Matérias Mais Lidas

imagemApós incidente, Axl Rose anuncia mudança nos shows do Guns N' Roses

imagemAndreas Kisser opina sobre a reunião do Pantera, que começou nesse sábado

imagemJulian Lennon relembra como era sua relação com seu pai, John Lennon

imagemCinco discos de heavy metal para ouvir sem pular nenhuma faixa

imagemO maior álbum de todos os tempos, na opinião do saudoso Ronnie James Dio

imagemNazareth: Brian Johnson homenageia Dan McCafferty

imagemPantera faz primeiro show da turnê de reunião: veja setlist, fotos e vídeos

imagemTitãs: traído, o baterista destruiu o quarto; Paulo Ricardo viu na TV a traição

imagemMetallica: James Hetfield sobre o "St. Anger": "Pelo menos é honesto"

imagemPink Floyd: Roger Waters conta como relação com David Gilmour e Rick Wright era tóxica

imagemBeatles: Ringo Starr conta como foi o seu último encontro com John Lennon

imagemPaulo Ricardo e a loucura em hotel nos anos 1980: "Eu já tinha perdido o pudor!"

imagemA banda de rock que impressionou Paulo Ricardo e o fez ver grandeza do estilo em São Paulo

imagemGene Simmons admite que "Ace estava certo" sobre o Kiss no começo dos anos 80

imagemPink Floyd: Para David Gilmour, reunião de 2005 no Live 8 foi "como dormir com a ex"


Stamp
Summer Breeze

Carl Sentance: "Electric Eye", seu segundo disco solo, é outro bom registro da sua carreira

Por Mário Pescada
Postado em 23 de novembro de 2022

CARL SENTANCE era um artista que não estava no meu radar a alguns meses atrás até que escutei "Surviving The Law" (2022), seu segundo disco como vocalista do NAZARETH - para mim, segue firme como um dos melhores lançamentos desse ano.

Por uma inversão de datas, somente agora conheci seu predecessor, "Electric Eye" (2021), seu segundo álbum solo e outro ótimo registro na sua carreira.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Pois bem, para quem também está conhecendo Carl aos poucos (falha minha, assumo), ele é um veterano do cenário hard/heavy: surgiu com o PERSIAN RISK durante a explosiva época da New Wave Of British Heavy Metal (NWOBHM) e continuou fazendo seu nome tocando em vários outros grupos/projetos até assumir em 2015 os vocais do grande NAZARETH devido a aposentadoria dos palcos de Dan McCafferty - triste coincidência, essa resenha foi feita poucos dias após a notícia do seu falecimento, aos 76 anos.

"Electric Eye" (2021) foi mais um disco de Carl que passou sem chamar muito a atenção do público, o que é uma lástima, pois é um ótimo disco de hard rock e já indicava ali o bom trabalho que viria a ser lançado com o NAZARETH alguns meses depois.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Diferentemente do seu segundo trabalho pelo NAZARETH, onde participou em apenas três das quatorze faixas, aqui Carl deixa claro que ele é quem dá as cartas: todas as músicas, letras, fotos do encarte e produção (muito bem-feita, diga-se), é dele. Talvez pelo fato de ter mais liberdade, algumas músicas acabaram podendo soar mais pesadas (como em "Overload" e "Exile") e até seu visual é diferente do que é visto no NAZARETH.

Além dos seus potentes vocais, Carl também aparece como um bom guitarrista. Esperto que é, se cercou dos experientes Bob Richards (bateria, ex-ASIA, ex-ADRIAN SMITH e temporário no AC/DC) e de Wayne Banks (baixo, ex-BLAZE BAYLEY, PERSIAN RISK). De convidados, chamou os parceiros de longa data Don Airey (teclados, DEEP PURPLE, ex-OZZY OSBOURNE, ex-RAINBOW) e dos guitarristas e ex-colegas de banda Jay Banks (PERSIAN RISK) e Dario Mollo (DARIO MOLLO'S CROSSBONES).

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Com um time desse, "Electric Eye" (2021) só podia ser mesmo um bom disco: fácil de ouvir, tem melodias cativantes, peso na medida certa e "um quê" de modernidade. Suas dez faixas descem macias, quando chega ao final, lá vai você ouvir de novo só para confirmar que "nossa, esse disco é bom mesmo".

Difícil apontar destaques, mas a faixa de abertura "Judas" é marcante e tem ótimos vocais, "Alright" tem um toque pop rock na medida, as baladas rock "Nervous Breakdown" e "Young Beggars" não soam fúteis e "Battlecry" tem uma linha de baixo matadora.

Na época que resenhei "Surviving The Law" (2022), disse que Carl havia sido a escolha ideal para o cargo. Conhecendo mais um pouco do seu trabalho, digo mais: que sorte tem o NAZARETH em ter um cara como CARL SENTANCE!

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Electric Eye" (2021) e seus trabalhos com o NAZARETH estão sendo distribuídos no Brasil pela Shinigami Records em parceria com a Valhall Music/ Drakkar Entertainment.

Confira "Electric Eye" (2021) na íntegra

Formação:
Carl Sentance: vocais, guitarra
Wayne Banks: baixo
Bob Richards: bateria

Faixas:
01 Judas
02 Alright
03 Electric Eye
04 Overload
05 Nervous Breakdown
06 Exile
07 Young Beggars
08 If This Is Heaven
09 Battlecry
10 California Queen

Resenha - Surviving The Law - Nazareth

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Siga Whiplash.Net: Facebook | Instagram | Twitter | YouTube

Receba as novidades do Whiplash.Net por WhatsApp


Samael Hypocrisy


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Punk Rock: os 25 melhores discos segundo o site IGN

Black Metal: cinco bandas do lado depressivo do satanismo


Sobre Mário Pescada

Mineiro, leitor compulsivo, ouvinte de todas as vertentes do rock - do blues ao grindcore. Valoriza mais a honestidade e entrega em cima do palco do que a técnica. Guarda os flyers dos shows que vai como se fossem relíquias.

Mais matérias de Mário Pescada.