Matérias Mais Lidas

imagemO reencontro entre Steve Harris e Paul Di'Anno na Croácia

imagemA fundamental diferença entre Paulo Ricardo e Schiavon que levou RPM ao fim

imagemEddie aparece em versão samurai no primeiro show do Iron Maiden em 2022; veja foto

imagemRoger Daltrey revela a música "amaldiçoada" que o The Who não toca mais ao vivo

imagemConfira as músicas que o Iron Maiden tocou no primeiro show de 2022

imagemJen Majura disse que sair do Evanescence não foi decisão dela e recebe apoio dos fãs

imagemSystem of a Down: por que Serj Tankian não joga mais nenhum vídeo game?

imagemOzzy Osbourne dá sua opinião sobre o streaming e dispara contra Spotify; "É uma piada"

imagemAngra: Quantos shows seguidos a voz aguenta sem restrições? Fabio Lione responde

imagemEvanescence anuncia a saída da guitarrista Jen Majura

imagemO clássico do Helloween que fez Angra mudar nome original de "Running Alone"

imagemDee Snider cutuca bandas com falsas aposentadorias e ingressos caros

imagemOzzy Osbourne diz que está bem aos 73 anos, mas sabe que sua hora vai chegar

imagemComo Max Cavalera aprendeu inglês tendo abandonado a escola aos 12 anos de idade

imagemRobert Trujillo conta como uma abelha e "migué" quase causaram treta com James Hetfield


Stamp

Nirvana: "Teoria musical é um desperdício de tempo", dizia Kurt Cobain

Por Nacho Belgrande
Em 22/01/09

Estranhamente alheio à maioria dos fãs de rock, esse prefácio foi cunhado por Kurt Cobain para o lançamento da primeira coletânea de partituras do NIRVANA, ainda no começo dos anos 90. O conteúdo, polêmico e controverso por si próprio, reflete bem as visões e aspirações musicais do instrumentista, morto em 1994.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Segue a tradução do texto na íntegra:

"Oi, eu toquei tarol da quinta até a nona série. Durante esse tempo eu não me importava em aprender como ler uma partitura, eu simplesmente esperava pelo CDF na primeira fila aprender cada música, e então eu simplesmente o copiava. Eu dei um jeito de me sair bem sem jamais ter que ler música.

Demorou 5 anos até que eu me apercebesse o quão ritmicamente retardado eu era como baterista, então eu vendi algumas das armas do meu pai, e usei o dinheiro pra comprar minha primeira guitarra elétrica de seis cordas.

Eu aprendi tudo que eu precisava saber com uma semana de aulas, as quais resultaram no notório conhecimento musical de E A B (MI, LÁ, SI), os acordes de ‘Louie Louie’. Eu notei que eu poderia usar as posições dos dedos da nota RE em qualquer lugar da guitarra, isso é conhecido como power chord.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Então, depois de aprender canções como ‘Louie Louie’, do Kingsmen, ‘Wild Thing’ do Troggs e ‘My Best Friend’s Girl’ do The Cars, eu decidi que para me tornar um famoso astro do rock, eu precisaria escrever minhas próprias canções ao invés de desperdiçar meu tempo aprendendo a tocar as de outras pessoas, porque se você estuda a música e outras pessoas demais, isso pode agir como uma distração ao desenvolvimento de seu próprio estilo pessoal.

Alguém me disse que há institutos de tecnologia de guitarra ao redor do mundo onde eles te ensinam a ser uma merda dum herói de bandas cover sem originalidade com estrelas em seus olhos. Uh, poxa, eu acho que o que eu estou tentando dizer é:

Teoria é um desperdício de tempo. Modo dório (ou ‘escalas blue’, como são conhecidas no Brasil) são para garotos tecnicamente frescos com valores deturpados. Faça sua própria música. Eric Clapton toca licks de blues velhos de segunda categoria. Muita prática é como muito açúcar. Weird Al Yankovic [comediante americano conhecido por fazer paródias de músicas famosas] é o gênio do pop-rock moderno dos EUA. Faça o seu lance. Se você copiar muito, você vai acabar no limbo das bandas cover de salões de festa.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

P.S.: a parte de guitarra de ‘Come as You Are’ é a mesma de uma canção chamada "Eighties" do Killing Joke e [Smeels Like] ‘Teen Spirit’ lembra muito ‘Godzilla’, do Blue Oyster Cult e o Cult é AC/DC.

A guitarra tem doze notas. A guitarra é baseada em matemática. Rock and roll baseado em guitarra tem sido feito por mais de 30 anos. Há limitações quando se trabalha dentro das estruturas de um ritmo característico de tempo padrão 4/4 de rock.

Então considere esse livro musical apenas como algo para se ter como uma coleção de tampas de garrafa ou cartões de baseball ou um álbum de fotos de família ou um exemplo de exatamente como não desenvolver suas habilidades musicais.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Boa diversão,

Com amor, Kurt."

Comente: Teoria musical é realmente importante?

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net



publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Nirvana: O dia que Kurt Cobain conheceu Dave Grohl (vídeo)


Sobre Nacho Belgrande

Nacho Belgrande foi desde 2004 um dos colaboradores mais lidos do Whiplash.Net. Faleceu no dia 2 de novembro de 2016, vítima de um infarte fulminante. Era extremamente reservado e poucos o conheciam pessoalmente. Estes poucos invariavelmente comentam o quanto era uma pessoa encantadora, ao contrário da persona irascível que encarnou na Internet para irritar tantos mas divertir tantos mais. Por este motivo muitos nunca acreditarão em sua morte. Ele ficaria feliz em saber que até sua morte foi motivo de discórdia e teorias conspiratórias. Mandou bem até o final, Nacho! Valeu! :-)

Mais matérias de Nacho Belgrande.