Matérias Mais Lidas

João Gordo: ele comenta treta com Digão do Raimundos, que o chamou de pela sacoJoão Gordo
Ele comenta treta com Digão do Raimundos, que o chamou de "pela saco"

Rodox: quando baterista estragou show da banda após João Gordo vê-lo rezandoRodox
Quando baterista estragou show da banda após João Gordo vê-lo rezando

Cavalera Conspiracy: Max confessa que mentiu a Iggor sobre primeiro álbum da parceriaCavalera Conspiracy
Max confessa que mentiu a Iggor sobre primeiro álbum da parceria

Resenha - Vera Cruz - Edu Falaschi
Resenha - Vera Cruz - Edu Falaschi

Guns N' Roses: as diferenças entre Steven Adler e Matt Sorum, segundo Gilby ClarkeGuns N' Roses
As diferenças entre Steven Adler e Matt Sorum, segundo Gilby Clarke

Raimundos: Digão revela que recebeu proposta astronômica para reunião com RodolfoRaimundos
Digão revela que recebeu proposta "astronômica" para reunião com Rodolfo

Max Cavalera: como ele desistiu de detonar o Sepultura em Eye for an Eye, do SoulflyMax Cavalera
Como ele desistiu de detonar o Sepultura em "Eye for an Eye", do Soulfly

Iron Maiden: a reação de Steve Harris ao ouvir clássico de Bruce DickinsonIron Maiden
A reação de Steve Harris ao ouvir clássico de Bruce Dickinson

Sebastian Bach: quando o pai do Bon Jovi ameaçou matá-loSebastian Bach
Quando o pai do Bon Jovi ameaçou matá-lo

Sepultura: Max Cavalera admite que copiou Black Sabbath em Roots Bloody RootsSepultura
Max Cavalera admite que copiou Black Sabbath em "Roots Bloody Roots"

Edu Falaschi: em exclusiva, ele conta tudo sobre Vera Cruz, seu 1º álbum soloEdu Falaschi
Em exclusiva, ele conta tudo sobre "Vera Cruz", seu 1º álbum solo

Nirvana: por que, até hoje, Dave Grohl não canta músicas da bandaNirvana
Por que, até hoje, Dave Grohl não canta músicas da banda

Kiss: Vinnie Vincent está vendendo suas letras manuscritas por 50 mil dólaresKiss
Vinnie Vincent está vendendo suas letras manuscritas por 50 mil dólares

Mamonas Assassinas: a história das fotos dos músicos mortos, feitas para tabloideMamonas Assassinas
A história das fotos dos músicos mortos, feitas para tabloide

Iron Maiden: banda não será incluída no Rock And Roll Hall Of Fame em 2021Iron Maiden
Banda não será incluída no Rock And Roll Hall Of Fame em 2021


Edu Falaschi - Vera Cruz
Pentral

British Lion: Steve Harris acerta a mão em segundo álbum solo

Resenha - Burning - British Lion

Por Ricardo Seelig
Em 19/01/20

publicidade

Quase oito anos após o lançamento de seu disco de estreia, o British Lion retorna com o seu segundo trabalho. Para os desinformados, trata-se da outra banda de Steve Harris, que o mundo conhece como baixista, líder e principal compositor do Iron Maiden.

Os atributos usados para apresentar Harris aos leitores também servem de parâmetro para o que será ouvido nos dois álbuns do British Lion. Steve está no comando do Maiden há mais quarenta anos, sendo autor de aproximadamente 75% ou mais de todas as canções gravadas pela lendária banda britânica. Assim, é lógico que, ao montar um novo projeto, ele explore aspectos da sua musicalidade que não são adequados ao Iron Maiden. Esse é o ponto central para se entender como o British Lion soa.

Ou seja, não há nada do Iron Maiden aqui, a não ser Steve. Esse é o primeiro ponto. O segundo é que o baixista explora caminhos mais leves e sem o apelo grandioso e épico comuns à sua "outra banda". Em suma: a razão de existir do British Lion é dar vazão para Steve Harris fazer um som diferente do que ele fez há quatro década no Iron Maiden. E é exatamente isso que o baixista entrega em "The Burning", cuja arte da capa foi criada pelo designer brasileiro Gustavo Sazes.

Há uma evolução em relação ao auto intitulado primeiro álbum, principalmente em relação ao vocal de Richard Taylor. Massacrado na estreia do projeto, Taylor soa não apenas mais maduro mas também mais ciente de suas limitações. Seu registro não tem nada a ver com o de Bruce Dickinson, e esse foi um dos tons principais das críticas que o disco de 2012 recebeu, mas a ideia aqui é, lembrem-se, não soar como o Maiden. Além da performance menos afetada de Taylor percebe-se uma evolução também no trabalho de guitarras, executado pela dupla David Hawkins e Grahame Leslie, que entrega belas harmonias e solos competentes. O baterista Simon Dawson completa a formação.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O som do British Lion pode ser definido como um rock que bebe no lado clássico dos anos 1970, porém quase que exclusivamente nas sonoridades mais suaves daquela década – as influências pesadas e progressivas são a praia do Maiden. Assim, o resultado acaba soando como uma espécie de união entre o rock clássico e o pop, com alguns flertes com o rock alternativo no meio da jogada.

A conclusão é que o som do British Lion não é para a maioria dos fãs do Iron Maiden. Quem espera ouvir qualquer semelhança com a Donzela de Ferro nas onze faixas de The Burning quebrará feio a cara. Mas nem por isso a música deixa de ser boa. Esse segundo disco do British Lion soa mais redondo que o primeiro, e um dos fatores passa pela mudança na abordagem vocal de Taylor. As músicas também estão melhor resolvidas, com influências que vão de Fleetwood Mac a sutis flertes com a AOR. Refrãos fortes são abundantes e tornam canções como "Land of the Perfect People", "City of Fallen Angels", "Legend" e "Spit Fire" momentos de óbvio destaque.

É bom ouvir Steve Harris respirando outros ares fora da galáxia do Iron Maiden. Se os fãs vão curtir esse arejamento ou não, é problema deles. Só posso falar por mim: eu gostei.

Fonte:
http://www.collectorsroom.com.br/2020/01/review-british-lion-burning-2019.html

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Arte Musical
Stamp
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Iron Maiden: Steve Harris revela por que escolheu tocar baixoIron Maiden
Steve Harris revela por que escolheu tocar baixo

British Lion: Steve diz que tocar com a banda é como voltar ao início do MaidenBritish Lion
Steve diz que tocar com a banda é como voltar ao início do Maiden

Steve Harris: Sinto falta de tocar nesses lugares menores, perto da plateiaSteve Harris
"Sinto falta de tocar nesses lugares menores, perto da plateia"


Metallica: por que 9 entre 10 fãs odeiam Load e Reload?Metallica
Por que 9 entre 10 fãs odeiam "Load" e "Reload"?

Out: os 100 álbuns mais gays de todos os tempos segundo a revistaOut
Os 100 álbuns mais gays de todos os tempos segundo a revista


Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig no Whiplash.Net.