Helter Skelter: a canção que Manson roubou dos Beatles

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Paulo Severo da Costa
Enviar correções  |  Comentários  | 

Em nove de agosto de 1969, a casa do cineasta ROMAN POLANSKI foi invadida por um grupo pseudo-religioso de fanáticos conhecidos como Família Manson, resultando no espancamento e assassinato de seus ocupantes, entre eles a esposa do diretor, a atriz SHARON TATE. O grupo, liderado por CHARLES MANSON, atacou novamente na noite seguinte, matando o casal LENO e ROSEMARY LA BIANCA, escrevendo nas paredes, com o sangue das vítimas, as frases “morte aos porcos” e “Helter Skelter”, título de uma canção dos BEATLES lançada em novembro do ano anterior.

845 acessosFoo Fighters: como foi gravar com Paul McCartney no último disco?5000 acessosFrases de bandas: o que eles realmente querem dizer?

O caso acabou tomando proporções tão gigantescas que a frase “a canção que Charles Manson roubou dos Beatles” se tornou uma identificação posterior quando o U2 gravou a faixa, e o simbolismo da ocorrência, juntamente com os acontecimentos do show de Altamont dos STONES, são utilizados por vários historiógrafos como o fim da era flower-power e, o duro início dos anos setenta, marcados por recessões econômicas, consumo voraz de drogas pesadas e a mudança nos rumos sonoros do rock n´roll.

“Helter Skelter”, lançada no chamado “Àlbum Branco “- que a exemplo do “Álbum Preto” do METALLICA não tem nome e ficaram assim conhecidos – foi acusada de conter mensagens subliminares - e toda espécie de cretinice esperada pela bancada de oposição ao rock n´roll. MANSON, no alto de sua insanidade, declarou que havia entendido o recado da banda de Liverpool – segundo ele, a letra continha a conclamação de uma guerra racial necessária e iminente.

Pirações a parte, a canção foi desenvolvida a partir de uma crítica feita por CHRIS WELCH na revista Melody Maker a respeito de “I Can See for Miles”, em que, entre várias menções elogiosas, disse que a faixa do THE WHO era o “rock n´roll mais alto e rouco, a coisa mais sórdida que já tinham feito”.

Esse comentário foi o suficiente para cutucar com vara curta o ego colossal de PAUL McCARTNEY. Sempre procurando a superação – louvável, por sinal – de seus pares, o baixista escreveu o grosso da canção, gravado em julho de 68 em um take “bruto” de uma hora, transformado na versão definitiva em setembro daquele ano. “Helter” é reconhecida como uma das primeiras faixas de proto-metal da história, construída sobre um riff cru e furioso, alicerçado pelo vocal semi-psicótico de PAUL. A bateria desesperada de RINGO fez com que ele jogasse suas baquetas longe, e o grito de “estou com bolha nos meus dedos!”, entrou para o take final da gravação.

Quarenta e quatro anos depois, a canção ainda é motivo de controvérsia e debate, com muita gente insistindo em achar significados ocultos no registro. Mas a melhor das interpretações sobre a faixa, ainda veio de JOHN LENNON: “Para mim era só barulho”.

Por que destacamos matérias antigas no Whiplash.Net?

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

George HarrisonGeorge Harrison
Ronnie Von cometeu gafe e deixou de gravar com ele

845 acessosFoo Fighters: como foi gravar com Paul McCartney no último disco?253 acessosBeatles: singles natalinos serão relançados em dezembro891 acessosPipocando Música: 8 teorias de artistas que foram trocados987 acessosPaul McCartney: a máquina do tempo e as canções que não voltam mais0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Beatles"

Top 500Top 500
As melhores músicas da história segundo a Rolling Stone

CuriosidadesCuriosidades
Sexo bizarro, drogas, mortes e outros boatos

David GilmourDavid Gilmour
Ouça canção dos Beatles com seu toque genial

0 acessosTodas as matérias da seção Curiosidades0 acessosTodas as matérias sobre "Beatles"


Frases de bandasFrases de bandas
O que eles realmente querem dizer?

BurnnBurnn
Os maiores guitarristas Hard & Heavy da história

MetallicaMetallica
Por que 9 entre 10 fãs da banda odeiam "Load" e "Reload"?

5000 acessosVocalistas: cantora clássica analisa cinco ícones do Heavy Metal5000 acessosOzzy Osbourne: 25 coisas que você não sabe sobre ele5000 acessosSlipknot: Corey Taylor abandona os palcos se o Guns se reunir5000 acessosDave Mustaine: ele peitou Phil Anselmo pra proteger Nick Menza5000 acessosRicardo Confessori: "O Shaman foi o ápice da nossa carreira"5000 acessosAC/DC: as lembranças de Angus e Malcolm sobre Bon Scott

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 28 de março de 2014


Sobre Paulo Severo da Costa

Paulo Severo da Costa é ensaísta, professor universitário e doente por rock n´roll. Adora críticas, mas não dá a mínima pra elas. Email para contato: joaopsevero@bol.com.br.

Mais matérias de Paulo Severo da Costa no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online