Claustrofobia: Podemos perceber o quanto o metal significa

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Enviar correções  |  Ver Acessos


Formado por Marcus (guitarra-vocal), Alexandre (guitarra), Daniel (baixo) e Caio (bateria), o Claustrofobia chega arrebentando as estruturas do som pesado no Brasil com o lançamento do seu primeiro CD, que traz fúria, ódio e peso ao extremo, distribuídos em dez músicas que espelham o verdadeiro thrash metal. Tendo conseguido ótima aceitação, a banda se encontra na luta underground desde 1994, tendo passado por inevitáveis mudanças na sua formação. As coisas estão indo tão bem para o Claustrofobia que a edição do Fúria MTV do dia 29-10-00 exibiu uma programação de aproximadamente 30 minutos só com a banda; além de músicas ao vivo, houve entrevista e escolha de clips das bandas mais influentes para esta galera invocada. Enfim, se você é um daqueles que quer peso bruto, bateria avassaladora, vocal urrado e guitarras pesadas, confie nessa banda. Nesta entrevista, concedida por todos os músicos, podemos perceber o quanto o metal significa para o Claustrofobia. Confira!

Axl Rose: Afinal de contas, o que houve com sua voz?Humor: Ser prog metal é mais que saber tocar em modo frígio

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Por André Toral

WHIPLASH - Conte-nos um pouco da história do Claustrofobia.

Claustrofobia / A banda começou em 1994 na cidade de Leme (interior de SP), com o objetivo de fazer composições próprias e crescer no cenário do metal. Depois de algumas formações a banda se estruturou em 1996 e se mantém a mesma nos dias de hoje.

WHIPLASH - O que o primeiro CD representa para a banda e o público banger em geral?

Claustrofobia / Graças a DESTROYER, que resolveu dar essa oportunidade para a banda, esse primeiro CD foi fruto de muito trabalho, seriedade, dedicação e amor ao metal. Quanto ao público, a receptividade está sendo melhor do que esperávamos; quem for verdadeiro vai respeitar nosso trabalho mesmo não curtindo o estilo.

WHIPLASH - Para a produção do primeiro CD, o Claustrofobia trabalhou com Marcello Pompeu (Korzus) e o resultado ficou excelente. Vocês pensam que é importante contar com pessoas que sejam "do ramo"?

Claustrofobia / Totalmente, porque são pessoas que estão dentro do metal há muitos anos e conhecem muito bem o estilo.

WHIPLASH - Existe muito thrash, fúria e peso. Como o Claustrofobia chegou ao ponto de ter, finalmente, captado toda essa essência?

Claustrofobia / Curtindo as bandas verdadeiras do metal e muita dedicação ao som pesado, que para nós é uma "arte" e está no sangue.

WHIPLASH - As letras abordam problemas sociais, como em "Pivete", "Old World", "Terror and Chaos", "Tabaco", etc. De que forma houve a ligação entre este fato e a fúria contida no CD?

Claustrofobia / Nossas letras abordam tudo o que há de podre nesse mundo e por isso aproveitamos para mostrar nossa revolta, que já nasce dentro de todos nós. É só você assistir a um telejornal que todos vão saber do que estamos falando e pensando.

WHIPLASH - Aliás, a letra de "Tabaco" diz: "Um antes e um depois do jantar - Se pelo menos desse alguma loucura - Valia a pena gastar". Isso já gerou algum tipo de entendimento distorcido por parte de fãs ou mídia?

Claustrofobia / Cada um interpreta do jeito que quiser...

WHIPLASH - "Selva Urbana", considerando todos os grandes centros, seria uma referência exata a São Paulo?

Claustrofobia / Para nós é uma referência a São Paulo pelo fato de vivermos aqui, mas serve para todas as cidades que se encaixam no tema.

WHIPLASH - Não é muito fácil identificar influências da banda no CD. Diga-nos quais são.

Claustrofobia / Todas as bandas clássicas do metal: Slayer, Iron Maiden, Pantera, Sepultura, Metallica das antigas, Napalm Death, Cannibal Corpse, etc., mas cada um também possui influências pessoais de outros estilos.

WHIPLASH - Junto com o Claustrofobia temos o Andralls, Dust From Misery, Noisekiller e Panzer, destilando uma metal vigoroso e pesado. No Brasil, onde no momento temos muitos estilos infiltrados, o thrash está retornando com força para o topo?

Claustrofobia / Se depender do Claustrofobia, com certeza isso vai acontecer, apesar de que para nós nunca saiu do topo.

WHIPLASH - Como vem sendo a aceitação para o CD do Claustrofobia?

Claustrofobia / A aceitação tem sido muito boa por parte dos headbangers, e mesmo quem não curte está respeitando.

WHIPLASH - Em um show da banda, após os primeiros acordes, o que pode ser presenciado no ambiente?

Claustrofobia / Desgraceira total (no bom sentido).

WHIPLASH - Quais as músicas do CD que mais se destacam ao vivo?

Claustrofobia / Terror and Chaos, Be Buried Alive e Victims of Cowardly, mas sem descartar as demais.

WHIPLASH - Se no Brasil o underground não está na mídia, que tipo de dificuldades freqüentes ocorrem com a banda ao querer se divulgar?

Claustrofobia / Todas as dificuldades possíveis, pois no Brasil não há apoio para as bandas de metal.

WHIPLASH - Existem novidades na divulgação da banda, a nível nacional e internacional?

Claustrofobia / A gente procura fazer todo contato possível, mesmo não tendo retorno esperado.

WHIPLASH - E sobre o site da banda?

Claustrofobia / Já temos um site: http://run.to/claustrofobia

E-mail: claustrofobia@bol.com.br

Caixa Postal: 16.392

CEP 02599-970 São Paulo-SP

WHIPLASH - Por favor, deixem uma mensagem aos leitores desta entrevista.

Claustrofobia / Muito metal na veia e paga-pau não tem vez! A Whiplash! obrigado pela oportunidade, e que vocês continuem esse tipo de trabalho, que é importante para as bandas e o crescimento do underground nacional.

Para acessar o site oficial da banda: http:--run.to-claustrofobia

Para contactar a banda: claustrofobia@bol.com.br




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Todas as matérias da seção EntrevistasTodas as matérias sobre "Claustrofobia"


Death Metal: mais cinco álbuns nacionais que você deve escutarDeath Metal
Mais cinco álbuns nacionais que você deve escutar


Axl Rose: Afinal de contas, o que houve com sua voz?Axl Rose
Afinal de contas, o que houve com sua voz?

Humor: Ser prog metal é mais que saber tocar em modo frígioHumor
Ser prog metal é mais que saber tocar em modo frígio


adClio336|adClio336