ter um bom relacionamento.

Whiplash! - Mesmo com todas as mudanças ocorridas musicalmente, "Gypsy in Me" ainda nos remete ao velho "power/speed metal" praticado nos CD's anteriores. Como não perder sua identidade com tantas mudanças?

Jorg Michael - Mesmo que tenhamos feito algumas músicas diferentes de nosso estilo habitual, nossa marca registrada continua na emoção, na energia que passamos. É a mesma música, com uma roupagem nova, mas é Stratovarius de qualquer jeito. Tínhamos a mesma visão musical de outros tempos, e isso não muda.

Whiplash! - A Sanctuary Music, gravadora do Stratovarius, não se sentiu confortável com "Gotterdammrung (Zenith of Power)" e esta quase não entrou no CD. O que de fato aconteceu?

Jorg Michael - Tolkki inicialmente deu a esta música o nome de "Hitler". Eu e nosso "manager" vimos que isso poderia provocar muita controvérsia e confusão. Nosso selo não queria que a música entrasse no CD. Não por seu conteúdo, porque a mesma é totalmente contra nazismo, mas pelo título, que poderia ser mal-interpretado, principalmente na Alemanha. Conversamos com Tolkki que entendeu nossos argumentos, e mudou o nome. "Gotterdammrung" significa "Queda dos Deuses", e expressava com exatidão o que Tolkki queria passar. Conseguimos acabar com a "vibe" negativa que pairava sobre essa canção.

Whiplash! - Já que as letras são bem pessoais, você poderia descrever algumas delas, em poucas palavras?

Jorg Michael - Bem... não escrevi nenhuma letra, mas posso falar sobre isso.

Whiplash! - "Maniac Dance".

Jorg Michael - A doença de Tolkki.

Whiplash! - "Fight!!!".

Jorg Michael - Toda a história envolvendo Tolkki e o Stratovarius.

Whiplash! - "Back To Madness".

Jorg Michael - O período que Tolkki passou no hospital.

Whiplash! - "Land Of Ice And Snow.

Jorg Michael - Sobre a Finlândia e seu povo.

Whiplash! - "Gyspsy In Me.

Jorg Michael - Não leve isso tão a sério (risos).

Whiplash! - Mas esta música não cita o episódio em que Tolkki se descobriu um estudioso da Khaballah?

Jorg Michael - Sinceramente... Tolkki disse muita merda nesses meses em que esteve em crise. Não vamos levar isso a sério (risos).

Whiplash! - Neste tempo em que a banda esteve inativa você entrou no Saxon, gravando o excelente "Lionheart" e excursionando com a banda. Você ainda tem planos de tocar com eles?

Jorg Michael - Devo dizer que foi uma honra e um sonho realizado pode tocar com eles. Fizemos shows fantásticos, um CD memorável e só não tocamos no Brasil devido ao incêndio na casa de Biff (Byford, vocalista). Fiquei muito feliz com isso. De fato estou tentado a continuar com eles, e ao mesmo tempo me sinto muito ligado ao Stratovarius, por tudo o que aconteceu. No momento procuro nem pensar no assunto, focando minhas energias para os shows que iremos fazer, mas certamente uma hora terei que escolher. Esse será meu dilema.

Whiplash! - A turnê terá seu início em solo sul-americano, justamente aonde a última turnê da banda terminou, em 2003. O que você espera destes primeiros shows?

Jorg Michael - Pela primeira vez vou responder não sei! (risos). Os brasileiros são fantásticos, mas não sabemos ainda como as novas músicas e a nova postura soarão perante a galera. Só posso prometer que sermos o mais honestos e sinceros, e não vou falar o quão estamos ansiosos.

Whiplash! - Jorg, obrigado pela entrevista. Este espaço é seu para deixar uma mensagem aos fãs do Stratovarius e aos visitantes do WHIPLASH! Rocksite.

Jorg Michael - Estou muito feliz de poder mandar essa mensagem para vocês. Estou feliz de estarmos de volta e com um ótimo cd para apresentar. Nos vemos em Agosto.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção EntrevistasTodas as matérias sobre "Stratovarius"


Timo Tolkki: fãs da banda cearense Fireline o acusam de plágioTimo Tolkki
Fãs da banda cearense Fireline o acusam de plágio

Stratovarius: em turnê pelo Brasil, guitarrista reclama da cerveja localStratovarius
Em turnê pelo Brasil, guitarrista reclama da cerveja local


Heavy Metal: os 10 melhores solos de guitarra de todos os temposHeavy Metal
Os 10 melhores solos de guitarra de todos os tempos

Metallica: Hetfield elege as suas dez músicas favoritasMetallica
Hetfield elege as suas dez músicas favoritas


Sobre Rafael Carnovale

Nascido em 1974, atualmente funcionário público do estado do Rio de Janeiro, fã de punk rock, heavy metal, hard-core e da boa música. Curte tantas bandas e estilos que ainda não consegue fazer um TOP10 que dure mais de 10 minutos. Na Whiplash desde 2001, segue escrevendo alguns desatinos que alguns lêem, outros não... mas fazer o que?

Mais matérias de Rafael Carnovale no Whiplash.Net.

Cli336x280 CliIL Cli336x280 CliInline