Afghan Whigs: a caracterização do Mal no videoclipe "Debonair"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Don Roberto Muñoz, Fonte: theafghanwhigs
Enviar correções  |  Ver Acessos

No videoclipe da música "Debonair", Greg Dulli encarna uma caracterização surpreendente do diabo. Sim, como negociador de pactos. A sutileza inaudita derrama todas as proposições sussurradas por aquele que manca. E o tumulto das paixões inconsequentes transbordam à mercê da bandeja do coxo.

Corey Taylor: Verdades sobre Joey Jordison e Jim RootPhotoshop: Luan Morrison, Ivete Osbourne, Axl Teló e mais

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Nem o diabo baixinho, gorducho e sarcástico do "Fausto", 1926, de Murnau, nem o diabo agressivo e fisicamente viril de "Tenacious D: Uma Dupla Infernal", de 2006. Mas muito próximo daquele citado por John (Keanu Reeves) para Angela (Rachel Weisz), em "Constantine", 2005, pois o diabo acredita muito no ser humano que não acredita no Mal. Bem, num mundo promotor da extroversão centrífuga do ser humano, a cegueira geral tende a debochar das nuanças simbólicas.

E diante de um mundo embrutecido pela realidade estritamente laica, não poderia o diabo deixar de deslizar debochadamente no lago petrificado pelo gelo. No vício e na violência pode focar o elemento destrutivo da vida. E lá está ele quando isso acontece. Escapa a juventude da arte, da poesia, do romance cavaleiresco, e o desregramento pode aparecer no movimento comportamental que descamba justamente para o vício e para a violência, suculentos aperitivos para o diabo. Não, o diabo não força ninguém a cometer delitos.

Mas caso a pessoa esteja na iminência de fazer alguma coisa grave, ou perigosa, lá estará ele, sempre atento a possíveis recaídas do ser humano. O diabo nunca dorme, perambulando entre os humanos e de maneira estrategicamente afável. Greg Dulli imprime uma desdramatização onde o assombro faz-se notar. Simplesmente o histrionismo não aparece. A caricatura dá espaço para uma atuação baseada na contenção solene. Uma expressão da natureza maléfica.

Sim, o cachorro também está no videoclipe, preto como aquele que aparece no "Fausto" de Goethe, e da mesma raça do protetor do Anticristo no filme "A Profecia", 1976. Numa das cenas do vídeo de "Debonair", o diabo abarca uma festinha juvenil ao ar livre. Claro, época humana de descobertas. Vale lembrar, entretanto, que os excessos humanos independem de faixa etária, ocorrendo em qualquer momento da vida. E ele está sempre por perto quando problemas podem acontecer.

O desvario da turma no vídeo remete a situações perigosas, à lá "Kids", o filme de Larry Clark, lançado em1994, que escancara posturas juvenis nada românticas no que diz respeito a sexo e drogas. O zelo pelo perigo que flerta com a morte. A descrença no Mal passa pela banalização da vida. E a simbólica do "outro", do "adversário", "daquele que manca" e por isso a utilização da bengala, antecede colorações específicas. O terno branco - aliado à postura refinada, discreta e minimalista do vocalista em cena - transtorna o público sedento por uma cultura enlatada e de fácil assimilação.

Apresentando a "festinha", sentado na tampa traseira de uma pick-up GMC, 1973, ou vislumbrando o evento em seu final, escorado num Camaro, 1978, com o semblante onde um sorriso cruel se apresenta, o elemento maléfico, em segundos, transforma-se em pura expressão fechada, evidenciando que não está ali para brincadeiras. Claro, o diabo também se mistura à turma, pedindo um cigarro a uns desavisados, e de maneira mui afável. Exímio negociador, o diabo sabe como estimular almas carentes. Mas nada pode contra as crianças, os pequeninos de Christo. A primeira cena do "diabolus" não deixa especulações agnósticas fluírem, pois a sua incapacidade diante d'Ele devido a questões supranaturais dos Primórdios, é mais do que notória.

Desta forma, inexistem incoerências metafísicas no perfil do "maleficum" neste vídeo, e muito menos intromissões artísticas "modernas", que adoram vulgarizar em uma obra de arte tal situação espiritual que nada tem de superficial ou "engraçadinha". Inclusive a virada para o autoconhecimento aparece nas cenas onde estão as crianças. Ou seja, no Temor de Deus atento ficamos contra o Mal, mas no Amor de Deus o foco está fundamentado, afinal, é na pureza infantil que o mundo simbólico frutifica - eis a vitória da não-reação contra o Mal.

Roberto Muñoz, escritor




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por escolha do autor os comentários foram desativados nesta nota.


Todas as matérias da seção CuriosidadesTodas as matérias sobre "Afghan Whigs"


Corey Taylor: Verdades sobre Joey Jordison e Jim RootCorey Taylor
Verdades sobre Joey Jordison e Jim Root

Photoshop: Luan Morrison, Ivete Osbourne, Axl Teló e maisPhotoshop
Luan Morrison, Ivete Osbourne, Axl Teló e mais


Sobre Don Roberto Muñoz

Don Roberto Muñoz, escritor.
Rio-grandense farroupilha nascido em Porto Alegre.

Mais matérias de Don Roberto Muñoz no Whiplash.Net.

adGoo336