Matérias Mais Lidas

imagemVital, o ex-Paralamas que virou nome de música e depois foi pro Heavy Metal

imagemSteven Tyler dá entrada em clínica de reabilitação após sofrer recaída

imagemEncontro entre Paul Di'Anno e Steve Harris resultou em "algo que será discutido"

imagemA opinião de Arnaldo Antunes sobre a competição interna que havia nos Titãs

imagemO que Adrian Smith descobriu ao retornar ao Iron Maiden

imagemRegis Tadeu explica porque Ximbinha é um dos melhores guitarristas do Brasil

imagemShavo Odadjian, baixista do System Of A Down, conta quais álbuns mudaram sua vida

imagemO dia que os membros do Black Sabbath foram amaldiçoados por uma seita satânica

imagemNick Mason relembra a época que o Pink Floyd desastrosamente tentou tocar reggae

imagemAs composições de Paul McCartney nos Beatles preferidas de John Lennon

imagemTodos os discos do Nightwish, do pior para o melhor, em lista da Metal Hammer

imagemNicko McBrain, do Iron Maiden, mostra o seu novo (e enorme) kit de bateria

imagemMark Tremonti, do Alter Bridge, revela que é grande fã de lendária banda de metal

imagemIntegrantes do Rush relembram a época que abriram shows para o Kiss, em 1975

imagemMarcello Pompeu agradece mobilização de fãs


Bon Jovi: letras relevantes não salvaram mais um disco ruim

Resenha - 2020 - Bon Jovi

Por Victor de Andrade Lopes
Em 16/10/20

Nota: 4

Quatro anos atrás, eu encerrava minha então mais recente resenha do quinteto estadunidense de pop rock Bon Jovi, sobre o chatíssimo This House Is Not for Sale, com um esperançoso "Mas eu sou brasileiro e não desisto nunca: um dia, o Bon Jovi há de voltar." 2020, esse ano louco, que inclusive é o próprio nome do sucessor de THINFS, poderia ter sido a oportunidade de consagrar minha previsão, mas... é, não foi dessa vez.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Após ver o lançamento (preparado desde março de 2019) adiado por conta da pandemia, o líder, vocalista e violonista Jon Bon Jovi aproveitou para escrever duas músicas adicionais de temas atualíssimos: "Do What You Can", sobre o impacto da COVID-19, e "American Reckoning", sobre o assassinato de George Floyd. Felizmente, elas não foram relegadas a meras faixas-bônus; na verdade, "Shine" e "Luv Can" - ambas tão dispensáveis quanto 80% do disco - é que acabaram indo pro banco para dar lugar às irmãs mais novas.

Vamos prum papo reto: tirando essa dupla de novidades, o disco não tem quase nada de muito empolgante. E olha que "American Reckoning", em que pese sua mensagem de extrema relevância, ainda deve muito para peças de temas similares como "American Skin (41 Shots)", do também novajersiano Bruce Springsteen.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Os problemas são os mesmos que afligem a banda há mais ou menos uma década: produção pasteurizada, arranjos que praticamente imploram por execução nas rádios e baixo aproveitamento do potencial dos integrantes - todos amplamente respeitados no meio musical.

Além das já citadas, temos duas outras exceções à lógica. Uma delas é "Story of Love", que quase desperdiçou uma tocante mensagem com uma roupagem cafona e pouco inspirada, mas acabou salva no final por Phil X, que entrega um providencial e belíssimo solo.

A outra é "Beautiful Drug", a mais próxima do que poderíamos chamar de rock 'n' roll no disco, e muito enriquecida pela percussão de Everett Bradley.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Esta nova decepção vem com um gosto ainda mais amargo pelo fato do trabalho refletir a personalidade "ponta firme" da banda: a grana arrecadada com a venda dos três primeiros singles foi toda revertida para instituições ligadas aos temas dessas músicas.

Além das duas faixas convertidas em bônus, vale citar uma terceira, que na verdade é uma versão de "Do What You Can" com a participação de Jennifer Nettles, do Sugarland - uma adição que aumentou consideravelmente a qualidade da canção. Mas que não salva o disco. Se muito, evita que ele seja pior que os anteriores.

Abaixo, o clipe de "Do What You Can".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Track-list:
1. "Limitless"
2. "Do What You Can"
3. "American Reckoning"
4. "Beautiful Drug"
5. "Story of Love"
6. "Let It Rain"
7. "Lower the Flag"
8. "Blood in the Water"
9. "Brothers in Arms"
10. "Unbroken"
11. "Do What You Can" (part. Jennifer Nettles; faixa bônus da edição de luxo em streaming)
12 "Shine" (faixa bônus da edição de luxo em streaming)
13. "Luv Can" (faixa bônus da edição de luxo em streaming)

FONTE: Sinfonia de Ideias
http://bit.ly/20bonjovi20

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp


Rockstars: os piores empregos antes da fama

Stryper: É do Bon Jovi a maior canção sobre fé já feita



Sobre Victor de Andrade Lopes

Victor de Andrade Lopes é jornalista (Mtb 77507/SP) formado pela PUC-SP com extensões em Introdução à História da Música e Arte Como Interpretação do Brasil, ambas pela FESPSP, e estudante de Sistemas para Internet na FATEC de Carapicuíba, onde mora. É também membro do Grupo de Usuários Wikimedia no Brasil e responsável pelo blog Sinfonia de Ideias. Apaixonado por livros, ciências, cultura pop, games, viagens, ufologia, e, é claro, música: rock, metal, pop, dance, folk, erudito e todos os derivados e misturas. Toca piano e teclado nas horas livres.

Mais matérias de Victor de Andrade Lopes.