Gibson Flying V: o símbolo oitentista do Metal

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Paulo Severo da Costa
Enviar correções  |  Comentários  | 

Mais do que bólidos sonoros, as guitarras são, na esmagadora maioria das vezes, o alter ego de muitos de seus pilotos: a Les Paul de SLASH e JIMMY PAGE, a Stratocaster de HENDRIX e CLAPTON, a IBANEZ de PAUL GILBERT e JOE SATRIANI se tornam tão características quanto a maquiagem do KISS ou o logo dos STONES.

92 acessosGuilherme Costa: demonstrando técnicas em 5 clássicos do rock/metal5000 acessosHailMetal.com: Os cinqüenta melhores álbuns de Death Metal

No campo do Metal, o visual das seis cordas é acentuado pela atitude e pelas formas irreverentes: assim como as guitarras “Cadillac” de BILLY GIBBONS ou o instrumento retangular de BO DIDDLEY fizeram parte fundamental da cênica anos antes, nos anos oitenta, convenhamos , seria um tanto estranho ver KERRY KING tocando, ainda que adaptada, uma Fender Telecaster. Ainda em uma fase anterior a luthieiria menos radical do que a atual e, procurando se distanciar do exagero dos disparadores de bomba de fumaça do KISS, guitarristas como MICHAEL SCHENCKER, JAMES HETFIELD, KIRK HAMMETT e K.K. DOWNING resgataram um artefato perdido dos anos 50.

Produzidas inicialmente nos anos de 58-59, a FLYING V foi idealizada por TED MacCARTHY, então presidente da Gibson como resposta a LEO FENDER que chamou os produtos da concorrente de “obsoletos”. É válido lembrar que nessa época a ficção científica estava em moda, seriados futuristas e revistas “pulp” pipocava e, no embalo, a fábrica também apostou, na mesma época, no modelo Futura (rebatizado de Explorer, a preferida de JOHNNY WINTER). Adotada por bluesmen como ALBERT KING, a FLYING teve vida curta: diante da negativa do mercado parou de ser fabricada em menos de um ano.

Em 1967, a GIBSON modificou o shape da “voadora” e reeditou sua produção. Diante da aceitação de figuras notórias como DAVE DAVIES (KINKS) e de HENDRIX ( cuja apresentação em Monterey, portando uma dessas, é histórica), o mercado aqueceu e empresas como a DEAN e a JACKSON passaram a adotar o design em suas produções posteriores. De 1979 a 1982, a fábrica produziu o modelo Flying V2 e , nos anos 2000, a bizarríssima FLying V Reverse; no entanto, o caminho trilhado pelas pioneiras já havia disso trilhado.

Por que destacamos matérias antigas no Whiplash.Net?

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, nos links abaixo:

Post de 20 de março de 2014
Post de 21 de março de 2014

92 acessosGuilherme Costa: demonstrando técnicas em 5 clássicos do rock/metal112 acessosGuitarra: Licks Aranha (misturando Satriani e Paul Gilbert)0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Instrumentos"

Heavy MetalHeavy Metal
A música fica mais pesada quando a afinação é mais grave?

Ultimate GuitarUltimate Guitar
Site elege os 100 melhores solos de guitarra

FretpenFretpen
Uma guitarra do tamanho de uma caneta

0 acessosTodas as matérias da seção Curiosidades0 acessosTodas as matérias sobre "Instrumentos"

HailMetal.comHailMetal.com
Os cinqüenta melhores álbuns de Death Metal

Reb BeachReb Beach
"Não me importo de dizer, Kirk Hammet é um bosta!"

Dream TheaterDream Theater
O suposto plágio de música de Leandro & Leonardo?

5000 acessosSign of the horns: o sinal do Demônio5000 acessosReb Beach: "Não me importo de dizer que Kirk Hammet é um bosta"5000 acessosMetal: Mapa revela os países com mais bandas do estilo5000 acessosMyles Kennedy: os 10 discos que mudaram a vida dele5000 acessosScott Weiland: Dave Mustaine deu conselhos para o falecido cantor5000 acessosOs dez maiores picaretas da música internacional

Sobre Paulo Severo da Costa

Paulo Severo da Costa é ensaísta, professor universitário e doente por rock n´roll. Adora críticas, mas não dá a mínima pra elas. Email para contato: joaopsevero@bol.com.br.

Mais matérias de Paulo Severo da Costa no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online