Sepultura: a história por trás do álbum "Beneath The Remains"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Marcelo Araújo, Fonte: Ogro do Metal
Enviar correções  |  Ver Acessos

"Beneath The Remains" é o terceiro álbum de estúdio da banda Sepultura, lançado em 1989 via Roadrunner Records, com um orçamento final de 14 mil dólares. Após o lançamento, o disco acabou sendo comparado com "Reign in Blood" do Slayer, e "Kill'Em All" do Metallica, fazendo com que a banda saísse pela primeira vez em uma turnê internacional, tocando junto dos alemães do Sodom.

Sepultura: banda mostrou a capa do álbum Quadra durante show no Rock in RioCapas de álbuns: 30 das piores artes da história

No livro "My Bloody Roots: Toda a Verdade Sobre a Maior Lenda do Heavy Metal Brasileiro", Max Cavalera fala sobre o álbum e a referida turnê. Confira.

"Gravamos as demos de "Beneath The Remains" e "Inner Self" em fita cassete: a gravação foi feita ao vivo com um só microfone, então o som ficou uma merda. A Roadrunner estava assumindo um grande risco com a gente sem ter ouvido nem mesmo uma nota além do LP Schizophrenia. Simplesmente torciam para que pudéssemos fazer um bom álbum."

"Só podíamos gravar durante a noite: o estúdio estava disponível de meia-noite às sete da manhã. O álbum inteiro foi gravado à noite, o que era uma maneira estranha de se trabalhar: dormíamos durante o dia e nos levantávamos e nos preparávamos às onze, prontos para uma madrugada inteira de metal. Adoramos a experiência. Scott (Scott Burns - técnico de estúdio) estava se divertindo pra valer. Mas uma coisa o fez enlouquecer: na parede havia uma fotografia de dois astros pop brasileiros, Gilberto Gil e Caetano Veloso, se beijando nos lábios. Scott disse: "Não posso trabalhar com isso aqui. Mandem tirar!" Respondemos: "Relaxa, cara. É só uma foto!", mas ele mandou o engenheiro de som tirá-la. O engenheiro ficou puto da vida, dizendo: "Esses artistas são celebridades aqui no Brasil. Quem esse cara pensa que é?" Argumentamos: "Sentimos muito, mas não dá pra você tirar a porra do quadro pra gente poder gravar o álbum?"

"Nesse meio-tempo, eu vinha lendo alguns livros e descobri Michael Whelan, um artista que fazia capas. Tinha visto um desenho dele (Bloodcurdling Tales of Horror and the Macabre) que adorei. Acabou virando a capa de Cause of Death, do Obituary, mas originalmente deveria ter sido usada para Beneath The Remains. O que aconteceu foi que a Roadrunner entrou em contato com Whelan e ele lhes enviou dez pinturas diferentes, entre elas uma com a caveira preta e vermelha (Nightmare in Red) que acabou sendo utilizada no nosso álbum. Monte (Monte Conner - produtor executivo) preferia a pintura da caveira à que foi usada em Cause of Death e a sugeriu pra mim. Era fantástica e eu achava mesmo que tinha um design melhor. A imagem era bastante poderosa, exótica e maneira. O animal dentro da caveira é um morcego, um lobo ou algo assim. Michael sempre acrescenta esses detalhes, é um gênio. Conheci Michael muito tempo depois, quando fiz o álbum Dark Ages, do Soulfly, e ele é um cara legal de verdade."

"A primeira coisa que fizemos depois do lançamento de Beneath The Remains foi uma turnê europeia, abrindo para o Sodom. Para nós, foi ótimo: tocamos no Marquee, em Londres, e em muitos outros lugares fantásticos. O primeiro show internacional que fizemos foi em Viena, na Áustria, e foi espetacular. Não sabíamos o que esperar. O Sodom era uma banda muito popular e os ingressos para a maioria dos shows estavam esgotados. Fiquei surpreso ao ver a quantidade de fãs do Sepultura. Não sabíamos que havia tantos até chegarmos à Europa e vermos centenas de pessoas vestindo camisas da banda. Pensávamos: "Meu Deus, está acontecendo de verdade." Foi uma turnê perfeita."

"Conheci Lemmy quando estivemos em Londres. Fui a um bar e ele estava lá, jogando fliperama sozinho. Eu disse ao Iggor: "Olha ali, cara, é o Lemmy! Vou lá falar com ele!" E Iggor respondeu: "Não pode!" E eu disse: "Foda-se, cara, preciso cumprimentá-lo, é o Lemmy!" Assim, fui até ele e comecei: "Como vai, Lemmy?" E ele respondeu: "Numa boa!", e continuou jogando. Eu estava meio bêbado, então continuei falando: "O meu nome é Max, sou do Brasil e tenho uma banda chamada Sepultura. Somos grandes fãs de vocês, cara! Adoramos Motörhead. Do nada, Lemmy pegou o seu copo e derramou uísque na minha cabeça. Não sei se ele queria que eu fosse embora, tipo "Dê o fora daqui", mas ainda assim foi demais. Voltei pra mesa e disse a todo mundo que tinha acabado de ser batizado por Lemmy! Era um batismo heavy metal, e eu estava nas alturas. Não tomei banho nem lavei o cabelo por alguns dias depois desse episódio. Nunca contei isso a Lemmy quando o encontrei mais tarde."

"O único problema naquela turnê foi o empresário do Sodom, que não foi com a nossa cara desde o início. Na minha opinião, ele pensava que éramos muito bons e que o Sodom encontraria dificuldades para nos superar. Eles tinham dificuldade para despertar na plateia a mesma reação que nós e acho que aquilo o irritava. Ele cortava a nossa luz pela metade e diminuía o volume do nosso som. Chegava até mesmo a ficar parado diante de nós quando tocávamos, o que era bem estranho. Certa vez, nos disse: "Se continuarem a tocar bem, vou tirar as luzes de vocês até ficarem no escuro." Pensamos: "Que babaca." Percebi que esse cara era super limpo: era o sr. Limpeza, tomava três banhos por dia e vestia sempre camisas impecavelmente brancas. Estávamos todos no mesmo ônibus, então pensei em sacaneá-lo e não tomar banho por toda a turnê. Falei pros caras da banda aguentarem as pontas, porque queria perturbar o sr. Limpeza o máximo que pudesse. Depois da primeira semana, eu estava fedendo. Quando eu passava, o meu fedor era perceptível e o ar ficava impregnado. Aquilo deixou o cara puto da vida, até que um dia ele estourou: "É melhor vocês fazerem ele tomar banho ou não vai mais viajar no mesmo ônibus que a gente! Tá fedendo que nem a porra de um macaco!" Eu estava adorando. Pensava: "Vai se foder! Mexeu com a gente, aqui está o troco." Mantive a promessa: não tomei banho até o fim da turnê. Saía do palco com as roupas suadas, ia dormir sem me trocar e as vestia de novo no dia seguinte - todo dia. Era um inferno para mim: o meu cabelo estava uma bagunça, imundo de suor, mas queria encher o saco daquele cara, então aguentei firme."


Monte Conner: "Pouco depois de partir do Rio e retornar ao Morrisound, em Tampa, Scott Burns me enviou a mixagem bruta de Beneath The Remains em fita cassete. Quem conhece o funcionamento dos cassetes sabe que eles não reproduzem os agudos com precisão se o alinhamento do cabeçote de gravação estiver incorreto ou se o cabeçote da mesa de reprodução estiver alinhado diferentemente. Não sabia daquilo na época, devido à minha falta de experiência no que dizia respeito aos processos de gravação e mixagem. Assim, quando recebi a fita e não consegui ouvir os pratos da bateria, disse a Scott que queria que ele colocasse muito mais pratos nas canções. Não me dei conta que não podia ter confiado na precisão de uma fita cassete. Scott - ainda novo naquela função e disposto a agradar - voltou com uma mixagem em que os pratos estão extremamente altos. Por isso, se você escutar Beneath The Remains, vai perceber um chiado constante de pratos. É um álbum bastante barulhento. Tentei diminuí-los um pouco quando o remasterizamos em 1997, mas era algo difícil de ser corrigido, já que, uma vez incluídas frequências altas na masterização, os outros instrumentos também são afetados. É desnecessário dizer que ninguém se importou ou reclamou, embora eu tenha recebido uma carta de um fã certa vez."




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção CuriosidadesTodas as matérias sobre "Sepultura"Todas as matérias sobre "Sodom"Todas as matérias sobre "Obituary"


Sepultura: banda mostrou a capa do álbum Quadra durante show no Rock in RioSepultura
Banda mostrou a capa do álbum Quadra durante show no Rock in Rio

Sepultura: no Rock in Rio, música nova e homenagem a Andre Matos; vídeosSepultura
No Rock in Rio, música nova e homenagem a Andre Matos; vídeos

Rock in Rio 2019: horários do dia do metal passam por pequena alteraçãoRock in Rio 2019
Horários do "dia do metal" passam por pequena alteração

Sepultura: Amilcar Christófaro substitui Eloy Casagrande durante show em festivalSepultura
Amilcar Christófaro substitui Eloy Casagrande durante show em festival

Sepultura: gravações do novo álbum já foram concluídas pela bandaSepultura
Gravações do novo álbum já foram concluídas pela banda

Sepultura: Faleceu pai de Eloy Casagrande

Sepultura: Andreas Kisser usará guitarra com cores do movimento LGBT no Rock in RioSepultura
Andreas Kisser usará guitarra com cores do movimento LGBT no Rock in Rio

Em 02/09/1993: Sepultura lançava o clássico "Chaos A.D."

Sepultura: novo álbum já tem nome, diz Andreas KisserSepultura
Novo álbum já tem nome, diz Andreas Kisser

Petbrick: ouça novo single de projeto experimental de Iggor Cavalera

Max Cavalera: ele não entende como o Slayer consegue pensar em se aposentarMax Cavalera
Ele não entende como o Slayer consegue pensar em se aposentar

Sepultura: veja entrevista de Andreas Kisser no programa CMCHRodz Online: Sepultura vs Max Cavalera (vídeo)

Mad Max: inspiração em Sepultura, semelhança com Devin TownshendMad Max
Inspiração em Sepultura, semelhança com Devin Townshend

Heavy Metal: os 10 melhores EPs de todos os temposHeavy Metal
Os 10 melhores EPs de todos os tempos

Andreas Kisser: não entende por que Max e Iggor tocam o RootsAndreas Kisser
Não entende por que Max e Iggor tocam o "Roots"


Capas de álbuns: 30 das piores artes da históriaCapas de álbuns
30 das piores artes da história

Musas do Metal: confira as 10 mais lindas atualmenteMusas do Metal
Confira as 10 mais lindas atualmente

Kiss: a mais longa e reveladora entrevista de Eric SingerKiss
A mais longa e reveladora entrevista de Eric Singer

USA Today: as 20 maiores bandas de todos os tempos nos EUAUSA Today
As 20 maiores bandas de todos os tempos nos EUA

Max Cavalera: triste ver uma banda tão importante virar uma merdaMax Cavalera
Triste ver uma banda tão importante virar uma merda

King Diamond: o Mercyful Fate não acabou para mimKing Diamond
"o Mercyful Fate não acabou para mim"

Wacken: o que sobrou da edição de 2016 do festivalWacken
O que sobrou da edição de 2016 do festival


Sobre Marcelo Araújo

Carioca da gema e fanático por música de qualidade, aprendeu a gostar de Rock aos 10 anos de idade por causa de bandas como Scorpions, Led Zeppelin e Guns N' Roses. A maior decepção foi ver uma de suas bandas preferidas, o Bon Jovi, mudar completamente de estilo e se tornar uma coisa bem chatinha de uns tempos pra cá, algo classificado como uma mistura de Sertanejo Universitário com Pop. Das bandas mais recentes, curte bastante Alter Bridge e Unisonic. Adora tudo relacionado com as curiosidades por trás das canções, álbuns e bandas, sempre escrevendo matérias a respeito desses fatos no blog Ogro do Metal.

Mais matérias de Marcelo Araújo no Whiplash.Net.

adGooILQ