Ozzy Osbourne: Lee Roth e a ressurreição do Madman em 1978

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Nacho Belgrande, Fonte: Playa Del Nacho
Enviar correções  |  Comentários  | 


3009 acessosKrisiun: banda agradece e Ward conta como conheceu brasileiros5000 acessosMini Iron Maiden: tocando "Ghost Of The Navigator" na escola

Um conto da primeira turnê mundial do VAN HALEN:

“Há um velho filme de ficção científica dos anos 50 chamado ‘Planeta Proibido’, onde os extintos habitantes são chamados de Krell. Então começamos a chamar a cocaína de “Krell”, demos um nome de ficção científica a ela. Ficávamos acordados a noite toda, até bem adentro do dia seguinte, fazendo o que chamávamos de Guerras de Krell. E a melhor Guerra de Krell foi quando o VAN HALEN estava abrindo pro BLACK SABBATH em 1978. OZZY OSBOURNE e eu tivemos uma Guerra de Krell das grandes até umas nove e meia da manhã.

Eu disse, “Oz, a hora de acordar é daqui a uns trinta minutos. Eu tenho que me limpar um pouco.”

“Okay, a gente continua isso depois.”

Dirigimos de Memphis até Nashville. Fizemos check-in num hotel. É um hotel idêntico, é como um Marriott ou sei lá qual, um Marriott estilo átrio, com as sacadas viradas pra dentro, tudo é pra dentro, aquele lance de jardins suspensos. Tal como todo McDonald’s que você vai, é idêntico.

Era meio-dia, e eu fui direto pra cama, adormeci. Acordei, abrimos o show, show lotado, 10 mil de nossos amigos mais próximos. Estamos sentados nos bastidores, e de repente, dois caras do Black Sabbath e uns parrudos entram pela porta,

“CADÊ O OZZY?”

Não que isso seja uma pergunta nova, pra mim. Ozzy não tinha NOÇÃO de onde ia, não sabia onde estava quando ele estava lá, e não sabia te dizer aonde ele havia estado – muito parecido com Columbus.

Eu digo, “Como assim, ‘cadê o Ozzy?’”

“O Ozzy não apareceu. Não temos certeza nem de que ele se registrou no hotel. Não conseguimos achar ele em canto nenhum. Não podemos fazer o show.”

“Ah, cara. Da última vez que eu o vi, ele estava indo em direção às limusines, em Memphis. E eu não o vi mais desde então. Eu to de papo pro ar, e fiz meu show, e eu não tenho idéia de onde ele esteja.”

“Ah meu deus!”


Instantaneamente, a polícia, a imprensa, todo mundo está envolvido. Ozzy tinha desaparecido! Ele foi raptado! Por uma seita! Ele morreu. O problema dele com o álcool aumentou demais, e ele foi pra algum ambiente fechado, como uma caverna, onde ele foi assassinado. Morto.

Eles voltaram pela mesma porta trinta minutes depois. “Sem vestígios. Sem pegadas. Você sabe cantar algumas das músicas do Black Sabbath?”

“Amigos, eu não sei as letras. Sinto muito.”

“Ah meu deus.”

O show é cancelado. Devolução de dinheiro pra todo lado.

Todo mundo volta pro hotel. MUITA imprensa. Ozzy havia desaparecido. A noite toda, uma vigília. É um inferno. O Sabbath inteiro está no saguão, sentado, de pernas cruzadas, como indianos, no tapete. Morosos.

Seis e meia da manhã, Ozzy sai andando do elevador. Ele voltou dos mortos!

Não, não voltou. Esse figura tinha entrado no hotel novo, enfiado a mão no bolso, pego uma chave do outro hotel, olhado pro número, entrado no elevador, e ido pro quarto. Rolou de ter uma camareira limpando o quarto.

Ele disse, “Sai daqui!”, ela correu aterrorizada, ele fecha a porta e cai no sono.

Essa é minha vida.

Tivemos que nos desdobrar e fazer um show substituto. E eu acho que foi essa a história oficial, naquela altura. Por vezes, eram sete noites seguidas. Sete shows em dias seguidos, com deslocamentos entre eles, o que quer dizer seis a oito horas dentro do ônibus, indo pra próxima cidade.”

A história acima foi retirada da autobiografia de David Lee Roth, ‘Crazy From The Heat’ [fora de catálogo]. Fotos do site VAN HALEN NEWS DESK e Ross Halfin.

Por que destacamos matérias antigas no Whiplash.Net?

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, nos links abaixo:

Post de 20 de novembro de 2012
Post de 13 de junho de 2014

KrisiunKrisiun
Banda agradece e Bill Ward conta como conheceu os brasileiros

770 acessosBanda dos sonhos: qual seria a sua?153 acessosMarcos de Ros: Tony Iommi, Dois Dedos de Prosa1429 acessosLoudwire: em vídeo, os 10 maiores riffs de metal dos 80's0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Black Sabbath"

Tony MartinTony Martin
"O Black Sabbath não fala comigo há 15 anos"

Black SabbathBlack Sabbath
As impressões de Geezer Butler sobre Brad Wilk

Canal CMRCanal CMR
Os piores covers de clássicos do Rock

0 acessosTodas as matérias da seção Curiosidades0 acessosTodas as matérias sobre "Ozzy Osbourne"0 acessosTodas as matérias sobre "Van Halen"0 acessosTodas as matérias sobre "Black Sabbath"

Mini Iron MaidenMini Iron Maiden
Tocando "Ghost Of The Navigator" na escola

MetallicaMetallica
Ulrich comenta os motivos da saída de Jason Newsted

Heavy MetalHeavy Metal
Autores que inspiraram o estilo: Friedrich Nietzsche

5000 acessosHeavy Metal: os 10 melhores solos de guitarra de todos os tempos5000 acessosSlash: "não entendo a histeria sobre o Guns N' Roses"5000 acessosOsama Bin Laden: O que havia na sua coleção de cassetes?5000 acessosSlash: Falando sobre seus filmes preferidos5000 acessosMotorhead: a opinião de Lemmy sobre Viagra, Hendrix e velhice5000 acessosMetallica e Pink Floyd: entre os preferidos da bandidagem

Sobre Nacho Belgrande

Nacho Belgrande foi desde 2004 um dos colaboradores mais lidos do Whiplash.Net. Faleceu no dia 2 de novembro de 2016, vítima de um infarte fulminante. Era extremamente reservado e poucos o conheciam pessoalmente. Estes poucos invariavelmente comentam o quanto era uma pessoa encantadora, ao contrário da persona irascível que encarnou na Internet para irritar tantos mas divertir tantos mais. Por este motivo muitos nunca acreditarão em sua morte. Ele ficaria feliz em saber que até sua morte foi motivo de discórdia e teorias conspiratórias. Mandou bem até o final, Nacho! Valeu! :-)

Mais matérias de Nacho Belgrande no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online