Roland Grapow - Entrevista exclusiva com o guitarrista do Helloween.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Enviar Correções  

Conversamos com o guitarrista Roland Grapow, que esteve recentemente se apresentando em São Paulo juntamente com o Gamma Ray. Nesta entrevista, abordamos vários temas ligados ao próprio Helloween, sem se esquecer, é claro, da magnífica carreira solo da qual Roland dispõe.

publicidade

Entrevista concedida a André Toral e Mário Del Nunzio

Tradução por Mário Del Nunzio

Whiplash! / Você é bastante fã do material antigo do Helloween, certo? Qual sua opinião sobre a banda antes e depois de sua entrada ?

Roland Grapow / Decerto apreciava bastante o material antigo do Helloween. Meu álbum favorito é o "Keeper Of The Seven Keys Part 2". Depois que entrei na banda, ela mudou bastante e precisávamos achar uma nova direção musical para o Helloween, não foi culpa minha termos testado tantos novos direcionamentos e a banda não estar perfeitamente entrosada. Agora que temos Andi e Uli na banda, sabemos que direção tomar e as pessoas ainda nos amam.

publicidade

Whiplash! / O Helloween tem mudado de um álbum para o outro. Você concorda que "The Time of the Oath" é o único que se assemelhou ao estilo dos "Keepers"?

Grapow / Não sei a razão, mas é natural para nós. Apenas queríamos ser como Helloween, e é isso. Somos o Helloween. "Better Than Raw" é um álbum um pouco mais moderno, e gostamos de ter desafios de CD para CD. "Time of the Oath" é o último disco com o som antigo do Helloween. E já espero pelo próximo. Ninguém precisa de 10 discos do Helloween soando como os "Keepers...".

publicidade

Whiplash! / No "Better Than Raw" aconteceram algumas mudanças na sonoridade da banda. Enquanto vocês fazem heavy metal, é fácil conceber canções como "Time" e "Hey Lord"?

Grapow / Sim, já disse isso sobre o "Better Than Raw" e é claro que ainda amamos heavy metal e por isso tocamos. E é muito fácil escrever canções como "Time" e "Hey Lord", pois todos temos bases e conhecimentos melódicos.

publicidade

Whiplash! / Como é a relação do Helloween em estúdio? Vocês já entram com tudo pronto, ou ainda experimentam algo e pensam algo como: "Já fizemos tanto, o que podemos fazer agora?" ?

Grapow / Ambas [situações] aconteceram nas seções do "Better Than Raw". 85% já estava escrito, e trabalhamos como uma banda no material o máximo possível no processo de ensaios. Mas no estúdio às vezes dá para ter um ponto de vista mais amplo sobre o material, e o produtor ajuda às vezes. Assim, trabalhamos na maior parte do tempo.

publicidade

Whiplash! / Analisando agora, alguns anos depois de seu lançamento, o que pensa do "High Live"? Gostaria de mudar algo no álbum?

Grapow / Não sei, realmente. Os únicos álbuns ao vivo que aprecio mesmo são "Made In Japan" do Deep Purple e o "Live" do Grand Funk Railroad. É sempre difícil ter a vibração [de um show] num álbum, que você teve ao vivo na frente de milhares de pessoas. Nunca poderão colocar isso em fita.

publicidade

Whiplash! / Considerando que o Helloween tem muitos fãs bastante jovens, você acha que deve apresentar a eles as origens do rock com "Metal Jukebox"?

Grapow / Acho que mesmo pessoas jovens sabem quem são nossas influências. Quando era pequeno também chequei as influências de meus ídolos e achei interessantes, mesmo às vezes não podendo ter o mesmo sentimento. Agora estamos na situação de "professores", e gosto disso. Acredito tratar-se de algo positivo.

publicidade

Whiplash! / Você tem conhecimento sobre canto. Quais você pensa que são as diferenças entre Andi Deris e Michael Kiste para o Helloween?

Grapow / Ambos são totalmente diferentes. Como pessoas e amigos, mas devo me concentrar só na música. Acho Michael [Kiske] infável no início de sua carreira, e ele foi uma das razões para o Helloween ter tanto sucesso. Era excepcional como cantor e no palco. Andi [Deris] é muito melhor para o Helloween agora. Com sua voz podemos também escrever músicas diferentes e tomar direções diferentes, tornou-se mais fácil. Ele é mais fácil de se trabalhar, um ótimo indivíduo e amigo.

Whiplash! / Ainda com essas comparações, como seria comparar Uli Kusch a Ingo Schwitzemberg?

Grapow / Ingo era ótimo e tinha um estilo único. Muitos bateristas o seguiram. Acredito que ele criou esse estilo de tocar. Gostava muito de seu som de bateria, e por isso possuo seu set de bateria da Sonor que pode ser ouvido no "Kaleidoscope" tocado por Mike Terrana. Uli é mais técnico, ótimo também, seu estilo é mais variável e ele é uma ótima pessoa.

Whiplash! / Quais você acha as maiores virtudes de sua pareceria com Michael Weikath? E como você compararia seu estilo ao de Kai Hansen?

Grapow / Acho um prazer tocar com Weiki [Michael Wikath], e ele é a única razão para eu continuar no negócio. Amo esse cara! Serei eternamente grato pela chance que ele me deu. Ele sempre confiou em mim, mesmo agora que tenho uma carreira solo além do Helloween. Obrigado Weiki! Sobre Kai, ele é um ótimo cara também, e nos divertimos bastante na turnê que fizemos. Me senti muito bem com os caras do Gamma Ray. Acho meu estilo completamente do de Kai e isso é importante para mim. Se você tem uma banda com dois guitarristas, acho importante ouvir uma diferença entre os dois no disco. Nunca ouvi diferenças no Gamma Ray ou nos discos antigos do Helloween, não sei quem faz cada solo. Mas, não me entenda mal, ele é um ótimo guitarrista.

Whiplash! / Nos seus discos solo, você é responsável por todas as composições, arranjos, etc., enquanto no Helloween, há 5 músicos compondo. O que é mais confortável? Por quê?

Grapow / É mais fácil um disco solo, pois ninguém discutirá suas estruturas musicais, e todas as idéias podem ser executadas. Mas é menos trabalhoso com o Helloween, pois há cinco pessoas juntas. Então sinto-me mais relaxado no Helloween, pois sou apenas uma parte. E não faço tantas entrevistas para o Helloween [risos].

Whiplash! / Se você tivesse que decidir hoje, qual seria a sonoridade do novo álbum do Helloween?

Grapow / Bastante agressivo, mas ainda melódico. Uma balada, talvez uma música bastante moderna e uma bastante pesada. Mas sempre mantemos o estilo do Helloween rápido e melódico. No geral, apenas um bom álbum.

Whiplash! / Você gostaria de tocar com Michael Kiske atualmente? Qual sua opinião em relação a "Chamaleon" e "Pink Bubbles Go Ape"? Já escutou os discos solos de Kiske?

Grapow / Não recusaria trabalhar com ele, mas não acho que isso acontecerá. Então, por que perguntar? Bem, eu gosto dos álbuns "Pink Bubbles" e "Chamaleon". Foram bastante importantes para a banda e para mim. Gosto deles. Os processos de trabalho para tais discos foram desagradabilíssimos. Tivemos muitos conflitos e problemas. Esqueçamos isso. Tenho o primeiro disco solo do Michael [Kiske], mas não quero comentar, sou um músico e não um crítico, e quero respeitá-lo.

Whiplash! / Recentemente você lançou seu segundo disco solo, "Kaleidoscope", com participações de músicos extraordinários como Mike Terrana e Michael Vescera. Como foi trabalhar com tais músicos? Você pretende novamente trabalhar com eles, considerando que todos têm outras bandas e projetos?

Grapow / Foi muito prazeroso trabalhar com eles, fácil e muito profissional. E tivemos bastante respeito e diversão juntos. Somos amigos de verdade agora, e sempre estamos em contato. Chamei-os para trabalhar há cerca de dois anos atrás e todos ficaram felizes com esse projeto. Um amigo meu e Yngwie [Malmsteen] me passaram os telefones de contato deles. E, sim, pretendemos gravar de novo juntos e será uma banda real. Todos escreverão canções e estarão envolvidos na produção toda da próxima vez, e eu estarei apenas sendo o guitarrista e um dos compositores. Legal, essa idéia foi minha. Acho que o próximo disco será mais agressivo, e, claro, soando ainda mais como uma banda. Talvez até tenhamos um nome de banda, vamos ver.

Whiplash! / Como você compararia "Kaleidoscope" a "Four Seasons Of Life", seu primeiro disco solo? O que acha de sua performance como vocalista nele?

Grapow / "Kaleidoscope" é mais melódico, orientado para as composições e soa mais como uma banda. "Four Seasons Of Life" é um disco de guitarra, soando mais como um disco solo e não fiquei satisfeito com meus vocais. Por isso agora tenho Mike Vescera na banda.

Whiplash! / No "Kaleidoscope" há canções que soam similares a músicas dos "Keepers" do Helloween, outras mais técnicas e clássicas, outras mais hard rock e algumas até com sonoridades thrash. Como você conseguiu colocar tanta diversidade no álbum? Quais são suas músicas favoritas?

Grapow / Isso é o que sempre tento fazer e por isso algumas pessoas ficam confusas em relação à minhas composições. Tenho tantos estilos em minha cabeça. É algo natural para mim, me sentiria mal oferecendo aos fãs 11 músicas que soassem o mesmo por uma grande cota monetária. Isso era o que eu gostava em meus ídolos dos anos 70. Eles escreviam boas canções sempre soando diferentes. Diversidade é ótimo. "Walk On Fire", "Under The Same Sun", "Till The End", "A Heartbeat Away" e "Kaleidoscope" são algumas de minhas favoritas, embora aprecie todas. Acho que essas refletem mais o álbum. São realmente fortes ao vivo e têm boas melodias.

Whiplash! / Você já trabalhou com ótimos músicos. Há alguém com quem você gostaria de tocar e não teve oportunidade? Se pudesse fazer uma "banda dos sonhos", como seria?

Grapow / Acho que trabalhar com a banda que tocou no "Kaleidoscope" já foi um sonho. É claro que gosto de muitos outros músicos também, como os do Deep Purple e do Journey.

Whiplash! / O que achou de sua recente passagem pelo Brasil e América do Sul com sua banda solo, abrindo concertos do Gamma Ray?

Grapow / Acho que um dos melhores concertos de minha carreira foi em São Paulo. Tivemos muita diversão e aquele foi um momento deveras mágico. Deverá ser lançado em vídeo e o resto do mundo ficará com inveja por não ter visto. É sempre prazeroso estar na América do Sul. Adoro a mentalidade e tenho diversos amigos no Brasil e Argentina. Até meu website oficial é feito por brasileiros. Vocês podem vê-lo em http://surf.to/rolandgrapowhttp://surf.to/rolandgrapow.

Whiplash! / Sua banda solo é praticamente formada por ex- membros da banda de Yngwie Malmsteen. A sonoridade dos discos às vezes é bastante próxima à sonoridade tradicional de Yngwie. O estilo de tocar de vocês dois é parecido e você até fez uma música chamada "Grapowski Malmsuite" para homenageá-lo. Isso faz com que alguns encarem-no apenas como mais uma cópia dele. O que você acha e como sente em relação a isso?

Grapow / Yngwie é meu amigo e não sou estúpido para dizer que ele não me influenciou, mas, por outro lado, sou mais influenciado por Ritchie Blackmore. E é ótimo estar junto a Yngwie e não a um guitarrista qualquer. Então, devo ficar orgulhoso disso. Aliás, acho que você deveria ouvir o "Kaleidoscope", não há muitas influências de Yngwie. Nem mesmo no Helloween percebo tanto a influência dele. Todos são influenciados por alguém, e eu gosto de ser influenciado pelos melhores. A razão por usar esses grandes músicos é que eles são realmente ótimos. E não acho que eles tenham sido responsáveis pelo som da banda de Yngwie. Ele sempre tem músicos diferentes. Achei que era bom usar uma banda que já tivesse trabalhado antes junta, por isso fiz essa escolha.

Whiplash! / O que você tem escutado ultimamente? E poderia dizer alguns de seus discos prediletos e bandas favoritas de todos os tempos?

Grapow / Por tocar em uma banda de metal e música ser minha profissão, fico feliz de escutar algo diferente como música clássica, pop, música que toca no rádio e algo dos anos 70, como Deep Purple, Grand Funk, Journey, e outros. Gosto de Amanda Marshall e muito mais, contudo não tenho escutado muito metal no momento. Gosto de ter minha cabeça limpa antes de começar a escrever canções para o Helloween, para não estar influenciado por outras bandas.

Whiplash! / Por favor, deixe uma mensagem aos leitores do Whiplash e seus fãs brasileiros.

Grapow / Foi divertido fazer essa entrevista e espero que possamos fazer mais, e que vocês tenham gostado. Desejo aos leitores do Whiplash! tudo de melhor, e boa sorte no futuro, com muitos e ótimos discos de metal. E a todos os fãs brasileiros, espero vê-los em breve. Amo todos vocês.

publicidade




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Max Cavalera: Não dou a mínima para o que pensa o pessoal do Korn ou qualquer outro!Max Cavalera
"Não dou a mínima para o que pensa o pessoal do Korn ou qualquer outro!"

Guns N' Roses: Qual o patrimônio dos músicos da banda?Guns N' Roses
Qual o patrimônio dos músicos da banda?


WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin