Gibson Flying V: o símbolo oitentista do Metal

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Paulo Severo da Costa
Enviar correções  |  Comentários  | 

Mais do que bólidos sonoros, as guitarras são, na esmagadora maioria das vezes, o alter ego de muitos de seus pilotos: a Les Paul de SLASH e JIMMY PAGE, a Stratocaster de HENDRIX e CLAPTON, a IBANEZ de PAUL GILBERT e JOE SATRIANI se tornam tão características quanto a maquiagem do KISS ou o logo dos STONES.

5000 acessosIbanez: cinco coisas que você não sabia sobre a marca5000 acessosFotos de Infância: Avril Lavigne

No campo do Metal, o visual das seis cordas é acentuado pela atitude e pelas formas irreverentes: assim como as guitarras “Cadillac” de BILLY GIBBONS ou o instrumento retangular de BO DIDDLEY fizeram parte fundamental da cênica anos antes, nos anos oitenta, convenhamos , seria um tanto estranho ver KERRY KING tocando, ainda que adaptada, uma Fender Telecaster. Ainda em uma fase anterior a luthieiria menos radical do que a atual e, procurando se distanciar do exagero dos disparadores de bomba de fumaça do KISS, guitarristas como MICHAEL SCHENCKER, JAMES HETFIELD, KIRK HAMMETT e K.K. DOWNING resgataram um artefato perdido dos anos 50.

Produzidas inicialmente nos anos de 58-59, a FLYING V foi idealizada por TED MacCARTHY, então presidente da Gibson como resposta a LEO FENDER que chamou os produtos da concorrente de “obsoletos”. É válido lembrar que nessa época a ficção científica estava em moda, seriados futuristas e revistas “pulp” pipocava e, no embalo, a fábrica também apostou, na mesma época, no modelo Futura (rebatizado de Explorer, a preferida de JOHNNY WINTER). Adotada por bluesmen como ALBERT KING, a FLYING teve vida curta: diante da negativa do mercado parou de ser fabricada em menos de um ano.

Em 1967, a GIBSON modificou o shape da “voadora” e reeditou sua produção. Diante da aceitação de figuras notórias como DAVE DAVIES (KINKS) e de HENDRIX ( cuja apresentação em Monterey, portando uma dessas, é histórica), o mercado aqueceu e empresas como a DEAN e a JACKSON passaram a adotar o design em suas produções posteriores. De 1979 a 1982, a fábrica produziu o modelo Flying V2 e , nos anos 2000, a bizarríssima FLying V Reverse; no entanto, o caminho trilhado pelas pioneiras já havia disso trilhado.

Por que destacamos matérias antigas no Whiplash.Net?

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

IbanezIbanez
Cinco coisas que você não sabia sobre a marca

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Instrumentos"

Guitar WorldGuitar World
Guitarras e gostosas nos guias da revista

GuitarristaGuitarrista
Recordista é capaz de tocar 600 notas por minuto

Gibson Flying VGibson Flying V
O símbolo oitentista do Metal

0 acessosTodas as matérias da seção Curiosidades0 acessosTodas as matérias sobre "Instrumentos"


Fotos de InfânciaFotos de Infância
Avril Lavigne muito antes da fama

SepulturaSepultura
Andreas Kisser explica, em detalhes, por que nunca rolará reunião

Heavy MetalHeavy Metal
Os dez melhores álbuns lançados em 1992

5000 acessosSlash: guitarrista escolhe seus riffs favoritos5000 acessosNirvana: quem é o bebê da capa de Nevermind?5000 acessosAs tatuagens de Rob Halford5000 acessosMetallica: "Hesher", filme inspirado em Cliff Burton5000 acessosAerosmith: Steven Tyler conta origem do lenço no microfone5000 acessosIron Maiden: algumas curiosidades sobre a banda

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, nos links abaixo:

Post de 20 de março de 2014
Post de 21 de março de 2014


Sobre Paulo Severo da Costa

Paulo Severo da Costa é ensaísta, professor universitário e doente por rock n´roll. Adora críticas, mas não dá a mínima pra elas. Email para contato: joaopsevero@bol.com.br.

Mais matérias de Paulo Severo da Costa no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online